O trabalho de leitura de literatura na educação básica brasileira:

interpretação e compreensão entre o jurídico, o econômico e o político

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v64i00.8667197

Palavras-chave:

Letramento literário, Análise de discurso, Político

Resumo

Problematizações surgem de maneira a questionar as metodologias de ensino de língua (em análise linguística, literatura, leitura e produção textual) na educação básica. Diversas obras têm sido elaboradas e lançadas de forma a tentar atualizar os debates sobre o papel e a possibilidade de o trabalho de leitura de literatura em língua portuguesa. No entanto, ainda assim, uma lacuna parece continuar se inscrever a respeito do investimento em trabalhos que articulem teorias literárias (narratologia, por exemplo), teorias pedagógicas e teorias discursivas. Como resultado, importantes referências têm sido lançadas, mas ainda reforçando relações jurídicas, econômicas e do político que conduzem professores (formadores de leitores de literatura) e alunos (leitores de literatura em formação) a identificações cujos funcionamentos precisam ser compreendidos como estratégia de se debater a permanência do autoritarismo e do liberalismo em práticas de leitura de literatura na educação básica. A partir disso, recorremos a alguns conceitos fundamentais da análise de discurso desenvolvida por Michel Pêcheux e Eni Orlandi – como interpretação, compreensão, leitura, autoria e sujeito – e a algumas reflexões de Dermeval Saviani sobre a historicidade da formação de professores e de uma Pedagogia Histórico-Crítica no Brasil. Com essa base, pretendemos sustentar um gesto de leitura sobre Letramento literário (2006), de Rildo Cosson, uma referência recorrente em cursos de formação de professores de literatura no Brasil. A partir da análise discursiva de algumas sequências recortadas da mencionada obra, objetivamos compreender o funcionamento de enunciados que, contraditoriamente, acabam corroborando relações jurídicas, econômicas e do político da língua que merecem ser consideradas no trabalho de construção de leitura (e no reconhecimento de sua divisão social) enquanto paráfrases do autoritarismo, do produtivismo e da exclusão de algumas posições de sujeito na formação social (travestidos pela metáfora da “liberdade de leitura”, “liberdade do leitor” pelo letramento).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jacob dos Santos Biziak, Instituto Federal de São Paulo

Professor do Instituto Federal de São Paulo, Campus Sertãozinho e da Universidade Estadual Paulista, Campus Araraquara, Brasil.

Referências

ALTHUSSER, Louis. De O capital à filosofia de Marx. In: ALTHUSSER, Louis et al. Ler o Capital. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

ALTHUSSER, Louis. Aparelhos ideológicos de estado. Rio de Janeiro: Graal,1992.

BIZIAK, Jacob dos Santos. Do valor da letra: um ensaio sobre letramento e ideologia. In: Jacob dos Santos Biziak; Daiane Padula Paz. (Org.). O que podem as licenciaturas em tempos de crise? (im)possíveis respostas do Instituto Federal do Paraná, campus Palmas. 1ed.São Carlos: Pedro & João Editores, 2020, v. 1, p. 347-367.

CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: ___. Vários Escritos. 5 ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul/ São Paulo: Duas Cidades, 2011.

COSSON, Rildo. Letramento literário: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2006.

GERALDI, João Wanderley. et al. (orgs.). O texto na sala de aula. 3. ed. São Paulo: Ática, 1999.

GUIMARÃES, Eduardo. Semântica: enunciação e sentido. Campinas: Pontes, 2018.

LAGAZZI, Suzy. Em torno da prática discursiva materialista. Organon, Porto Alegre, v. 30, n. 59, p. 85-100, 2015. DOI: https://doi.org/10.22456/2238-8915.57217

MASCARO, Alysson Leandro. Estado e Forma Política. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

MASCARO, Alysson Leandro. Direitos humanos: uma crítica marxista. Lua Nova, 2017, no.101, p.109-137. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-109137/101

NUNES, José Horta. Aspectos da forma histórica do leitor brasileiro na atualidade. In: E. P. Orlandi (org.). A leitura e os leitores. 1ed. Campinas: Pontes, 1998.

ORLANDI, Eni Pucinelli Discurso e leitura. 5.ed. São Paulo: Ed. da Unicamp, 1999.

ORLANDI, Eni Pucinelli A leitura e os leitores. Campinas, SP: Pontes, 2003.

ORLANDI, Eni Pucinelli Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. 2a ed. Campinas, SP: Pontes, 2005.

ORLANDI, Eni Pucinelli Educação em direitos humanos: um discurso. In: SILVEIRA, Rosa Maria Godoy et alii. (org.). Educação em direitos humanos: fundamentos teórico-metodológicos. 1. ed. João Pessoa: Editora Universitária, 2008, p. 295-311.

PACHUKANIS, Evgeni. Teoria Geral do Direito e Marxismo. São Paulo: Boitempo, 2017.

PÊCHEUX, Michel. Ler o arquivo hoje. In: ORLANDI, Eni Puccinelli (org.) [et al.]. Gestos de leitura: da história no discurso. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1994.

PÊCHEUX, Michel. Papel da Memória. IN: Pierre Achard et al. Papel da Memória. Campinas, SP: Pontes, 1999.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e Discurso. Uma Crítica à Afirmação do Óbvio. Tradução Eni P. de Orlandi et alii. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

POULANTZAS, Nicos. Poder político e classes sociais. Campinas, Editora Unicamp, 2019.

SAVIANI, Dermeval. O trabalho como princípio educativo frente às novas tecnologias. In: FERRETTI, Celso João et al. Novas tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

Downloads

Publicado

2022-06-02

Como Citar

BIZIAK, J. dos S. O trabalho de leitura de literatura na educação básica brasileira: : interpretação e compreensão entre o jurídico, o econômico e o político. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 64, n. 00, p. e022016, 2022. DOI: 10.20396/cel.v64i00.8667197. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8667197. Acesso em: 6 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Seção Geral