Professores, mídia e estado

representações em torno da figura docente nas manifestações de 2015 no Paraná

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v62i00.8657986

Palavras-chave:

Representação, Professor, Análise crítica do discurso

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo analisar algumas representações construídas sobre as manifestações ocorridas no Paraná em abril de 2015 e seus participantes, quais sejam, professores e policiais. O foco recai nas representações acerca do professor, na tentativa de entender se elas são indicativas da desvalorização que acomete essa categoria profissional. Serão analisadas as escolhas lexicais em notícias de três portais de notícias online: Estadão; G1 e Uol. Dessa forma, buscamos identificar quais são as ideologias que perpassam os discursos desses órgãos de comunicação, partindo do princípio de que a mídia pode influenciar as opiniões e construções da realidade da população como um todo. Para tanto, utilizamos como abordagem teórico-metodológica a Análise Crítica do Discurso de Norman Fairclough. A análise demonstrou que, nos três portais de notícias, é reforçada a naturalização da violência policial, bem como a visão negativa atribuída a manifestações e greves mobilizadas por docentes. Nesse sentido, o trabalho evidencia contradições em torno da figura do professor, enaltecido em campanhas publicitárias e, ao mesmo tempo, desvalorizado em tantos aspectos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karen Cristiny de Andrade Correia, Universidade Federal de São João Del-Rei

Mestra em Letras pela Federal University of São João Del-Rei (MG).

Cláudio Márcio do Carmo, University of São João Del-Rei

Professor Associado da Universidade Federal de São João del-Rei e Pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Referências

ALTHUSSER, L. Ideologia e Aparelhos Ideológicos de Estado (Notas para uma investigação). In: ZIZEK, S. (Org.). Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, [1970]1996. p. 105-142.

CHOULIARAKI, L.; FAIRCLOUGH, F. Discourse in late modernity: rethinking Critical Discourse Analysis. Edinburgh: Edinburgh University Press, 1999.

CARMO, C. M.. Grupos minoritários, grupos vulneráveis e o problema da (in)tolerância: uma relação linguístico-discursiva e ideológica entre o desrespeito e a manifestação do ódio no contexto brasileiro. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, v. 64, p. 201-223, 2016.

CARMO, C. M.. Sobre (multi)letramento: para uma leitura crítica de mundo contra o ódio e a discriminação. In: Sousa, R. E. S. (Org.). Linguagem como instrumento para (re)(d)(escre)(ver) o mundo: gêneros textuais/discursivos e processos semióticos multimodais. 1ed.Rio de Janeiro: Mares Editores, 2017, v. 1, p. 278-304.

CORREIA, K. C. A. "Na prática, a teoria é outra", uma análise discursiva sobre a responsabilidade social do professor de português da educação básica. Dissertação (Mestrado em Letras: Teoria Literária e Crítica da Cultura), Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), 2017.

ELISEU, T. A. F. O impeachment e Dilma Rousseff: uma análise das representações sociais projetadas em editoriais do Jornal Folha de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Letras: Teoria Literária e Crítica da Cultura), Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), 2017.

FAIRCLOUGH, N. Language and Ideology. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, v. 17, jan./jun. 1991, p. 113-131.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Tradução de Izabel Magalhães. Brasília: Editora UnB, 2001a.

FAIRCLOUGH, N. Critical discourse analysis as a method in social scientific research. In: WODAK, R.; MEYER, M. Methods of critical discourse analysis. London – Thousand Oaks – New Delhi: Sage Publications, 2001b. p. 121-138.

FAIRCLOUGH, N. Analysing discourse: textual analysis for social research. London. Routledge, 2003.

FOWLER, R. Sobre a linguística crítica. Linguagem em (dis)curso, Tubarão, v. 4. nº especial, p. 207-222. [1996]2004.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2017.

KRUPPA, S. O movimento dos professores em São Paulo: o sindicalismo no serviço público, o Estado como patrão. Dissertação (Mestrado em Educação), USP, São Paulo, 1994.

OLIVEIRA, A. Regionalismos brasileiros: a questão da distribuição geográfica. In: OLIVEIRA, A.; ISQUIERDO, A. As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. Campo Grande: UFMS, 2001, p. 109-117.

RASÊRA, M. Jornalismo digital: do boom aos dias atuais. Uma reflexão sobre a necessidade da convergência de meios decorrente da mudança de hábitos de consumo da noticia. Ícone, Recife, v. 12, n. 1, p. 1-9, 2010.

RECUERO, R. Deu no Twitter, alguém confirma? Funções do Jornalismo na Era das Redes Sociais. In: 9ºEncontroda Sociedade Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo, 2011, Rio de Janeiro. Anais da 9ª SBPJor, 2011, p. 1-19.

RESENDE, V. M.; RAMALHO, V. V. S. Análise de Discurso Crítica. São Paulo: Contexto, 2006.

SANTOS, P. F. Memória e discurso: a construção do professor grevista a partir de editoriais jornalísticos. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 46, n. 3, p. 877-889, 2017.

SOARES, M. Português na escola: história de uma disciplina curricular. In: BAGNO, M. (Org.). Linguística da Norma. São Paulo: Loyola, 2012, p. 141-160.

THOMPSON, J. B. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. Petrópolis – RJ: Vozes, 1998.

TUCHMAN, G. A objetividade como ritual estratégico: uma análise das noções de objetividade dos jornalistas. In: TRAQUINA, N. Jornalismo: questões, teorias e estórias. Lisboa: Vega, 1999.

VICENTINI, P. P. Celebração e visibilidade: o Dia do Professor e as diferentes imagens da profissão docente no Brasil (1933-1963). Revista Brasileira de História da Educação, Maringá, n. 8, jul./dez., p. 9-41, 2004.

VICENTINI, P. P; LUGLI, R. G. História da profissão docente no Brasil: representações em disputa. São Paulo: Cortez, 2009.

WOODWARD, K. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, T. T. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 07-72.

REFERÊNCIAS DO CORPUS

CONFLITO no Paraná deixou 60 feridos, diz governo; prefeitura fala em 150. Uol. São Paulo, 29 de abril de 2015. Disponível em: <http://educacao.uol.com.br/noticias/2015/04/29/confronto-entre-pms-e-professores-no-pr-deixaram-60-feridos-diz-governo.htm> Acesso em: 16 de maio de 2015 às 18:44.

APÓS confronto, professores marcam reunião para definir rumo da greve. G1 PR. Curitiba, 30 de abril de 2015. Disponível em: <http://g1.globo.com/pr/parana/noticia/2015/04/apos-confronto-professores-marcam-reuniao-para-definir-rumo-da-greve.html> Acesso em: 16 de maio de 2015 às 18:38.

LIMA, J. C. Confronto entre PM e professores no PR deixa cerca de 200 feridos. Estadão. São Paulo, 29 de abril de 2015. Disponível em: <http://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,confronto-entre-pm-e-professores-no-pr-deixa-cerca-de-200-feridos,1678429>Acesso em: 16 de maio de 2015 às 18:41.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

CORREIA, K. C. de A.; CARMO, C. M. do. Professores, mídia e estado: representações em torno da figura docente nas manifestações de 2015 no Paraná. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 62, n. 00, p. e020027, 2020. DOI: 10.20396/cel.v62i00.8657986. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8657986. Acesso em: 21 jan. 2022.