Efeitos de um programa de condicionamento físico sobre o nível de estresse em ingressantes universitárias

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/conex.v11i1.8637630

Palavras-chave:

Estresse, Mulheres, Treinamento físico

Resumo

A atividade física tem sido apontada como estratégia eficaz na redução e para minimizar os efeitos do estresse, que tem atingido, cada vez mais, pessoas jovens no momento do vestibular. Desse modo, o presente estudo avaliou os efeitos de 16 semanas de condicionamento físico sobre o nível de estresse em ingressantes universitárias. Participaram desse estudo 35 mulheres, não ativas fisicamente, de 18 a 30 anos. O nível de estresse e sua sintomatologia foram avaliados através do uso do Inventário de Sintomas de Stress de Lipp (ISSL) nos momentos pré e pós a intervenção. A sessão de treinamento constava com exercícios aeróbios e de resistência muscular localizada, (60min, três sessões/semana). Para a análise dos dados do ISSL, verificaram-se as tabelas de correção das fases e sintomas de estresse. No início o valor percentual de alunas que apresentaram estresse foi de 48,58% sendo ao final reduzido para 37,14%. As ingressantes que apresentaram sintomas físicos no momento pré eram 4,57±2,94 tendo esse valor reduzido para 3,83±3,57 após o treinamento, e os sintomas psicológicos tiveram redução de 4,80±3,77 no momento pré para 4,23±3,04 no momento pós treinamento. Houve mudança na fase de estresse em que estavam as ingressantes, no início todas estavam na fase de resistência (48,58%), enquanto que ao final houve predomínio da fase de resistência (31,42%) em relação à fase de alerta (2,85%). Conclui-se que houve diminuição da prevalência de estresse em ingressantes universitárias após 16 semanas de condicionamento físico. Além disso, houve redução dos sintomas físicos e psicológicos e mudança na fase de estresse em que as alunas se encontravam, mostrando que esse programa exerceu influencia positiva sobre a diminuição dos níveis de estresse. Palavras-chave: Estresse, mulheres, treinamento físico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Cristina de Souza, Universidade Estadual de Campinas

Programa de Pós-graduação- FEF-Unicamp. Mestre em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas. 

Valéria Bonganha, Universidade Estadual de Campinas

Laboratório de Fisiologia do Exercício- FISEX- UNICAMP.  Doutora em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas. Trabalha no International Journal of Sports Medicine.

Mara Patricia Traina Chacon- Mikahil, Universidade Estadual de Campinas

Laboratório de Fisiologia do Exercício- FISEX- UNICAMP. Doutor em Biologia Funcional e Molecular pela Universidade Estadual de Campinas. Docente da Universidade Estadual de Campinas.

 

Vera Aparecida Madruga, Universidade Estadual de Campinas

Laboratório de Fisiologia do Exercício- FISEX- UNICAMP. Doutor em Educação Física pelo - FEF - UNICAMP. Trabalha no Motriz. Docente da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

CASLINE, I. R. Adaptações músculo-esquléticas a exercícios resistidos em mulheres universitárias calouras. Trabalho de Conclusão de Curso (Iniciação Científica) - Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

SELYE, H. Estresse, a tensão da vida. São Paulo: Ibrasa, 1954.

LIPP, M. E. N. Manual de inventário de estresse para adultos de Lipp (I.S.S.L.). São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000.

NAHAS, M. V. Atividade física e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. Londrina: Midiograf, 2003.

AZAR, D. et.al. Physical activity correlates in young women with depressive symptoms: a qualitative study. International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity, v.7, n.3, p.1-11, 2010.

LIPP, M. E. N. et al. Como enfrentar o estresse. 4. ed. Campinas: Ícone, 1998.

HÄKKINEN et al, Neuromuscular adaptations during concurrent strength and endurance training versus strength training. European Journal of Applied Physiology, Heidelberg, v. 89, n. 1, p. 42-52, 2003.

