Mimesis performativa

imediatez em ação ou a ação da mediação?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/conce.v7i2.8653351

Palavras-chave:

Mediação, Performatividade, Autonomia da arte

Resumo

O presente artigo discute o conceito de mimesis performativa, sobretudo a partir de uma leitura critica das reflexões de Michael Fried e de Luiz Fernando Ramos quem cunhou o termo para o contexto brasileiro. Tece considerações sobre a configuração das dimensões semânticas e performativas do fenômeno teatral contemporâneo e refuta concepção de performatividade não-referencial, mas também critica a posição antiteatral de Fried. Por fim, argumenta que a mimesis performativa constitui uma ação de mediação entre singularidade artística e contexto social no interior do fenômeno cênico.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Stephan Arnulf Baumgartel, UDESC

Professor Associado do Departamento de Artes Cênicas da UDESC e Membro do Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Teatro. Doutorado em Literaturas da língua inglesa pela Universidade Federal de Santa Catarina.

Referências

BAUMGARTEL, Stephan “A eficácia da performatividade – construir o efeito de presença como acontecimento discursivo”. In: CARREIRA, André & BAUMGARTEL, Stephan. Efetividade da ação: pensar a cena contemporânea. Rio de Janeiro: Editora Gramma, 2018, p. 125 - 150.

DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos que nos olha. São Paulo: Editora 34, 1998.

FERNANDES, Silvia. “Teatralidade performatividade na cena contemporânea”. In: Repertório, nº 16, PPGAC/UFBA Salvador, 2011. p.11-23.

FISCHER-LICHTE, Erika. La estética de lo performativo. Trad. Diana González Martín e David Martínez Perucha. Madrid: Abada Editores, 2011.

FRIED, Michael. “Arte e Objetidade”. In: Arte & Ensaios No. 9, PPGAV/EBA-UFRJ, 2002. Disponível em https://pt.scribd.com/doc/53555988/FRIED-Michael-Arte-e-Objetidade, acesso 14 de outubro de 2017.

HARDT, Michael y Antonio NEGRI (2000), Imperio. Buenos Aires, Paidós, 2002.

MILLIET, Maria Alice. Lygia Clark: obra-trajeto. São Paulo: EDUSP. 1992.

RAMOS, Luiz Fernando. Mimesis Performativa. A Margem de Invenção Possível. São Paulo: Anna Blume, 2015.

REBENTISCH, Juliane. Ästhetik der Installation. Frankfurt/Main: Suhrkamp, 2003.

REBENTISCH, Juliane. “Autonomia? Autonomia! Experiência estética nos dias de hoje. Trad. Stephan Baumgartel. Urdimento, v.3, n.30, PPGT/UDESC, 2017, p. 101-111.

Publicado

2018-12-21

Como Citar

Baumgartel, S. A. (2018). Mimesis performativa : imediatez em ação ou a ação da mediação?. Conceição/Conception, 7(2), 116–150. https://doi.org/10.20396/conce.v7i2.8653351