Artes, performatividade, crise generalizada e necropolítica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/conce.v9i00.8663702

Palavras-chave:

Performatividade, Necropolitica, Artes

Resumo

A publicação da presente edição da revista Conceição|Conception, reveste-se, para nós, de um significado muito especial. Já o convite feito à Profa. Dra. Ileana Dieguéz Caballero para integrar a equipe como Editora Convidada do Dossiê “Artes, performatividade, crise generalizada e necropolílitica” expressa o desejo de abrir a publicação para reflexões mais amplas e sobre o lugar das artes e da performatividade como força cultural, num contexto tão complexo e difícil como o que atravessamos. Entendemos que não é possível mais ignorar as urgências de nosso tempo, em especial a crise dos modos hegemônicos de existência que se alastraram pelo planeta, pautados, muitas vezes, na destruição do meio ambiente, superexploração econômica, guerras culturais e políticas veladas e declaradas de extermínio, especialmente nas zonas “periféricas” do mundo. Como reconsiderar os saberes artísticos e as potências criativas que estes mobilizam para fazer frente a uma situação inédita, reinventando as ações artísticas e culturais enquanto forças reconfiguradoras da nossa vida pessoal e coletiva?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Okamoto, Universidade Estadual de Campinas

Doutor em Artes pela Universidade Estadual de Campinas. Docente da Universidade Estadual de Campinas. 

Cassiano Sydow Quilici, Universidade Estadual de Campinas

Professor livre-docente na área de Teorias do Teatro e da Performance pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas. 

Juliana Martins Rodrigues de Moraes, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Artes pela Universidade Estadual de Campinas. Docente da Universidade Estadual de Campinas. 

Publicado

2020-12-23

Como Citar

Okamoto, E., Quilici, C. S. ., & Moraes, J. M. R. de . (2020). Artes, performatividade, crise generalizada e necropolítica. Conceição/Conception, 9(00), e020025. https://doi.org/10.20396/conce.v9i00.8663702

Edição

Seção

Texto de Abertura