Do 'ethos' ao etos

um conceito sem 'H' e sem determinantes

Palavras-chave: Etos (mostrado), Semântica global, Subjetividade.

Resumo

O presente artigo está organizado em três momentos. Inicialmente, procede-se a um duplo debate: uma reflexão sobre a opção majoritária de se grafar ethos como palavra estrangeira e a proposta de conferir ao conceito uma grafia em língua portuguesa, a saber, etos, como já o apresentam diferentes dicionários; uma indagação sobre a real necessidade de se manterem categorias como as de etos pré-discursivo (ou prévio) e etos dito, tendo em vista a produtividade de uma concepção de etos tal como fora postulada em seus primórdios, restrita ao que se chamou etos mostrado. Em um segundo momento, um exercício de leitura de texto publicado na mídia digital sobre tema da atualidade, a saber, o casamento gay, reproduzido em anexo, terá por objetivo ratificar a pertinência da opção que fazemos por manter uma única categoria de etos, considerando que dispositivos como o vocabulário e coenunciadores, integrantes da semântica global de D. Maingueneau, podem dar conta do que vem sendo atribuído a diferentes subcategorias de etos. Por fim, propõe-se uma breve reflexão acerca da noção de subjetividade, a qual ocupa um lugar central nos estudos de base discursiva, buscando-se afastar uma concepção essencialista ou naturalizada do conceito, que muitas vezes é responsável por torná-la indistinta do que se compreende por identidade e individualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Deusdará, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professor de Linguística e Análise do Discurso atuando em graduação e pós-graduação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Décio Rocha, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professor de Linguística e Análise do Discurso do Departamento de Estudos da Linguagem do Instituto de Letras (ILE), UERJ. Professor do Programa de Pós-graduação em Letras do ILE, UERJ, na especialidade Linguística.

Poliana Coeli Costa Arantes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professora Adjunta de Língua e Literatura Alemã do Instituto de Letras da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e Professora efetiva no Programa de Pós-graduação em Letras do ILE/UERJ.

Referências

AMOSSY, R. “O ethos na intersecção das disciplinas: retórica, pragmática, sociologia dos campos”. In: AMOSSY, R. (Org.) Imagens de si no discurso – a construção do ethos. Tradução de Dilson Cruz, Fabiana Komesu, Sírio Possenti. São Paulo: Contexto, 2005, p. 119-144.

DELEUZE, G. Diferença e Repetição. Trad. Luiz Orlandi, Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

DI FANTI, M.da G.C.; FERÉ, L. Letras de Hoje. V. 53, No 3. Porto Alegre: Ed. PUC-RS, 2018.

DUCROT, O. “Esboço de uma teoria polifônica da enunciação”. In: DUCROT, O. O dizer e o dito. Revisão técnica de tradução de Eduardo Guimarães. Campinas: Pontes, 1987.

FOUCAULT, M. “Une interview de Michel Foucault par Stephen Riggins”. Dits et écrits 1980-1988. Vol. IV. Paris: Gallimard, 1994, p. 536), 1994.

GUATTARI, F. Caosmose – um novo paradigma estético. Tradução de Ana Lúcia de Oliveira, Lúcia Cláudia Leão. São Paulo: Ed. 34, 1992.

HADDAD, G. “Ethos prévio e ethos discursivo: o exemplo de Romain Rolland”. In: AMOSSY, R. (Org.) Imagens de si no discurso – a construção do ethos. Tradução de Dilson Cruz, Fabiana Komesu, Sírio Possenti. São Paulo: Contexto, 2005, p. 145-165.

HENRIQUES, C. C. Geo-História do Português. Estudos sobre a história e a geografia do português na perspectiva brasileira. Rio de Janeiro: Gramma, 2019.

MAINGUENEAU, D. Novas Tendências em Análise do Discurso. Tradução de Freda Indursky. Campinas: Pontes, 1989.

MAINGUENEAU, D.. “O etos”. In: MAINGUENEAU, D. O Contexto da Obra literária. Tradução de Marina Appenzeller. Revisão de tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

MAINGUENEAU, D.. “Interdiscurso”. In: CHARAUDEAU, P.; MAINGUENEAU, D. Dicionário de Análise do Discurso. Coord. de tradução Fabiana Komesu. São Paulo: Contexto, 2004.

MAINGUENEAU, D.. “Ethos, cenografia, incorporação”. In: AMOSSY, R. (Org.) Imagens de si no discurso – a construção do ethos. Tradução de Dilson Cruz, Fabiana Komesu, Sírio Possenti. São Paulo: Contexto, 2005, p. 69-92.

MAINGUENEAU, D.. Retour critique sur l’éthos. In: Langage et société. N0 149. Paris: Éditions de la Maison des sciences de l’homme, 2014/3, p.31-48.

MIRANDA, L. L. “Subjetividade: a (des)construção de um conceito”. In: SOUZA, S.J e. (Org.) Subjetividade em questão: a criança como crítica da cultura. Rio de Janeiro: 7Letras, 2005.

MIRANDA, L.L.; SOARES, L.B. Produzir subjetividades: o que significa? (online). In: Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 9, n. 2. Rio de Janeiro: Uerj, 2009, p. 408-428.

MOTTA, A.R.; SALGADO, L. (Orgs.) Ethos discursivo. São Paulo: Contexto, 2008.

Publicado
2019-07-01
Como Citar
Deusdará, B., Rocha, D., & Arantes, P. C. C. (2019). Do ’ethos’ ao etos. Cadernos De Estudos Lingüísticos, 61, 1-17. https://doi.org/10.20396/cel.v61i0.8655079
Seção
Dossiê Ethos discursivo em diversas dimensões