"Teu nome que é meu inimigo"

o político e a partilha do sensível no nome em Romeu e Julieta, de Shakespeare

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v64i00.8664592

Palavras-chave:

Nome, Semântica enunciativa, Análise de Discurso

Resumo

Inscrevendo-nos em uma semântica enunciativa materialista, tendo em conta princípios da Análise de Discurso (AD) francesa, neste artigo contrastamos os sentidos de nome enunciados por uma personagem de Romeu e Julieta (1597), de Shakespeare, com a conceitualização de nome proposta por Guimarães (2002). A fim de apreender o funcionamento do nome próprio de pessoa dentro do mundo da peça, mobilizamos pressupostos materialistas sobre enunciação e sentido conforme desenvolvidos por Pêcheux ([1975] 1995), Guimarães (1989) e Orlandi (1990, [1999] 2007). Para além, buscamos pensar a nomeação em seu caráter político de partilha do sensível, na elaboração de Rancière (2000), cuja teoria em certa medida comparte, com a Semântica do Acontecimento de Guimarães, dos mesmos pressupostos materialistas sobre enunciação e sentido. O objetivo foi, a partir da combinação de tais formulações teóricas, ponderar a pergunta e a afirmação postas nos versos: “Que há num nome? Aquilo a que chamamos rosa / Teria o mesmo perfume se chamada por qualquer outro nome” – estes são dizeres da personagem Julieta, que quer o nome da personagem Romeu um rótulo vazio. Concluímos que, de um ponto de vista materialista histórico, o nome muda, sim, a rosa, já que Romeu, tendo sido nomeado Romeu (seu nome) e designado um Montéquio (seu sobrenome) ao nascer, se constituiria, inevitavelmente, parte de uma história hostil como membro de uma família inimiga à de Julieta (designada uma Capuleto). Não obstante a paixão que entorpece o olhar dos amantes, o político e a relação de confronto persistem, e o comum partilhado no sensível entre todos aqueles que participam da contenda entre as famílias tem implicações não só na esfera da intimidade dos dois jovens apaixonados, como também no âmbito da Verona shakespeariana, cidade em que se passa a peça.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joyce Mattos, Universidade Estadual de Campinas

Programa de pós-graduação em Linguística, Universidade Estadual de Campinas.

Referências

BLUTEAU, Rafael. Vocabulario portuguez & latino: aulico, anatomico, architectonico ... Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1716. v. 5. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/view/?45000008429&bbm/5449#page/772/mode/2up. Acesso em: 11 fev. 2020.

BRÉAL, Michel. Essai de Sémantique (Science des Significations). Paris: Librarie Hachette et Cie., 1897.

GODOY ALCÁNTARA, D. José. Ensayo histórico etimológico filológico sobre los apellidos castellanos. Madrid: M. Rivadeneyra, 1871.

GUIMARÃES, Eduardo. Enunciação e História. In: _________. (Org.). História e sentido da linguagem. Campinas: Pontes, 1989.

GUIMARÃES, Eduardo. Semântica do Acontecimento. Campinas: Pontes, 2002.

GUIMARÃES, Eduardo. Espaço de enunciação, cena enunciativa, designação. Fragmentum, Santa Maria, n. 40, p. 49-68, jan./mar. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/fragmentum/article/view/17264. Acesso em: 10 fev. 2020. DOI: https://doi.org/10.5902/17264

GUIMARÃES, Eduardo. Vocativo: enunciação e história. Entremeios: revista de estudos do discurso, Pouso Alegre, v. 13, p. 169-180, jul./dez. 2016. Disponível em: http://www.entremeios.inf.br/published/381.pdf. Acesso em: 10 fev. 2020. DOI: https://doi.org/10.20337/ISSN2179-3514revistaENTREMEIOSvol13pagina169a180

ORLANDI, Eni Puccinelli. Palavra de amor. Caderno de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 19, p. 75-95, jul./dez. 1990.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de discurso: princípios & procedimentos. 7. ed. Campinas: Pontes, 2007 [1999].

PÊCHEUX, Michel. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni Puccinelli Orlandi et al. 2. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1995 [1975].

PÊCHEUX, Michel. Análise Automática do Discurso – AAD-69. In: GADET, Françoise; HAK, Tony (org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 3. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1997.

RANCIÈRE, Jacques. Le partage du sensible. Paris: La Fabrique Editions, 2000. DOI: https://doi.org/10.3917/lafab.ranci.2000.01

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. Tradução de Mônica Costa Neto. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2009 [2000].

SAPIR, Edward. A linguagem: introdução ao estudo da fala. Tradução e apêndice de Joaquim Mattoso Camara Jr. São Paulo: Perspectiva, 1969 [1921].

SHAKESPEARE, William. Romeu e Julieta. Tradução e introdução de Barbara Heliodora. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011 [1597].

SHAKESPEARE, William. Romeo and Juliet. The Complete Works of William Shakespeare at the Massachusetts Institute of Technology. 2020. Disponível em: http://shakespeare.mit.edu/romeo_juliet/full.html. Acesso em: 7 jan. 2020.

STUART MILL, John. A System of Logic, Ratiocinative and Inductive. London: Longman, Green & Co., 1843.

Downloads

Publicado

2022-08-15

Como Citar

MATTOS, J. "Teu nome que é meu inimigo": o político e a partilha do sensível no nome em Romeu e Julieta, de Shakespeare. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 64, n. 00, p. e022018, 2022. DOI: 10.20396/cel.v64i00.8664592. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8664592. Acesso em: 2 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Seção Geral