O controle dos traços semânticos de “nós” e “a gente” em estudos variacionistas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v64i00.8660585

Palavras-chave:

1ª pessoa do plural, Traços semânticos, Meta-análise

Resumo

A primeira pessoa do plural apresenta diferentes possibilidades de interpretação semântica, codificando referentes mais ou menos abrangentes. Os estudos sociolinguísticos evidenciam que o valor semântico atrelado aos contextos referenciais expressos pela primeira pessoa do plural é significativo para a variação entre as formas nós e a gente. A fim de apresentar generalizações a respeito do uso de a gente em função dos traços semânticos do referente, apresentamos um estudo de meta-análise de dezessete pesquisas variacionistas que analisaram a interpretação semântica das formas de primeira pessoa do plural. Inicialmente, realizamos teste de qui-quadrado para cada estudo de forma independente. De modo geral, os resultados da análise univariada mostram que há associação entre a escolha da variante (nós ou a gente) e o traço semântico do referente. Em seguida, com o objetivo de apresentar uma generalização a respeito das chances de uso de a gente com valor semântico específico/determinado, realizamos análise de regressão logística generalizada para cada estudo. Os resultados dão indícios de que os contextos referenciais específicos/determinados apresentam tendência a serem codificados por a gente, o que indica a perda da distinção semântica específico/genérico entre as variantes nós e a gente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josilene de Jesus Mendonça, Universidade Federal de Sergipe

Doutorado em Letras pela Universidade Federal de Sergipe. Professora Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Sergipe.

Referências

ARAÚJO, S. S. F.; FREITAG, R. M. K. Concordância verbal, difusão da mudança linguística no contínuo rural-urbano e mudança em curto espaço de tempo. Working Papers em Linguística, 22(2), Florianópolis, 2021. DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8420.2021.e76094

BENVENISTE, E. Problemas de linguística geral I. – 5ª edição – Campinas, SP. Pontes Editores, 2005 [1966].

BORGES, P. R. S. A gramaticalização de a gente no português brasileiro: análise histórico-social-linguística da fala das comunidades gaúchas de Jaguarão e Pelotas. Tese (doutorado em Letras). Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Paraná. Porto Alegre, 2004.

FOEGER, C. C. A primeira pessoa do plural no português falado em Santa Leopoldina/ES. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2014.

FRANCESCHINI, L. T. Variação Pronominal nós/a gente e tu/você em Concórdia/SC. Tese (Doutorado em Letras) - Programa de Pós-Graduação em Letras. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2011.

FREITAG, R. M. K. Como fazer meta-análise com dados sociolinguísticos? Disponível em: https://rkofreitag.github.io/meta.html. Acesso em: 28-06-2020.

LOPES, C. R. S. Nós e a gente no português falado culto do Brasil. Dissertação de Mestrado em Língua Portuguesa, Rio de Janeiro, Faculdade de Letras/UFRJ, 1993.

LOPES, C. R. S. A inserção de a gente no quadro pronominal do português. Frankfurt am Main/Madrid: Vervuert/Iberoamericana, v.18, 2003.

LOPES, C. R. S. A gramaticalização de a gente em português em tempo real de longa e de curta duração: retenção e mudança na especificação dos traços intrínsecos. Fórum Linguístico, Florianópolis, v. 4, n.1, p. 47-80, 2004.

LUCCHESI, D. A representação da primeira pessoa do plural. In: LUCCHESI, D.; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (Orgs). O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009, p. 457-469. DOI: https://doi.org/10.7476/9788523208752.0021

MENDONÇA, A. K. Nós e a gente na cidade de Vitória: análise da fala capixaba. Revista PerCursos Linguísticos. Vol. 2, n. 4, 2012.

MENDONÇA, J. J. Interpretação de pronomes de primeira pessoa do plural. Caderno de Squibs: Temas em Estudos Formais da Linguagem, 4(2), 2018, p. 45-54.

NASCIMENTO, C. S. Nós e a gente em Salvador: confronto entre duas décadas. 2013. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2013.

OMENA, N. P. A referência à primeira pessoa do plural: variação ou mudança? In: PAIVA, M. C.; DUARTE, M. E. L. (Org.) Mudança linguística em tempo real. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 2003, p. 63-80.

SANTOS, K. C. Estratégias de polidez e a variação de nós X a gente na fala de discentes da Universidade Federal de Sergipe. Dissertação (Mestrado em Letras). Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de Sergipe, 2014.

SEARA, I. C. A variação do sujeito nós e a gente na fala florianopolitana. Organon, v. 14, n.28/29, 2000, p. 179-94. DOI: https://doi.org/10.22456/2238-8915.30203

SILVA, C. C. C. A variação nós e a gente no português culto carioca. Revista do GELNE, Piauí, V. 12, n. 1, 2010.

SILVA, I. De quem nós/a gente está(mos) falando afinal?: uma investigação sincrônica da variação entre nós e a gente como estratégias de designação referencial. 2004. 145 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

SOUZA, M. H. M. A variação nós e a gente na posição de sujeito na comunidade quilombola Serra das Viúvas/Água Branca-AL. Dissertação (Mestrado em Linguística e Literatura) – Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2020. DOI: https://doi.org/10.5212/Uniletras.v.43.17810.2021

TAMANINE, A. M. B. Curitiba da gente: um estudo sobre a variação pronominal nós/a gente e a gramaticalização de a gente na cidade de Curitiba – PR. 2010. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010.

VIEGAS, M. C.; MENDES, E. A. G. Variação nós ~ a gente na função de sujeito e de objeto nas comunidades de Itaúna e Machacalis/MG. Web-Revista SOCIODIALETO – NUPESDD/LALIMU, v. 9, nº 25, jul 2018, p. 518-542.

Downloads

Publicado

2022-10-06

Como Citar

MENDONÇA, J. de J. . O controle dos traços semânticos de “nós” e “a gente” em estudos variacionistas. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 64, n. 00, p. e022032, 2022. DOI: 10.20396/cel.v64i00.8660585. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8660585. Acesso em: 30 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Seção Geral