Correlação antropométrica e da coordenação motora em pessoas com deficiência intelectual.

  • José Irineu Gorla Universidade Estadual de Campinas
  • Paulo Ferreira de Araújo Universidade Estadual de Campinas
  • Vanildo Pereira Rodrigues Universidade Estadual de Maringá
  • Leonardo Trevizan Costa Universidade Estadual de Campinas
  • Luciana Rodrigues Silva Martins Universidade Estadual de Campinas
  • Willian Thiago Hubner Universidade Estadual de Campinas
  • Debora Cristina Pereira Ciesca Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Antropometria. Composição corporal. Deficiência intelecutal. Desempenho psicomotor.

Resumo

O objetivo do estudo foi caracterizar, por meio de uma abordagem transversal, o comportamento das variáveis antropométricas correlacionadas com as variáveis da coordenação motora global em pessoas portadoras de deficiência intelectual. A amostra utilizada constitui-se de 233 sujeitos de ambos os sexos, sendo 147 meninos e 86 meninas, com idade entre sete e quatorze anos , matriculados nas APAEs da Região Noroeste e Oeste do estado do Paraná. As características de crescimento foram determinadas a partir das medidas de estatura e peso corporal. Para a composição corporal recorreu-se às espessuras de dobras cutâneas determinadas nas regiões tricipital e subescapular. Quanto a coordenação motora, foi administrada através da bateria de testes K.T.K. As correlações foram determinadas de acordo com Pearson. P < 0,05 e P < 0,01 foram considerados estatisticamente significativos. Os resultados deste estudo sugerem as seguintes conclusões: quando comparados com os valores médios obtidos em outras populações, como por exemplo, com os estudos de Kiphard e Schilling (6) (1974), verificamos que os resultados médios do nosso estudo são mais baixos. O Índice de Massa Corporal (I.M.C.) têm influência fraca e moderada nos resultados de cada teste, principalmente nos saltos monopedais e laterais. Portanto, podemos afirmar que os valores de IMC estão ligeiramente associados ao nível de desenvolvimento coordenativo e que, provavelmente o estado sócio-econômico, meio ambiente, associados a sua deficiência e à reduzida prática motora estruturada e orientada, entre outros, são fatores responsáveis pelo nível insuficiente de desenvolvimento coordenativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Irineu Gorla, Universidade Estadual de Campinas

Graduação em EDUCAÇÃO FÍSICA pela Universidade Estadual de Londrina -UEL (1987), especialização em Avaliação da Performance Motora pela UEL, Mestrado e doutorado em Educação Física na área de Atividade Física, Adaptação e Saúde pela Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP. Pós_doutorado na faculdade de Medicina da UNICAMP. Atualmente é professor Livre Docente do Departamento de EStudos da Atividade Física Adaptada e Coordenador do Laboratório Integrado de Pesquisa, Ensino e Extensão da Faculdade de Educação Física da UNICAMP. É professor do programa de pós-graduação da UNICAMP , orientador de mestrado e doutorado no programa de pós-graduação da FEF/UNICAMP. Coordenador do grupo de pesquisa em avaliação motora adaptada-GEPAMA/UNICAMP. Membro Gestor da Academia Paralímpica Brasileira(APB) do Comitê Paralímpico Brasileiro(CPB). 

Paulo Ferreira de Araújo, Universidade Estadual de Campinas

Possui Licenciatura plena em Educação Física pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas-PUCCAMP (1983), Mestrado em Administração Escolar pela Faculdade de Educação da Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP (1991), Doutorado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP (1997), Livre Docente mediante concurso público e apresentação de tese pela Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP (2007). Atualmente é Professor Titular (MS-6) por concurso publico realizado em 11/2013. 

Vanildo Pereira Rodrigues, Universidade Estadual de Maringá
Possui graduação em Educação Física pela Universidade Estadual de Maringá (1975), graduação em Equivalência ao Grau de Licenciado em Ed. Física pela Universidade do Porto (1987), doutorado em Aprendizagem Motora pela Universidade do Porto (1991) e pós-doutorado em Desenvolvimento Motor pela Universidade de Coimbra (1997). Atualmente é professor associado nível C da Universidade Estadual de Maringá. 
Leonardo Trevizan Costa, Universidade Estadual de Campinas
Profissional de Educação Física graduado pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) em 2007, especialista em Avaliação e Prescrição de Exercícios Físicos para Grupos Especiais pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) em 2009, mestre em Educação Física na área de Atividade Física Adaptada - UNICAMP (2011) e doutor em Educação Física na área de Atividade Física Adaptada - UNICAMP (2015). 
Luciana Rodrigues Silva Martins, Universidade Estadual de Campinas
Tem experiência na área de Educação Física Adaptada, com ênfase em Eduacao Fisica Adaptada, atuando principalmente nos seguintes temas: Esportes Adaptados, avaliacao nos Esportes Adaptados
Willian Thiago Hubner, Universidade Estadual de Campinas
Profissional de Judô, Natação, Hidroginástica e Academia. Pós-graduado em Treinamento Esportivo e Personalizado na FAG-PR (2010) Faixa Preta 3º Dan em Judô pela Confedaração Brasileira de Judô - CBJ (2009), Árbitro Aspirante a Internacional pela CBJ (2013). Formado em Educação Física Bacharelado (2008) e Licenciatura (2009) pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE.
Debora Cristina Pereira Ciesca, Universidade Estadual de Campinas

