A poética da morte: formas animadas..., imaginação, projeção(ões) e infâncias em cena

Palavras-chave: Formas animadas. Teatro infantojuvenil. Infância.

Resumo

Este artigo versa sobre possíveis aproximações entre o Teatro de Formas Animadas e o Teatro Infantojuvenil, através da experiência na criação e nas apresentações do espetáculo O Mensageiro do Rei, em Uberlândia-MG, no ano de 2014. Extraindo exemplos da montagem supracitada, elaboro reflexões e discussões acerca de questões que puderam ser (des)/(re)veladas pela presença da animação na peça, e que podem ser redimensionadas para outros espetáculos e/ou contextos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Larcher, Universidade Federal de Uberlândia
Professor substituto do curso de graduação em Teatro da Universidade Federal de Uberlândia.

Referências

AMARAL, Ana Maria. Teatro de Formas Animadas: Máscaras, Bonecos, Objetos. 3.ed. São Paulo: Edusp, 1996.

AMARAL, Ana Maria. Teatro de animação. São Paulo: Ateliê Editorial, 1997.

AMARAL, Ana Maria. O ator e seus duplos. 2.ed. São Paulo: SENAC, 2003.

BALARDIM, Paulo. Relações de vida e morte no teatro de animação. Porto Alegre: Edição do Autor, 2004.

BROUGÈRE, Gilles. Brinquedo e cultura. 8 ed. São Paulo: Cortez, 2010.

DESGRANGES, Flávio. A pedagogia do teatro: provocação e dialogismo. 3.ed. São Paulo: Hucitec, 2011.

HOUDART, Dominique. Manifesto por um teatro de marionete e de figura. Móin-Móin: Revista de estudos sobre Teatro de formas Animadas, Jaraguá do Sul: SCAR/UDESC, 2007, ano 3, n. 4., pp. 13-32.

LARCHER, Lucas. De Versalhes a Kugli: um breve panorama do teatro infantojuvenil. DAPesquisa, 2014, v. 11, p. 32-45.

LARCHER, Lucas. Inventariando O Mensageiro do Rei: reflexões e discussões acerca do teatro infantojuvenil. Dissertação (Mestrado em Artes) – Instituto de Artes, Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia, 2016.

MACHADO, Maria Clara. Como fazer teatrinho de bonecos. Rio de Janeiro: Agir, 1970.

MACHADO, Marina Marcondes. O brinquedo-sucata e a criança. 3.ed. São Paulo: Edições Loyla, 1999.

MACHADO, Marina Marcondes. A criança é performer. Educação & Realidade, Porto Alegre, 2010, v.35, n. 2, pp. 115-137.

ORTHOF, Sylvia. Livro aberto: confissões de uma inventadeira de palco e escrita. São Paulo: Atual, 1996.

PAVIS, Patrice. Dicionário de Teatro. 3.ed. São Paulo: Perspectiva, 2008.

PAZ, Octavio; CAMPOS, Haroldo. Transblanco (em torno a Blanco de Octavio Paz). São Paulo: Siciliano, 1994.

PUPO, Maria Lúcia de Souza Barros. O lúdico e a construção do sentido. Sala Preta, 2001, São Paulo, p. 181-187, jun. 2001.

SLADE, Peter. O jogo dramático infantil. São Paulo: Summus, 1978.

TAGORE, Rabindranath. O Mensageiro do Rei. [S.I.]: [s.n.], 1912.

(Tradução de Mário Piragibe).

VIEIRA, Miguel Vellinho. Ilo Krugli e a construção de um novo espaço poético para o Teatro Infantil no Brasil. 2008. Dissertação (Mestrado em Teatro) – Centro de Letras e Artes, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), Rio de Janeiro, 2008.

Publicado
2016-12-22
Como Citar
Larcher, L. (2016). A poética da morte: formas animadas., imaginação, projeção(ões) e infâncias em cena. Conceição|Conception, 5(2), 128-144. https://doi.org/10.20396/conce.v5i2.8648049
Seção
Artigos - Temas Livres