Banner Portal
Discurso direto fictivo
PDF

Palavras-chave

Intersubjetividade
Fictividade
Discurso direto fictivo
Perspectivação conceptual
Ponto de vantagem

Como Citar

ROCHA, Luiz Fernando Matos; ALMEIDA, Sandra Aparecida Faria de; PAULA, Luciana Andrade. Discurso direto fictivo: a perspectivação conceptual como estratégia intersubjetiva argumentativa. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 65, n. 00, p. e023003, 2023. DOI: 10.20396/cel.v63i00.8672324. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8672324. Acesso em: 14 abr. 2024.

Resumo

Este artigo investiga manifestações de fictividade linguística em discurso direto e seus diferentes modos de operar discursiva e intersubjetivamente, tendo como base dados reais de fala espontânea do PB, em diatopia mineira. Apoia-se na Linguística Cognitiva, elegendo o conceito de perspectivação conceptual (construal) como guia para a hipótese de que, nas interações face-a-face, falante e interlocutor lançam mão do Frame de Conversa para estruturar a Interação Fictiva (PASCUAL, 2014), em especial o Discurso Direto Fictivo (ROCHA, 2022), como estratégia intersubjetiva argumentativa. A noção de (inter)subjetividade (VERHAGEN, 2005; TRAUGOTT; DASHER, 2005), inerente ao conceito de construal (VERHAGEN, 2005; TALMY, 2000; LANGACKER, 2008), é tomada como codificação explícita ou implícita da atenção por parte do falante ao interlocutor ou convite para que o interlocutor assuma uma determinada perspectiva discursiva, em busca de alinhamento (ALMEIDA, 2019) de pontos de vista. No tocante à metodologia, constituiu-se um banco de dados com base em gravações de fala espontânea em um salão de beleza, situado na cidade de Juiz de Fora (MG). Adotou-se uma abordagem metodológica baseada em corpus (corpus-based) e guiada por corpus (corpus-driven) (MCENERY; HARDIE, 2012; TOGNINI-BONELLI, 2001), possibilitando que o banco de dados norteasse os achados à luz de uma categoria já delimitada. A análise qualitativa evidenciou não apenas manifestações de Interação Fictiva em discurso direto, mas possibilitou identificar diferentes padrões sintáticos atrelados, no uso, a contornos melódicos específicos. Os resultados obtidos atestam a empiria do fenômeno e evidenciam o emprego do Discurso Direto Fictivo como frame atencional, ou janela de atenção, e a mudança de perspectiva como estratégia argumentativa intersubjetiva em prol do alinhamento de pontos de vista entre falante e interlocutor.

https://doi.org/10.20396/cel.v63i00.8672324
PDF

Referências

ALMEIDA, S. A. F. O conceito de perspectiva na rede conceptual das construções completivas epistêmicas: o caso das construções intersubjetivas disjuntivas. Revista Entrepalavras, v. 9, p. 214-236, 2019.

ALMEIDA, Sandra; FERRARI, L. V. Subjectivity, intersubjectivity and epistemic complementation constructions. Online Proceedings of UK CLA meetings, v. 01, p. 110-127, 2012.

BROWN, G.; YULE, G. Discourse analysis. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.

GOLDBERG, A. Constructions: a construction grammar approach to argument structure. Chicago: The University of Chicago Press, 1995.

GOLDBERG, A. Constructions at work: the nature of generalization in language. New York: Oxford University Press, 2006.

LANGACKER, R. W. Foundations of Cognitive Grammar: Theoretical Prerequisites. Vol. 1. Stanford: Stanford University Press, 1987.

LANGACKER, R. W. Concept, Image, and Symbol: The Cognitive Basis of Grammar. Berlin and New York: Mouton de Gruyter, 1991.

LANGACKER, R. W. Cognitive Grammar: a basic introduction. New York: Oxford University Press, 2008.

LODER, L. L.; JUNG, N. (orgs.). Fala-em-interação social: uma introdução à Análise da Conversa Etnometodológica. Campinas: Mercado de Letras, 2008.

MCENERY, T.; HARDIE, A. Linguistics: method, theory and practice. Cambridge: Cambridge University Press, 2012.

PASCUAL, E. Imaginary trialogues: conceptual blending and fictive interaction in criminal courts. 2002. 295 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Vrije Universiteit, Amsterdam, 2002.

PASCUAL, E. Fictive interaction: the conversation frame in thought, language and discourse. Amsterdam: John Benjamins, 2014.

PASCUAL, E.; SANDLER, S. The conversation frame: forms and functions of fictive interaction. Amsterdam: John Benjamins, 2016.

ROCHA, L. F. M. A construção da mímesis no reality show: uma abordagem sociocognitivista para o discurso reportado. 2004. Tese (Doutorado em Linguística). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

ROCHA, L. F. M. A perspectivação conceptual em Autocitação Factiva e Fictiva. DELTA. Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada (PUCSP. Impresso), v.29, p. 311-339, 2013.

ROCHA, L. F. M. Autocitação fictiva em português europeu e brasileiro. Alfa: Revista de Linguística (UNESP. Online), v.58, p.63-92, 2014.

ROCHA, L. F. M. Cá, com os meus botões: conversar comigo mesmo por que, para que e para quem. 2022. Tese (Promoção a Professor Titular). Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais.

ROCHA, L.; ARANTES, P. Intonation of fictive vs. actual direct speech in a Brazilian Portuguese corpus. In: PASCUAL, E.; SANDLER, S. (Eds.) The conversation frame: forms and functions of fictive interaction. Amsterdam: John Benjamins, 2016.

SILVA, A. S. da. Significado, conceptualização e experiência: sobre a natureza do significado linguístico. Revista Portuguesa de Humanidades: Braga, v. 10 1/2, 2006, p. 13-40.

SILVA, A. S. da. Perspectivação conceptual e Gramática. Revista Portuguesa de Humanidades: estudos linguísticos. Faculdade de Filosofia da UCP, Braga,vol. 12-1, p. 17-44, 2008.

TALMY, L. Toward a cognitive semantics. 2 volumes. Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology, 2000.

TOGNINI-BONELLI, E. Corpus linguistics at work. Amsterdam/Atlanta: John Benjamins, 2001.

TRAUGOTT, E. C; DASHER, R. B. Regularity in Semantic Change. Cambridge: Cambridge University Press, 2005.

VERHAGEN, A. Constructions of Intersubjectivity: Discourse, Syntax and Cognition. New York: Oxford University Press, 2005.

VERHAGEN, A. Construal and perspectivization. In: GEERAERTS, D.; CUYCKENS, H. (eds.). The Oxford handbook of Cognitive Linguistics. New York: Oxford University Press, 2007.

VERHAGEN, A. Intersubjectivity and the architecture of the language system. In: ZATLEV, J. et al (eds.). The shared mind: perspectives on intersubjetivity. Vol.12, Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 2008.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Cadernos de Estudos Linguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.