Banner Portal
“Nos are armei meu balanço, nos are eu me abalançava”
PDF

Palavras-chave

Presença cênica
Decolonialismo
Cavalo Marinho

Como Citar

LEWINSOHN, Ana Caldas. “Nos are armei meu balanço, nos are eu me abalançava”: uma homenagem ao Caboclo de Arubá de Mestre Biu Alexandre. Conceição/Conception, Campinas, SP, v. 11, n. 00, p. e022014, 2022. DOI: 10.20396/conce.v11i00.8671323. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conce/article/view/8671323. Acesso em: 21 abr. 2024.

Resumo

O texto é uma ressignificação às culturas tradicionais brasileiras e seus saberes incorporados, a partir de relatos, reflexão e reverência à figura do Caboclo de Arubá, do Cavalo Marinho Estrela de Ouro de Pernambuco, performado por Mestre Biu Alexandre, falecido em julho de 2022. Com uma abordagem decolonial, temas como presença cênica, encantaria, espiritualidade e cultura oral são discutidos a partir de palavras do mestre Biu Alexandre e do diálogo com pensadores como Luiz Rufino, Luiz Antonio Simas e Ailton Krenak.

https://doi.org/10.20396/conce.v11i00.8671323
PDF

Referências

ACSELRAD, Maria. ‘Viva pareia!’ Corpo, dança e brincadeira no cavalo-marinho de Pernambuco. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2013.

ATELIÊ da Palavra (parte 2). Ailton Krenak e mediação de Daniele Ramalho. Portugal: Escola de Narradores, 2022. Vídeo.

BARROS, Manoel de. O livro das ignorãças. Rio de Janeiro: Alfaguara, 2016.

BELÉM, Elisa. Notas sobre o teatro brasileiro: uma perspectiva descolonial. Revista Sala Preta, 2016.

BRUSANTIN, Beatriz de Miranda. Capitães e Mateus: relações sociais e culturas festivas e de luta dos trabalhadores dos engenhos da Mata Norte de Pernambuco (comarca de Nazareth, 1870-1888). Tese de Doutorado, Campinas: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, 2011.

BRUSANTIN, Beatriz de Miranda. Bora pro samba! Visões sobre as ‘tradições culturais’ dos trabalhadores rurais dos engenhos de açúcar da Zona da Mata Norte de Pernambuco do final do século XIX e XX. ANPUH – XXV Simpósio Nacional de História. Fortaleza, 2009.

CARVALHO, José Jorge de. Espetacularização e Canibalização das Culturas Populares na América Latina. In: Ari Pedro. (Org.). Latinidade da América Latina. Enfoques socioantropológicos. São Paulo: Editora Hucitec, 2008, p. 265-292.

CARVALHO, Maria Rosário de; CARVALHO, Ana Magda. (Org.) Índios e caboclos: a história recontada. Salvador: EDUFBA, 2012.

CAVALO Marinho Estrela de Ouro. Direção Jomar Jr.; produção José Saturnino de Araújo. Recife: ADCE Produções, 2007. 1 DVD.

CPT SESC. Vagamundos – Um Laboratório Cênico: Abrindo Terreiros– Cosmovisões Terra. YouTube, 1 de outubro de 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=G8LZd7nxd9w. Acesso em: 07 de dezembro de 2022.

FISCHER-LICHTE, Erika. Appearing as embodied mind – defi ning a weak, a strong and a radical concept of presence. In: GIANNACHI, Gabriela; KAYE, Nick; SHANKS, Michael. Archeologies of Presence. London and New York: Routledge, 2012.

GIANNACHI, Gabriela; KAYE, Nick; SHANKS, Michael. Archeologies of Presence. London and New York: Routledge, 2012.

GUARALDO, Lineu Gabriel. Na mata tem esperança! Encontros com o corpo sambador no cavalo marinho. Dissertação de Mestrado, Campinas: Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, 2010.

HAN, Byung-Chul. Louvor à Terra: uma viagem ao jardim. Petrópolis, RJ: Vozes, 2021.

HARTMANN, Luciana & CASTRO, Rita de Almeida. Saberes que se encontram: reflexões sobre uma experiência de troca com Mestre Biu Alexandre. Revista Digital do LAV Santa Maria, ano VI, n. 10, mar. 2013, pp. 113-126.

HARTMANN, L.; CARVALHO, J. J. ; SILVA, R. de L. ; ABREU, J. Tradição e tradução de saberes performáticos nas universidades brasileiras. Repertório: Teatro e Dança, v. 22, p. 8-30, 2019.

LARANJEIRA, Carolina Dias. Uma dança de estados corporais a partir do samba do Cavalo Marinho: corporalidades e dramaturgias da brincadeira em diálogo com o processo de criação de Cordões. Tese de Doutorado, Salvador: Escola de Teatro, Universidade Federal da Bahia, 2013.

LARANJEIRA, Carolina Dias. Corpo, cavalo marinho e dramaturgia a partir da investigação do Grupo Peleja. Dissertação de Mestrado, Campinas: Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, 2008.

LEWINSOHN, A. C. O ator brincante no contexto do teatro de rua e do cavalo marinho. Dissertação de Mestrado, Campinas: Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, 2009.

MURPHY, John Patrick. Cavalo Marinho Pernambucano. Tradução André Curiati de Paula Bueno. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008.

OLIVEIRA, Érico José Souza de. A roda do mundo gira: um olhar sobre o Cavalo Marinho Estrela de Ouro (Condado, PE). Recife: Sesc, 2006.

OLIVEIRA, Joana Abreu. Catirina, o Boi e sua Vizinhança - elementos da performance dos folguedos populares como referência para os processos de formação do ator. Dissertação de Mestrado, Instituto de Artes da Universidade de Brasília, 2006.

OLIVEIRA, Mariana S. Pensando performance e cavalo marinho: cruzamentos e origens. Dissertação de Mestrado, Rio de Janeiro: Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2006.

ROLNIK, Suely. Pensamento, corpo e devir Uma perspectiva ético/estético/política no trabalho acadêmico. Cadernos de Subjetividade, v.1 n.2: 241-251. Núcleo de Estudos e Pesquisas da Subjetividade, Programa de Estudos Pós Graduados de Psicologia Clínica, PUC/SP. São Paulo, set./fev. 1993.

SIMAS, Luiz Antonio. RUFINO, Luiz. Flecha no Tempo. Rio de Janeiro: Ed. Mórula, 2019.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Conceição/Conception

Downloads

Não há dados estatísticos.