Contribuições da disciplina de estágio supervisionado de um curso de licenciatura em educação física: a percepção discente.

Autores

  • Francisca Franciely Veloso Almeida Universidae Federal do Mato Grosso do Sul
  • Evando Carlos Moreira Universidade Federal do Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.20396/conex.v10i2.8637676

Palavras-chave:

Estágio supervisionado. Formação de professores. Licenciatura em Educação Física. Práticas pedagógicas.

Resumo

O estudo tem como objetivo verificar a importância que os acadêmicos de um curso de Licenciatura em Educação Física atribuem ao Estágio Supervisionado para sua formação acadêmica e profissional, identificando as dificuldades encontradas, os pontos positivos e negativos no desenvolvimento do Estágio e as possíveis sugestões em busca de melhoria da prática educativa. Foi realizada uma pesquisa bibliográfica sobre Formação Profissional e Estágio Supervisionado. O estudo descritivo com abordagem qualitativa teve como sujeitos 86 acadêmicos de um curso de Licenciatura em Educação Física matriculados nas disciplinas de Estágio Supervisionado, presentes no curso do 5º ao 8º semestre. O instrumento de pesquisa foi um questionário contendo cinco questões abertas, versando sobre os seguintes eixos: dificuldades encontradas no decorrer do estágio; pontos positivos e negativos da vivência; contribuição da disciplina de Estágio Supervisionado, e; sugestões de melhoria da prática pedagógica. Concluímos que apesar das dificuldades citadas pelos acadêmicos no desenrolar das disciplinas estes reconhecem a sua importância e buscam subsídios para suprir as deficiências apontadas do processo. Alertamos a necessidade de que se discuta o Estágio de forma ampliada, contando com a contribuição de todos envolvidos nesse processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisca Franciely Veloso Almeida, Universidae Federal do Mato Grosso do Sul

Professora da Rede Municipal de Ensino de Cuibá e graduada em Licenciatura Plena em Educação Física pela Universidade Federal do Mato Grosso.

Evando Carlos Moreira, Universidade Federal do Mato Grosso

Prof. Dr. - Departamento de Teoria e Fundamentação FEF/UFMT

Referências

AROEIRA, K. P. O estágio como prática dialética e colaborativa: a produção de saberes por futuros professores.Tese (Doutorado em Educação Física) – Programa de Pós-graduação em Educação Física, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2009. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-15092009-154600/pt-br.php . Acesso em: 17 Out. 2010.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BETTI, I. C. R.; BETTI, M. Nova perspectiva na formação profissional em educação física. Motriz - Volume 2, Número 1, Junho/1996.

BETTI, Irene C. R.; GALVÃO, Zenaide. Ensino reflexivo em uma experiência no ensino superior de educação física. Revista brasileira de ciências do esporte, Campinas, v.22, n. 3, 2000.

BORGES, C. M. F. O professor de educação física e a construção do saber. Campinas, SP: Papirus, 1998.

BRASIL. Resolução CNE/CP 2, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 4 mar. 2002. Seção I, p. 8.

CAMPOS, M. Z. de. A questão da licenciatura em educação física: a transição à prática profissional. Dissertação ( Mestrado em Educação Física). Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1999. Disponível em: http://cutter.unicamp.br/document/?code=vtls000189170 . Acesso em: 21 Abr. 2010.

CONCEIÇÃO, V. J. S. da; KRUG, H. N. Contribuições do Estágio Supervisionado no desenvolvimento profissional de professores de Educação Física: novas propostas de conteúdos, novas visões educacionais. Boletim brasileiro de educação física, Brasília, n.75, p.1-8, jun./jul., 2009. Disponível em: http://www.boletimef.org . Acesso em: 24 Out. 2010.

FARIA JUNIOR, A. G. de. Professor de educação física: licenciado generalista. In: OLIVEIRA, Vitor Marinho de (org.). Fundamentos pedagógicos educação física 2. Rio de Janeiro: livro técnico, 1987.

FAVERO, M.L.de. Universidade e Estágio Curricular: Subsídios para discussão. In: ALVES, N. (org.). Formação de professores: pensar e fazer. 6 ed. São Paulo: Cortez, 2001, p. 53-71.

FLORES, P. P. e colaboradores. A importância do estágio curricular supervisionado para a formação profissional em Educação Física: uma visão discente. In: Seminário Internacional de Educação, 14., 2009,

Cachoeira do Sul. O mundo que passa por dentro da escola. Anais... Cachoeira do Sul: Ulbra, 2009.

GANDIN, D. Planejamento: como prática educativa. São Paulo: Loyola, 2007.

GARCÍA. C. M. Formação de professores: Para uma Mudança Educativa; trad. Isabel Narciso. Porto: Porto, 1999.

GISI, M. L. et al. Organização e planejamento de estágios. Revista diálogo educacional, Paraná v. 1 - n.2 - p.1-170 - jul./dez. 2000.

GONÇALVES JUNIOR, Luiz; RAMOS, Glauco Nunes Souto. A prática de ensino e o estágio supervisionado nos cursos de licenciatura em educação física. Revista da Unicastelo, São Paulo, v. I, n. 1, p.13-15, 1998.

