Escrita acadêmica no campo da educação

orientação retórica em introduções e conclusões de artigos científicos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v64i00.8668219

Palavras-chave:

Escrita acadêmica, Movimentos retóricos, Campo disciplinar, Didática da escrita

Resumo

Em tempos de acirrada política neoliberal comprometida com o produtivismo acelerado, o artigo é uma das formas de comunicação que mais circulam no âmbito acadêmico-científico, objeto sobre o qual recaem muitos dos índices de ranqueamento institucionais e é ele próprio tema recorrente de estudos vinculados aos estudos do letramento, à didática da escrita e aos estudos do discurso. Encontramos em Swales (1990) propostas que buscam articular saberes de campos teóricos distintos que podem contribuir para a didática da escrita acadêmica. Nessa seara, o objetivo principal deste estudo é compreender como a orientação retórica de introduções e conclusões dos artigos científicos da área da Educação se faz presente na composicionalidade, no estilo e no desenvolvimento temático desse gênero. Trata-se de uma pesquisa documental, cujo corpus é composto por 16 artigos da área da Educação, tendo sido os periódicos avaliados como Qualis A1, no quadriênio Capes 2013-2016. Os resultados revelam a presença dos movimentos retóricos apontados por Swales, por meio das estratégias discursivas de engajamento e posicionamento (HYLAND, 2015), e contribuem para a composicionalidade do gênero. Apesar disso, não é possível afirmar, como descrito por Swales, que tais movimentos sejam de ordem obrigatória. Verificou-se também que as configurações de escolhas sistemáticas de linguagem devem ser compreendidas no interior de um campo disciplinar e que o texto reflete as escolhas e as limitações que atuam sobre os autores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ada Magaly Matias Brasileiro, Universidade Federal de Ouro Preto

Doutorado em Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Professora adjunta da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Brasil.

Adilson Ribeiro de Oliveira , Instituto Federal Minas Gerais

Doutorado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Professor do Instituto Federal Minas Gerais, Campus Ouro Branco, Brasil.

Kariny Cristina Souza , Universidade do Estado de Minas Gerais

Doutorado em Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Professora da Universidade do Estado de Minas Gerais, Brasil.

Viviane Raposo Pimenta , Universidade Federal de Ouro Preto

Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Letras pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Professora Titular da Universidade Federal de Ouro Preto, Brasil.

Referências

ARANHA, S. A Busca de modelos retóricos mais apropriados para o ensino de escrita acadêmica. Revista do GEL, S. J. do Rio Preto, v. 4, n. 2. 2007, p. 97-114.

ASSIS, J. A. Representações sobre os textos acadêmico-científicos: pistas para a didática da escrita na universidade. Estudos Linguísticos, v.43, n.2. 2014.

ASSIS, J. A. Representações sociais sobre o professor na formação inicial docente: diálogos e confrontos In: REICHMANN, Carla; GUEDES, Ana Lúcia (Org.). Horizontes im/possíveis no estágio: práticas de letramento e formação de professores de línguas. São Paulo: Pontes Editores. 2018, p. 67-84.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003

BARTON, D.; HAMILTON, M. Local literacies London and NY: Routledge, 1998.

BAZERMAN, C. Gêneros, agência e escrita. São Paulo: Cortez, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Reforma da educação superior. Reafirmando princípios e consolidando diretrizes da reforma da educação superior. Documento II. 2004. 14p. Disponível em: <http://www.mec.gov.br/htm>. Acesso em: 21 ago. 2020.

AUTORA, 2020.

AUTORA, 2021.

CAPES. Ficha de avaliação dos programas de pós-graduação. Brasília, 2019. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/novo_portal/documentos/DAV/avaliacao/10062019_FichaAvalia%C3%A7%C3%A3o.pdf. Acesso em: 07 mai. 2020.

