Banner Portal
Do que se ouve no que se diz - o equívoco no entre-línguas
PDF

Palavras-chave

Sujeito
Equívico
Lalíngua

Como Citar

TURRA, Bruno Molina; MOTTA, Valéria Regina Ayres. Do que se ouve no que se diz - o equívoco no entre-línguas. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 64, n. 00, p. e022021, 2022. DOI: 10.20396/cel.v64i00.8668159. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8668159. Acesso em: 18 abr. 2024.

Resumo

Partiremos da análise de um fato de língua a fim de pensarmos as relações produzidas para um falante entre dois sistemas linguísticos quando da emergência do equívoco. Fundamentados por uma linguística que nomeamos “milneriana”, que quer dizer uma linguística saussuriana afetada pela psicanálise, buscaremos pensar as noções de materno e estrangeiro postos em causa sob a égide de lalíngua, na medida em que esta é o que faz furo no Um da língua (MILNER, 1978[2012]). Em nossa discussão, trataremos do deslizamento de um sistema linguístico a outro a partir do que Lacan leu em Saussure como “cadeia significante”, um funcionamento já descrito por Freud, em 1901, ao tratar do esquecimento de palavras estrangeiras. Num segundo momento, faremos uma breve reflexão sobre o possível tratamento do equívoco (em oposição ao erro) na sala de aula de língua estrangeira no sentido de sustentá-lo enquanto da ordem da singularidade, daquilo que dá indícios de um sujeito.

https://doi.org/10.20396/cel.v64i00.8668159
PDF

Referências

ARRIVÉ, M. (2007) Em busca de Ferdinand de Saussure. São Paulo: Parábola, 2010.

ELIAS, S. Fundamentos histórico-linguísticos do Português do Brasil. Rio de Janeiro: Ediouro, 2009 – 2ª. Ed.

FREUD, S. (1901) Sobre a psicopatologia da vida cotidiana (Esquecimentos, lapsos da fala, equívocos na ação, superstições e erros). Obras Completas v. VI, Rio de Janeiro: Imago, 1996.

FREUD, S. (1901) Zur Psychopathologie des Alltagslebens (Über Vergessen, Versprechen, Vergreifen, Aberglaube und Irrtum) 1901. Gesammelte Werke. Disponível em: http://staferla.free.fr/Freud/freud.htm. Acesso em: 17 jan. 2022.

GADET, F.; PÊCHEUX, M. (1981) A Língua Inatingível – o discurso na história da linguística. Trad. Bethânia Mariani. Campinas: Pontes, 2004.

LACAN, J. (1957) A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud. Escritos. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 1998, p. 496-533.

LACAN, J. (1971-1972[2012]) O seminário, livro 19. ... ou pior. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 2012.

LACAN, J. (1972-1973[2008]) Seminário, livro 20: mais, ainda. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

LACAN, J. (1972[2003]) “O aturdito”, in: Outros escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., pp. 448-500.

LEMOS, C. T. G.. Entre o falante ideal e o sujeito falante: por onde se move a pesquisa linguística. In: Lúcia Rebello. (Org.). A Pesquisa em Letras e Linguística em tempos de Pós. Porto Alegre: Ed. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009. p. 1-8. DOI: https://doi.org/10.22456/2594-8962.55632. Acesso em 16 jan. 2022.

MILNER, J.-C. (1978) O amor da língua. Campinas: Ed. Da Unicamp, 2012.

MILNER, Jean-Claude. Linguística e Psicanálise. Rev. Estud. Lacan., Belo Horizonte, v. 3, n. 4, sp, 2010. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-07692010000100002&lng=pt&nrm=iso. Acessos em: 06 maio 2022.

MILNER, J.-C. (1995) Lacan I - Science du langage et théorie de la structure chez Jacques Lacan. In MILNER, J.-C. Le périple structural – figures et paradigme. Paris : Seuil, 2002, p. 141-151.

MILNER, J.-C. (2002) Lacan II – Technicités de l’hyperstrucuralisme Science du langage et théorie de la structure chez Jacques Lacan. In MILNER, J.-C. Le périple structural – figures et paradigme. Paris : Seuil, 2002, p. 152-168.

PÊCHEUX, M. (1983) Discurso: estrutura ou acontecimento. Trad. Eni Pulcinelli Orlandi. Campinas-SP: Pontes, 2006.

PEREIRA DE CASTRO, M. F. Saussure e o necessário esquecimento da fala infantil: uma leitura para a aquisição de linguagem. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 52, n. 1, p. 91–102, 2011. DOI: 10.20396/cel.v52i1.8637204. Acesso em: 17 jan. 2022.

PEREIRA DE CASTRO, M. F. Sur Saussure et la portée de sa pensée ». In: Daniele Gambarara; Fabienne Reboul.. (Org.). Travaux des Colloques Le Cours de Linguistique Générale, 1916-2016. L’émergence, Le devenir. 1ed.Genebra: Cercle Ferdinand de Saussure, 2017, v. 1, p. 1-9.

PLASTOW, M. (2011). L'origine du langage. La revue lacanienne, 11, 171-180. https://doi.org/10.3917/lrl.113.0171

PUECH, C. (2000[2013]). “L’esprit de Saussure : réception et héritage (l’héritage linguistique saussurien : Paris contre Genève)”, in: Les dossiers de HEL, Paris, SHESL, n. 3. Disponível em: htl.linguist.univ-paris-diderot.fr/num3/puech.pdf. Acesso em jun. 2018.

SAUSSURE, F. (1916[1968]). Cours de linguistique générale. Tomo 1, edição crítica de R. Engler, Wiesbaden: Otto Harrassowitz, 1968.

SAUSSURE, F. de. (1916[2002]) Curso de linguística geral. BALLY, C.; SECHEHAYE, A. (Orgs.), Tradução de Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein, prefácio à edição brasileira de Isaac Nicolau Salum (1970). São Paulo: Cultrix.

TRABANT, J. (2005) “Faut-il défendre Saussure contre ses amateurs ? Notes item sur l'étymologie saussurienne”, in: Langages, n. 159. pp. 111-124. Disponível em: https://www.persee.fr/doc/lgge_0458-726x_2005_num_39_159_2655. Acesso em: jun. 2018.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Cadernos de Estudos Linguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.