KRUG, H. N. Vale a pena ser professor de... educação física escolar. Revista digital. Buenos Aires, ano 13, n. 122, Jul. 2008. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd122/vale-a-pena-ser-professor-de-educacao-fisica-escolar.htm . Acesso em: 20 mar. 2010.

LOPES. A. R. L. V. A aprendizagem docente no estágio compartilhado. Tese (doutorado em Educação). 2004. Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

MARQUES, Mario Osório. Formação do profissional de educação. Ijuí: Unijuí, 2000.

NEGRINE. A. Instrumentos de coleta de informações na pesquisa qualitativa. In MOLINA NETO, V; TRIVIÑOS, A. N. S. (Org). A pesquisa qualitativa na Educação Física: alternativas metodológicas. Porto Alegre: Editora Universidade/UFRGS/Sulina, 1999. p. 61-93.

MOREIRA, E. C. Licenciatura em educação física: reflexos dessa formação na região do grande ABC. 2002. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, SP, 2002.

NEIRA, M. G. Educação física: desenvolvendo competências. São Paulo: Phorte, 2003.

NÓVOA, A. Profissão professor. Lisboa: Porto, 1992.

NÓVOA, A. Professores: imagens do futuro presente. Lisboa: Relgráfica artes gráficas Lda, 2009.

ONOFRE, M.S.; FIALHO, M. Diagnóstico dos problemas da prática pedagógica em Educação Física: o caso dos professores estagiários. In: IV Congresso de Educação Física e Ciências do Desporto dos Países de Língua Portuguesa. Anais..., Coimbra, 1995. p. EF-45.

OLIVEIRA, A. B. de O. A formação profissional no campo da educação física: legislação, limites e possibilidades. In: SOUZA NETO, Samuel de: HUNGER, Dagmar (org). Formação profissional em educação física: estudos e pesquisas. Rio Claro: Biblioética, 2006, p. 17-32.

PERRENOUD, P. A prática reflexiva no ofício de professor: profissionalização e razão pedagógicas. Porto Alegre, RS: Artmed, 2002.

PICONEZ, S. C. B. A prática de ensino e o estágio supervisionado: a aproximação da realidade escolar e a prática da reflexão.In: PICONEZ, S. C. B. (Coord.). A prática de ensino e o estágio supervisionado. Campinas: Papirus, 1994.

PILETTI, C. Didática geral. 19. ed. São Paulo: Ática, 1995.

PIMENTA, S. G. Formação de professores: Identidade e saberes da docência. In: PIMENTA, S. G. (Org.) Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 1999.

PIMENTA, S. G.; ANASTASIOU, L. G. das C. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez, 2002.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2004.

RAMOS, G. N. S. Preparação profissional em educação física: a questão dos estágios. Tese (Doutorado em Educação Física) – Programa de Pós-graduação em Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002. Disponível em: http://cutter.unicamp.br/document/?code=vtls000252284 . Acesso em 24 Abr. 2010.

RICHARDSON, R. J. e colaboradores. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas,1999.

SANTOS, S. O. dos. Utilizando recursos materiais alternativos nas aulas de educação física escolar. In: MOREIRA, E. C.; PEREIRA, R. S. (Orgs.). Educação física escolar: desafios e propostas 1. 2. ed. Jundiaí, SP: Fontoura, 2011, p. 239-254.

SILVA, M. S. da; KRUG, H. N. Os sentimentos de bem ou mal-estar docente dos professores de Educação Física escolar no ensino fundamental de Santa Maria (RS): um estudo fenomenológico. Revista Biomotriz, Cruz Alta: Unicruz, n.2, p.38-46, nov., 2004.

SILVA, M. S. da; KRUG, H. N. Os sentimentos satisfação e insatisfação dos professores de Educação Física. Revista digital. Buenos Aires, a.12, n.115, p.1-8, dez 2007. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd115/satisfacao-e-insatisfacao-dos-professores-de-educacao-fisica.htm . Acesso em: 20 Out. 2010.

SOUZA NETO, S. de. e colaboradores. Formação do profissional de educação física no Brasil: uma história da perspectiva da legislação federal no século XX. Revista brasileira de ciências e esporte, Campinas, v. 25, n. 2, p. 113-128, jan. 2004

SOUZA NETO, S. de; ALEGRE, N. A.; COSTA, A.. A prática como componente curricular e o estágio curricular supervisionado: que rumo tomar? In: SOUZA NETO, S. de: HUNGER, D. (org). Formação profissional em educação física: estudos e pesquisas. Rio Claro: Biblioética, 2006, p. 33-42.

TOJAL, J. B. A. G. Currículo de graduação em educação física: a busca de um modelo. Campinas: Unicamp, 1989.

ZAIM-DE-MELO, R. e colaboradores. O estágio supervisionado em educação física: a visão de discente do 8º semestre. Coleção pesquisa em educação física. Vol. 9 n. 1 2010.

Downloads

Publicado

2012-08-31

Como Citar

Almeida, F. F. V., & Moreira, E. C. (2012). Contribuições da disciplina de estágio supervisionado de um curso de licenciatura em educação física: a percepção discente. Conexões, 10(2), 77–102. https://doi.org/10.20396/conex.v10i2.8637676

Edição

Seção

Artigos