Análise de Tempo-movimento em combates de Mixedmartialarts (MMA): Comparações entre gêneros

  • Fabricio Boscolo Del Vecchio Universidade Federal de Pelotas, Brasil
  • Kevin Cavalheiro da Silva Universidade Federal de Pelotas, Brasil
  • Bianca Miarka Universidade Federal de Pelotas, Brasil
Palavras-chave: Artes marciais. Gênero. Técnica. Tática. Estudos de tempo e movimento

Resumo

O presente estudo objetivou descrever parâmetros de tempo e movimento em lutas de Mixed Martial Arts (MMA), e compará-los segundo gênero. A amostra foi composta por 64 performances (32 combates por gênero) e foram analisadas diferentes variáveis temporais. Para comparações entre grupos e verificação de interação com o resultado, utilizou-se análise de co-variância. Observou-se relação de esforços em alta:baixa intensidade de 2:1 e diferenças entre gêneros no tempo total de baixa intensidade em pé (04:19,7±03:19,5 min para homens e 06:55,6±04:47,7 min para mulheres, com p<0,05), de alta intensidade no solo (01:14,6±01:16,4 no masculino e 00:40,8±01:09,1 no feminino, p<0,05) e na frequência de ataques, com 47 (±22,83) golpes no sexo masculino e 21 (±15,11) golpes no feminino, e de ataques na cabeça, com 31(±18,51) aplicações para homens e 15 (±6,28) execuções para mulheres. Conclui-se que há diferenças na temporalidade em lutas de MMA segundo gêneros, com mulheres desenvolvendo tempo superior em baixa intensidade em pé, porém, com menor quantidade de tempo em alta intensidade em pé e no solo. Tais resultados contribuem no planejamento de treinos mais específicos para o MMA

Biografia do Autor

Fabricio Boscolo Del Vecchio, Universidade Federal de Pelotas, Brasil
Professor doutor, com graduação em licenciatura, mestrado e doutorado em Ciências do Esporte. Atualmente orientador de mestrado em Educação Física, na área de concentração de Atividade Física, Saúde e Desempenho.
Kevin Cavalheiro da Silva, Universidade Federal de Pelotas, Brasil
Discente da Universidade  Federal de Pelotas, Brasil
Bianca Miarka, Universidade Federal de Pelotas, Brasil
Pós-doutoranda na Universidade Federal de Pelotas, doutora em Biodinâmica pela Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo (2014).

Referências

PAIVA, L. Pronto pra guerra: preparação física para luta e superação. Manaus: OMP, 2009.

KIM, S. et al. An analysis of spectator motives in an individual combat sport: a study of mixed martial arts fans. Sport Marketing Quarterly, Morgantown, v. 17, n. 2, p. 109-119, 2008.

WERTHEIM, L. J. The new main event. Sports Illustrated, New York, v. 106, n. 22, p. 52-60, 2007.

BOUNTY, P. et al. Strength and conditioning considerations for mixed martial arts. Strength and Conditioning Journal, Colorado Springs, v. 33, n. 1, p. 56-67, 2011.

ULTIMATE FIGHTING CHAMPIONSHIP (UFC). Formas de vitória. Disponivel em: http://br.ufc.com/discover/sport/ways-to-win. Acesso em: 15 jun. 2014.

DEL VECCHIO F. B.; HIRATA, S.; FRANCHINI, E. A review of time-motion analysis and combat development in mixed martial arts matches at regional level tournaments. Perceptual and Motor Skills, Missoula, v. 112, n. 2, p. 1-10, 2011.

MIARKA, B. et al. A comparison of time-motion performance between age groups in judo matches. Journal of Sports Sciences, London, v. 30, n. 9, p. 899-905, 2012.

CALMET, M.; MIARKA, B.; FRANCHINI, E. Modeling of grasps in judo contests. International Journal of PerformanceAnalysis in Sport, Cardiff, v. 10, n. 3, p. 229–240, 2010.

GOROSTIAGA, E. M. Coste energético del combate de Judo. APUNTS Medicina de L’Esport, Barcelona, v. 25, n. 97, p. 135–139, 1988.

ARRIAZA, R. Karate. In: KORDI, R. et al. Combat sports medicine. London: Springer-Verlag; 2009, p. 287-298. Disponível em: http://books.google.es/books?id=Zwok7ECHn0wC&lpg=PR1&dq=Combat%20Sports%20Medicine&hl=es&pg=PR4#v=onepage&q&f=false. Acesso em: 15 jun. 2014.

BUSE, G. J.; SANTANA, J. C. Conditioning strategies for competitive kickboxing. Strength and Conditioning Journal, Colorado Springs, v. 30, n. 4, p. 42-48, 2008.