DOLEZAL, B. A.; POTTEIGER, J. A. Concurrent resistance and endurance training influence basal metabolic rate in nondieting individuals. Journal of Applied Physiology, Bethesda, v. 85, p. 695-700, 1998.

McCARTHY, J. P.; POZNIAK, M. A.; AGRE, J. C. Neuromuscular adaptations to concurrent strength and endurance training. Medicine and Science in Sports and Exercise, Hagerstown, v. 34, n. 3, p. 511-519, 2002.

MILLET, G. P. et. al. Effects of concurrent endurance and strength training on running economy and V02 kinetics. Medicine and Science in Sports and Exercise, Hagerstown, v. 34, n. 8, p. 1351-1359, 2002.

NELSON, A. G. Consequences of combining strength and endurance training regimens. Physical Therapy, Alexandria, v. 70, n. 5, p. 287-294, 1990.

SILLANPAA, E. et al. Body composition and fitness during strength and/or endurance training in older men. Medicine and Science in Sports and Exercise, Hagerstown, v. 40, n. 5, p. 950-958, 2008.

CALAIS, S. L.; ANDRADE, L. M. B.; LIPP, M. E. N. Diferenças de sexo e escolaridade na manifestação de estresse em adultos jovens. Psicologia: reflexão e crítica, Porto Alegre, v.16, n. 2, p. 257-263, 2003.

SILVA, G. S. F. et al. Avaliação do nível de atividade física de estudantes de graduação das áreas saúde/biológica. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v.13, n.1, p.31-38, 2007.

LOVALLO, W. R. et al. Work pressure and the type a behavior pattern exam estresse in male medical students. Psychosomatic Medicine, New York, v. 48, n.1/2, p.125-133, 1986.

BUDDEBERG-FISCHER, B. et.al. Work estresse and reduced health in young physicians: prospective evidence from Swiss residents. International Archives of Occupational and Environmental Health, Berlin, v. 82, p. 31-38, 2008.

BARROS, M. V. G.; NAHAS, M. V. Comportamentos de risco, auto-avaliação do nível de saúde e percepção de estresse entre trabalhadores da indústria. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 35, n. 6, p. 554-563, 2001.

MARSHALL, L. L. et.al. Perceived estresse and quality of life among doctor of pharmacy students. American Journal of Pharmaceutical Education, Alexandria, v. 72, n. 6, p.1-8, 2008.

GOULART JUNIOR, E.; LIPP, M. E. N. Estresse entre professoras do ensino fundamental de escolas públicas estaduais. Psicologia em Estudo, Maringá, v.13, n. 4, p. 847-857, 2008.

COSTA, M. et.al. Estresse: diagnóstico dos policiais militares em uma cidade brasileira. Revista Panamericana de Salud Publica, Washington, v. 21, n. 4, p. 2117-222, 2007.

LUDGWIG, M. W. B. et.al. Localização da lesão e níveis de estresse em pacientes dermatológicos. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 25, n. 3, p. 343-352, 2008.

MALAGRIS, L. E. N.; FIORITO, A. C. C. Avaliação do nível de estresse de técnicos da área de saúde. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 23, n. 4, p. 391-398, 2006.

CAMELO, S. H. H.; ANGERAMI, E. L. S. Sintomas de estresse nos trabalhadores atuantes em cinco núcleos de saúde da família. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v.12, n.1, p.14-21, 2004.

ROTH, D. L.; HOLMES, D. S. Influence of aerobic exercise training and relaxation training on physical and psychologic health following stressful life events. Psychosomatic Medicine, New York, v. 49, n. 355-365, 1987.

Downloads

Publicado

2013-03-27

Como Citar

Souza, L. C. de, Bonganha, V., Mikahil, M. P. T. C.-., & Madruga, V. A. (2013). Efeitos de um programa de condicionamento físico sobre o nível de estresse em ingressantes universitárias. Conexões, 11(1), 42–56. https://doi.org/10.20396/conex.v11i1.8637630

Edição

Seção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)