Capoeira Angola sob a ótica dos estudos da performance e do ritual

Autores

  • Cecilia Tamplenizza Universidade Federal da Bahia
  • Edilene Dias Matos Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.20396/conce.v9i00.8660665

Palavras-chave:

Capoeira Angola, Ritual, Performance, Jogo, Poéticas orais

Resumo

O espaço onde acontece a capoeira angola é chamado roda. Os capoeiristas tocam e cantam em círculo, enquanto uma dupla joga ao centro da roda. Para os capoeiristas, a roda ultrapassa os aspectos físicos e estéticos. Faz acontecer e ensina a vida. A partir desse pressuposto, apresenta-se uma reflexão sobre as contribuições que os estudos da performance, do ritual e das poéticas orais podem oferecer ao entendimento da roda de capoeira como ambiente multidimensional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cecilia Tamplenizza, Universidade Federal da Bahia

Doutora pelo Programa Multidisciplinar em Cultura e Sociedade do IHAC da Universidade Federal da Bahia, em cotutela com o Doutorado em Antropologia Cultural e Social da Università degli Studi di 

Edilene Dias Matos, Universidade Federal da Bahia

Doutora em Comunicação e Semiótica/Literaturas pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professora da Universidade Federal da Bahia.

Referências

ARAÚJO Rosângela Costa. Iê Viva meu Mestre: a capoeira angola da “escola pastiniana” como práxis educativa. Tese (Doutorado) Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2004.

BARROS Maurício de Castro. Mestre João Grande: na roda do mundo. Rio de Janeiro: Garamond, 2010.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998.

BLACKING John. Come è musicale l'uomo? Milano: Unicopoli, 1986.

CATUNDA Eunice. Capoeira no Terreiro de Mestre Waldemar. Fundamentos - Revista De Cultura Moderna, n. 30, São Paulo, 1952, p. 16–18.

CHITTICK William C. The sufi path of knowledge: Ibn al-'Arabi's metaphysics of the imagination. Albany: State University of New York Press, 1989.

CRAPANZANO Vincent. A cena: lançando sombra sobre o real. Mana [online]. 2005, vol.11, n.2, p.357-383. ISSN 0104-9313. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-93132005000200002.

CRAPANZANO Vincent. Horizontes imaginativos e o aquém e além. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, vol. 48, n. 1, 2005, p. 363-384.

DECANIO Ângelo A. Filho. A herança de Pastinha. Coleção São Salomão, 1997, edição eletrônica. Disponível em: http://www.sementedojogodeangola.org.br/index.php?title=Downloads. Acesso em: 20 abr 2020.

FERREIRA Jerusa Pires. O universo conceitual de Paul Zumthor no Brasil. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 45, p. 141-152, 1 set. 2007. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i45p141-152. Acesso em: 17 abr 2020.

GADAMER Hans-Georg. Verdade e Método. Petópolis RJ: Vozes, 1997.

GADAMER Hans-Georg. Verdade e Método II. Petrópolis RJ: Vozes, 2002.

GCAP, Grupo de Capoeira Angola Pelourinho. Universo Musical da Capoeira. Salvador-Bahia: Comissão de Documentação e Acervo, 1994.

GEERTZ Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GEERTZ Clifford. Local Knowledge: Further Essays In Interpretive Anthropology. New York: Basic Book, 2000.

GEERTZ Clifford. After de fact: two countries, four decades, one anthropologist. London: Harvard University Press, 1995.

GEERTZ Clifford. Work and Lives. Stanford: Stanford University Press, 1988.

GEERTZ Clifford. From the Native's Point of View: On the Nature of Anthropological Understanding. Bulletin of the American Academy of Arts and Sciences, Vol. 28, n. 1, Oct., 1974, pp. 26-45.

HUIZINGA Johan. Homo Ludens. São Paulo: Editora Perspectiva, 2000.

MATOS Edilene Dias. A voz e suas poéticas. Repertório, Salvador, ano 21, n. 30, p. 81-99, 2018.

MALIGHETTI Roberto. O Quilombo de Frechal: Identidade e trabalho de campo em uma comunidade brasileira. Brasília: Senado Federal, 2007.

MALIGHETTI Roberto. Clifford Geertz: Il lavoro dell'antropologo. Torino: Utet, 2008.

MOURA Jair. Os precursores do renascimento da capoeiragem angola. Em Capoeira em múltiplos olhares: estudos e pesquisas em jogo. Organizado por Antônio Liberac Cardoso Simões Pires, Franciane Simplicio Figueredo, Paulo Andrade Magalhães Filho, Sara Abreu da Mata Machado. Cruz das Almas: EDUFRB, Belo Horizonte: Fino Traço, 2016.

PIRES Antônio Liberac Cardoso Simões. Bimba, Pastinha e Besouro de Mangangá: Três personagens da capoeira baiana. Tocantins/Goiânia: NEAB/Grafset, 2002.

SAHLINS Marshall. Esperando Foucault, ainda. São Paulo: Ubu Editora, 2018.

SODRÉ Muniz. Pensar Nagó. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

SODRÈ Muniz. O terreiro e a cidade: a forma social negro-brasileira. Rio de Janeiro: Vozes, 1988.

TAMPLENIZZA Cecilia. Do canto ao gesto, do corpo ao texto: diálogos com o Grupo de Capoeira Angola Pelourinho. Tese (Doutorado) Pós Cultura, Programa Multidisciplinar em Cultura e Sociedade IHAC/Universidade Federal da Bahia em cotutela com o Programa de Doutorado em Antropologia Sociale e Culturale da Università Statale di Milano-Bicocca, 2017.

TURNER Victor. O processo ritual: estrutura e anti-estrutura. Petrópolis: Vozes. 1974.

TURNER Victor. Dal rito al teatro. Bologna: Il Mulino, 1986.

TURNER Victor. The Anthropology of Performance. New York: PAJ, 1987.

WEBER Max. Economia E Sociedade: Fundamentos da sociologia compreensiva. Vol.1 Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2000.

ZUMTHOR Paul. Performance, recepção e leitura. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

ZUMTHOR Paul. Introdução à poesia oral. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

Publicado

2020-11-09

Como Citar

Tamplenizza, C., & Matos, E. D. (2020). Capoeira Angola sob a ótica dos estudos da performance e do ritual. Conceição/Conception, 9(00), e020006. https://doi.org/10.20396/conce.v9i00.8660665

Edição

Seção

Artigos - Temas Livres