Tecituras ético-sociais na arte de Priscila Rezende

mulher-negra-performer

Palavras-chave: Performance arte, Movimentos sociais, Gênero, Raça

Resumo

Inúmeras mulheres se dedicam às artes performativas como lugar de suas reivindicações sociais, feministas e raciais. Este texto reflexivo revolve estas questões performativas enquanto movimentos sociais atuantes na luta pelos direitos da mulher negra. Para tal, buscamos evocar o trabalho de Priscila Rezende, artista mineira, destacando duas de suas obras: “Bombril” e “Gênesis 03:16”. Assim, a escrita suscita implicações éticas recorrentes que engendram articulações fundamentais na luta feminista e negra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gisela Reis Biancalana, Universidade Federal de Santa Maria

Professora Associada do Centro de Artes e Letras da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no Curso de Dança e no Programa de Pós Graduação em Artes Visuais. Possui Pós-Doutorado na De Montfort University, Inglaterra. 

Camila Matzenauer dos Santos, Universidade Federal de Santa Maria

Bacharel em Dança e mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais com ênfase em Arte e Cultura, ambos pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Referências

BEAUVOIR, Simone de. O Segundo sexo – fatos e mitos. Tradução de Sérgio Milliet. 4.ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1980.

BERNSTEIN, Ana. A Performance solo e o sujeito autobiográfico. Sala Preta. Vol. 1, p, 91 – 103, 2001.

BONASSI, Brune Camilo. Cisnorma: acordos societários sobre o sexo binário e cisgênero. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Florianópolis, 2017.

CANDAU, Joël. Memória e Identidade. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2016. Tradução de: Maria Letícia Ferreira.

COELHO, Teixeira. A cultura e seu contrário: Cultura, Arte e política pós 2011. São Paulo: Iluminuras, 2008.

DAVIS, Angela. Mulheres, Cultura e Política. São Paulo: Boitempo Editorial, 2017.

GLUSBERG, Jorge. A Arte da Performance. Tradução de Renato Cohen. São Paulo: Perspectiva, 1987.

MEDEIROS, Beatriz. Sugestões de conceitos para reflexão sobre a arte contemporânea a partir da teoria e prática do Grupo de Pesquisa Corpos Informáticos. ARJ, n.1, v. 4. Brasil: 2017, p. 33-47.

MESQUITA, André. Arte-ativismo: interferência, coletivismo e transversalidade. Disponível em: http://www.forumpermanente.org/noticias/noticias-2010/rizoma-net-acervo. Acesso em: março, 2019.

PEREZ, Fabíola. Morte de Marielle Franco representa ‘golpe contra defesa das minorias’. Portal R7, 2018. Disponível em <https://noticias.r7.com/rio-de-janeiro/morte-de-marielle-representa-golpe-contra-a-defesa-das-minorias-15032018>. Acesso em 10 de jan. 2019.

PHELLAN, Peggy. A ontologia da Performance. Representação sem produção. n. 24. Lisboa: Revista de Comunicação e Linguagens, 1997. p.171-91.

RIBEIRO, Djamila. As diversas ondas do feminismo acadêmico. Carta Capital, 2014. Disponível em: <https://www.cartacapital.com.br/blogs/escritorio-feminista/feminismo-academico-9622>. Acesso em: dezembro de 2017.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2017.

ROCHA, Fernanda de Brito Mota. A quarta onda do movimento feminista: o fenômeno do ativismo digital. Dissertação (mestrado) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, São Leopoldo 2017.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, vol. 16, no 2, Porto Alegre, jul./dez. de 1990.

TAYLOR, Diana. Performance. Buenos Aires: Asunto Impresoediciones, 2012.

Publicado
2019-12-12
Como Citar
Reis Biancalana, G., & Santos, C. M. dos. (2019). Tecituras ético-sociais na arte de Priscila Rezende. Conceição/Conception, 8(2). Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conce/article/view/8656490