CAPES. Sistema Nacional de Pós-Graduação Brasileira: atualidades e perspectivas. Brasília, agosto de 2019. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-temporarias/externas/56a-legislatura/ministerio-da-educacao-e-planejamento-estrategico/documentos/audiencias-publicas/SoniaNairBao.pdf. Acesso em: 07 mai. 2020.

CORRÊA, M. L. G. As perspectivas etnográfica e discursiva no ensino da escrita: o exemplo de textos de pré-universitários. Revista da ABRALIN, v. Especial, p. 333-356, 2011. DOI: https://doi.org/10.5380/rabl.v10i4.32435

DELCAMBRE, I.; LAHANIER-REUTER, D. Discurso de outrem e letramentos universitários. In: RINCK, F.; BOCH, F.; ASSIS, J. A. (Org.). Letramento e formação universitária: formar para a escrita e pela escrita. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2015. p. 225-250.

HYLAND, K. Disciplinary discourse: social interactions in academic writing. Singapura: Pearson Education Limited, 2000.

HYLAND, K. Metadiscourse: exploring interaction in writing. Continuum: Londres, 2005.

HYLAND, K. Writing in the disciplines: research evidence for specificity. Taiwan international esp journal, v.1, 2009, p.5-22. DOI: https://doi.org/10.18485/esptoday.2017.5.1.1

HYLAND, K. Genre, Discipline and identity. Journal of english for academic purposes. Vol 19. 2015, p. 32-43. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jeap.2015.02.005

HYLAND, K.; TSE, P. Metadiscourse in academic writing: A reappraisal. Applied linguistics, 25. 2004, p. 156-177. DOI: https://doi.org/10.1093/applin/25.2.156

LEA, M. R.; STREET, B.V. Student writing in higher education: an academic literacies approach. Studies in Higher Education. 1998. v. 23, n. 6, p. 157– 172. DOI: https://doi.org/10.1080/03075079812331380364

LEA, M. R. O Modelo de “Letramentos Acadêmicos”: Teoria e Aplicações. Revista Filologia. Linguíst., nº 2, v. 16, p. 477-493, jul./dez. 2014. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v16i2p477-493

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MILLER, C. Estudos sobre gênero textual, agência e tecnologia. In: DIONÍSIO, A. P.; HOFFNAGEL, J. C. (Org.). Estudos sobre gênero textual, agência e tecnologia. Carolyn R. Miller. Recife: Universitária da UFPE, 2009.

MOTTA-ROTH, Désirée; HENDGES, Graciela H. Produção textual na universidade. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

REUTER, Yves. Analyser les problèmes de l’éscriture de recherche en formation. Pratiques, n. 121-122, p. 9-27, 2004. DOI: https://doi.org/10.3406/prati.2004.2029

SOBRAL, Adail. Do dialogismo ao gênero: as bases do pensamento do Círculo de Bakhtin. Campinas, São Paulo: Mercado de Letras, 2009.

SWALES, J. M. Research genres: explorations and applications. Cambridge, England: Cambridge University Press, 2004. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9781139524827

SWALES, J. M. Other floors other voices. Mahwah, NJ: Earlbaum.1998.

SWALES, J. M. Genre analysis: english in academic and research settings. Cambridge (UK); New York: Cambridge University Press, 1990.

SWALES; J.; FEAK, C. Academic writing for graduate students: a course for nonnative speakers of english: essential tasks and skills. Univ of Michigan, 1994.

VOLOCHINOV, V. N. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: HUCITEC, 2010.

Downloads

Publicado

2022-06-09

Como Citar

BRASILEIRO, A. M. M. .; OLIVEIRA , A. R. de .; SOUZA , K. C.; PIMENTA , V. R. . Escrita acadêmica no campo da educação: orientação retórica em introduções e conclusões de artigos científicos. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 64, n. 00, p. e022015, 2022. DOI: 10.20396/cel.v64i00.8668219. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8668219. Acesso em: 5 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Seção Geral