Banner Portal
"A cidade mãe de Sergipe tá on”
PDF

Palavras-chave

Discurso
Multiletramentos
Prefeitura de São Cristóvão
Pandemia de Coronavírus

Como Citar

COLAÇA, Joyce Palha; ROSA, Acassia dos Anjos Santos. "A cidade mãe de Sergipe tá on”: perspectivas de leitura das propagandas sobre a vacinação da prefeitura de São Cristóvão-Sergipe. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 66, n. 00, p. e024001, 2024. DOI: 10.20396/cel.v66i00.8671047. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8671047. Acesso em: 22 jul. 2024.

Resumo

Partindo da articulação entre Análise de Discurso e Letramentos Críticos, objetivamos compreender os dizeres que circularam no perfil da Prefeitura de São Cristóvão, conhecida como Cidade Mãe do Estado de Sergipe, acerca dos fatos históricos relacionados à Pandemia da SARS-CoV-2, da promoção da saúde pública e da vacinação. Com materialidades recortadas da página oficial do Instagram da Prefeitura, buscamos dar visibilidade a formas de leitura que entendem o histórico, o ideológico e os grupos envolvidos na enunciação tomada nesse espaço como lugar de disputa de sentidos. Pela análise empreendida, três aspectos se destacam: a organização para a vacinação; a divulgação científica; e a oposição ao Governo Federal.

https://doi.org/10.20396/cel.v66i00.8671047
PDF

Referências

BAPTISTA, Lívia Marcia Tibas Rádis. Multiletramentos, letramento visual e ensino de espanhol: algumas questões sobre as práticas comunicativas contemporâneas. In: BAPTISTA, Lívia Marcia Tibas Rádis. (Org). Autores e produtores de textos na contemporaneidade: multiletramentos, letramento crítico e ensino de línguas. Campinas: Pontes, 2016. p. 65-83.

COLAÇA, Joyce Palha. O mecanismo de antecipação e as estratégias de argumentação nos pronunciamentos de Fidel Castro. Icarahy, v. 1, p. 4, 2010.

DAWKINS, Richard. O gene egoísta. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

LAGAZZI, Suzy. O recorte e o entremeio: condições para a materialidade significante. In: RODRIGUES, Eduardo Alves; SANTOS, Gabriel Leopoldino dos Santos; CASTELO BRANCO, Luiza Kátia Castello Branco. (orgs.) Análise do Discurso no Brasil: pensando o impensado sempre – uma homenagem a Eni Orlandi. Campinas: Editora RG, 2011. p. 401-410.

LUNKES, Fernanda Luzia. SANCHO, Karla Amorim. BORGES, Fabiano Tonaco. Sentidos em (dis)curso em tempos de covid-19: uma análise dos processos de designação. In: BAALBAKI, Ângela Corrêa Ferreira; SILVA, Luiz Felipe Andrade. (Orgs.) Discursos da pandemia: entre dores e incertezas. Campinas: Pontes Editores, 2020. p. 53-68.

Márcia Fellipe. A mãe tá on! Compositores: Carlos Bruno Freitas Pinheiro; João Victor de Carvalho Menezes; Felipe de Pinho Marins;Tassia Morais de Andrade. Fortaleza: Universal Music, 2020. Disponível em: https://www.letras.mus.br/marcia-fellipe/a-mae-ta-on/. Acesso em: 02 set. 2022.

MARIANI, Bethania.O PCB e a imprensa. Os comunistas no imaginário dos jornais (1922-1989). Rio de Janeiro, Campinas: Editora da UNICAMP, 1998.

MATTOS, Andréa Machado de Almeida. Novos letramentos, ensino de língua estrangeira e o papel da escola pública no século XXI. Revista X, v. 1, 2011, p. 33-47.

MONTE MOR . Crítica e Letramentos Críticos: reflexões preliminares. In: Claudia Hilsdorf Rocha; Ruberval Franco Maciel. (Org.). Língua estrangeira e formação cidadã: por entre discursos e práticas. 1ed.Campinas: Pontes Editores, 2013, v. 1, p. 31-59.

MOREIRA, Carla Barbosa.Censura e silenciamento no discurso jornalístico. In: RIBEIRO, Ana Paula Goulart; FERREIRA, Lucia M. A. (Orgs.). Memória e produção de sentidos na mídia. Rio de Janeiro: MAUAD Editor, 2007. v. 1. p. 319-342.

NUNES, Fabio Oliveira. Mimetizar elementos do sistema das artes para discuti-lo? Palíndromo, n. 11, jan./jul. 2014, p.50-63.

ORLANDI, Eni; SOUZA, Tânia Conceição Clemente. Língua fluida e língua imaginária. ORLANDI, Eni. (Org.) Política linguística na América Latina. Campinas, SP: Pontes Editores, 1988. p. 27-40.

ORLANDI, Eni. Discurso e texto: formação e circulação dos sentidos. Campinas, SP: Pontes, 2001.

ORLANDI, Eni. [1994]. Gestos de leitura.Da história no discurso. 3. ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2010. p. 241-251.

ORLANDI, Eni. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. 4. ed. Campinas, SP: Pontes, 2004.

ORLANDI, Eni. A terra não é plana e o mundo das palavras não tem só dois lados. Ainda o silêncio em suas novas formas. In: GRIGOLETTO, Evandra; DE NARDI, FabieleStockmans; SILVA SOBRINHO, Helson Flávio da. (Orgs.).Ousar se revoltar: Michel Pêcheux e a Análise do Discurso no Brasil. Campinas: Pontes Editores, 2021. p. 53-78.

PÊCHEUX, Michel. [1969]. Análise Automática do Discurso. Trad. Eni P. Orlandi. In: GADET, Françoise; HAK, Tony. (Orgs.). Por uma Análise Automática do Discurso.Uma Introdução à Obra de Michel Pêcheux. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1990), p. 61-161.

PÊCHEUX, Michel. Papel da Memória. In: ACHARD, Pierre. (Org.). Papel da Memória. 2. ed. Campinas, SP: Pontes, 2007. p. 49-57.

RUIZ, M. A. A.; SOUSA, Lucília Maria Abrahão e. Memória e(m) discurso na pandemia - o acontecimento da Covid-19 em rede. Cadernos de Estudos Linguísticos (Unicamp), v. 63, p. 1-14, 2021.

SILVA, L. F. A.; BAALBAKI, A. C. F. .Saúde, ciência e política na encruzilhada de discurso: outra guerra da vacina. Caderno de Estudos Linguísticos, v. 63, p. 1-17, 2021.

SOARES, Magda. Novas práticas de leitura e escrita: letramento na cibercultura. Educação & Sociedade, Campinas, vol. 23, n. 81, p. 143-160, dez. 2002.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

STREET, Brian. Perspectivas interculturais sobre o letramento. Tradução de Marcos Bagno Filologia e Linguística Portuguesa. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 1997.

STREET, Brian. Literacy in theory and practice. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2024 Cadernos de Estudos Linguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.