SILVA, J. J. R. et al. Time-motion analysis in combat sports. Journal of Human Sport e Exercise, Alicante, v. 6, n. 3, p. 490-496, 2011.

MIARKA et al. Técnica y táctica en judo: una revisión. Revista de Artes Marciales Asiáticas, León, v. 5, p. 91-112, 2010.

ANDREATO, L.V. et al. Physiological and technical-tactical analysis in brazilian jiu-jitsu competition. Asian Journal of Sports Medicine, Tehran, v. 4, n .2, p. 137-143, 2013.

DEL VECCHIO, F. B. et al. Análise morfo-funcional de praticantes de brazilian jiu-jitsu e estudo da temporalidade e da quantificação das ações motoras na modalidade. Movimento e Percepção, Espirito Santo do Pinhal, v. 7, n. 10, p. 263-281, 2007.

NILSSON, J. et al.Work-time profile, blood lactate concentration, and rating of perceived exertion in the 1998 Greco-Roman wrestling World Championship. Journal of Sports Sciences, London, v. 20, n. 11, p. 939-945, 2002.

BENEKE, R. et al. Energetics of karate kumite. European Journal of Applied Physiology, Heidelberg, v. 92, n. 5, p. 518-523, 2004.

HELLER, J. et al. Physiological profiles of male and female taekwondo (ITF) black belts. Journal of Sports Sciences, London, v. 16, n. 3, p. 243-249, 1998.

MATSUSHIGUE, K. A.; HARTMANN, K.; FRANCHINI, E. Taekwondo: physiological responses and match analysis. Journal of Strength and Conditioning Research, Colorado Springs, v. 23, n. 4, p. 1112-1117, 2009.

DEL VECCHIO F. B.; HIRATA S.; FRANCHINI, E. A review of time-motion analysis and combat development in mixed martial arts matches at regional level tournaments. Perceptual and Motor Skills, Missoula, v. 112, n. 2, p. 1-10, 2011.

ANDREATO, L. V.; PAIVA, L. Estrutura temporal de combates de mixed martial arts, 2010. Disponível em: http://www.def.uem.br/cipe2011/geraTrabalho.php?idt=203. Acesso em: 30 jun. 2014.

BLEACHER REPORT. the death of strikeforce: the oral history of the UFC's great alternative. Disponível em: http://bleacherreport.com/articles/1480248-the-death-ofstrikeforce-the-oral-history-of-the-ufcs-great-alternative-pt-2. Acesso em: 15 jun. 2014.

CABLE NEWS NETWORK (CNN). Rousey wins first UFC women's match. Disponível em: http://edition.cnn.com/2013/02/24/us/ufc-women-fight/. Acesso em: 15 jun. 2014.

THOMAZINI, S. O.; MORAES, C. E. A.; ALMEIDA, F. Q. Controle de si, dor e representação feminina entre lutadores(as) de mixed martial arts. Pensar a Prática, Goiânia, v.11, n. 3, p. 281-290, 2008.

THOMAS, J. R.; NELSON, J. K.; SILVERMAN, S. J. Métodos de pesquisa em atividade física. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2012.

MIARKA, B. et al. Objectivity of FRAMI: software for judo match analysis. International Journal Performance Analysis Sport, Cardiff, v. 11, n. 2, p. 254–266, 2011.

CURRELL, K.; JEUKENDRUP, A. E. Validity, reliability and sensitivity of measures of sporting performance. Sports Medicine, London, v. 38, n. 4, p. 297-316, 2008.

FIELD, A. Discovering statistics using IBM SPSS statistics. Los Angeles: Sage, 2010.

SCHICK, M. G.; BROWN, L. E.; SCHICK, E. E. Strength and conditioning considerations for female mixed martial artists. Strength and Conditioning Journal, Colorado Springs, v. 1, n. 1, p. 66-75, 2012.

PANISSA, V.; MIARKA, B.; JULIO, U. F. Diferenças entre homens e mulheres nas respostas fisiológicas e no desempenho do esforço único e repetido. Revista Inova Saúde, Criciúma, v. 2, n. 1, p. 68-92, 2013.

Publicado
2015-10-02
Como Citar
Del Vecchio, F. B., Silva, K. C. da, & Miarka, B. (2015). Análise de Tempo-movimento em combates de Mixedmartialarts (MMA): Comparações entre gêneros. Conexões: Educação Física, Esporte E Saúde, 13(3), 48-64. https://doi.org/10.20396/conex.v13i3.8640870
Seção
Artigo Original