Graduação em Educação Física - Licenciatura pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2009). Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Pilates e Atividade Física Adaptada, atuando ainda nos temas de lúdico e lazer.

 

Referências

SHERRIL, C. Adapted physical activity, recreation and sport : crossdisciplinary and Lifespan. 5th ed. Dubuque: McGraw-Hill, 1998.

PITETTI, K. H. Assessment and promotion of physical activity in persons with cognitive disabilities. In: ANNUAL AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE. Meeting ... 1994.

TRITSCHELER, K. Medida e avaliação em Educação Física e esportes de Barrow & McGee . 5. ed. Barueri: Manole, 2003.

PITETTI, K. H. Introduction: exercise capacities and adaptations of people with chronic disabilities – current research, future directions and widespread applicability. Medicine and Science in Sports and Exercise , v. 25, n. 4, p. 421-422, 1993.

EICHSTAEDT, C. B.; LAVAY, B. W. Physical activity for individuals with mental retardation : infancy trough adulthood. Champaign: Human Kinetics Books, 1992.

MALINA, R. M.; BOUCHARD, C. Growth, maturation and physical activity . Champaign: Human Kinetics Books, 1991.

PIERSON, M. ; DESCHAMPS, J. P. Crescimento . São Paulo: Manole, 1980.

MARCONDES, E. Atividade física e crescimento. Clinica Pediátrica , v. 7, p. 51-60. 1985.

RODRIGUES, P. C. Bioestatistica . 3. ed. Niterói: EduFF, 2002.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração dos Direitos do Deficiente. O Correio da Unesco , Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 7, mar. 1981.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1999. Disponível em: http://www.ibge.gov.br . Acesso: 26 jan. 2001.

ROSS, E.; MARFELL-JONES, M. J. Kinanthropometry. In: MACDOUGALL, J. D.; WENGER, H. A.; GREEN, H. S. Physiological testing of the athlete . New York: Mouvement, 1982. p. 75-115.

LOHMAN, T. G.; ROCHE, A. F.; MARTORELL, R. Anthropometric standartization : reference manual. Champaign: Human Kinetics Books, 1988.

LOHMAN, T. G. Applicability of body composition techniques and constants for children and youths. Exercise and Sports Science Reviews , v. 14, p. 325-356, 1986.

MEIRELLES, E. et al. Composição corporal de escolares de 7 a 11 anos da cidade do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Ciência e Movimento , Brasília, v. 3, n. 2, p. 24-31, 1989.

MALINA, R. M.; BOUCHARD, C. Subcutaneous fat distribution during growth. In: BOUCHARD, C.; JOHNSTON, F. F. Fat distribution during growth and later health outcomes . New York: Alan R. Lies, 1988. p. 63-84.

MATSUDO,V. K. R.; MATSUDO, S. M. M. Avaliação e prescrição da atividade física na criança. Revista da Associação dos Profissionais de Educação Física de Londrina , Londrina, v.10, n.17, p.46-55, 1995.

GUEDES, D. P.; GUEDES, J. E. R. P. Crescimento composição corporal e desempenho motor de crianças e adolescentes . São Paulo: CLR Balieiro. 1997.

PRISTA, A. Crescimento, actividade física e aptidão física em países não-industrializados: abordagem biocultural em crianças e jovens de Moçambique. Revista Crítica de Desporto e Educação Física , n. 2, p. 85-02, 1995.

GRAF, C. et al. Correlation between BMI, leisure habits and motor abilities in childhood (CHILT-Project). International Journal of Obesity , v. 28, p.22-26. 2004.

CHATRATH, R. et al. Physical fitness of urban american children. Pediatric Cardiology , v. 23, n. 6, p. 608-612, dec. 2002.

Publicado
2012-08-31
Como Citar
Gorla, J. I., Araújo, P. F. de, Rodrigues, V. P., Costa, L. T., Martins, L. R. S., Hubner, W. T., & Ciesca, D. C. P. (2012). Correlação antropométrica e da coordenação motora em pessoas com deficiência intelectual. Conexões: Educação Física, Esporte E Saúde, 10(2), 165-179. https://doi.org/10.20396/conex.v10i2.8637680
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 > >>