Corrida e música

uma união audaciosa

Palavras-chave: Música, Corrida, Rendimento, Motivação, Psicologia do esporte, Atividade física

Resumo

Considerando os estudos e as variáveis envolvidas na influência da música em diferentes esportes, o presente estudo tem o objetivo de conhecer as percepções de corredores sobre a influência da música na corrida. A pesquisa foi realizada com 250 participantes em uma prova de corrida de rua em Campinas-SP. Foi utilizado um questionário elaborado pelos próprios pesquisadores, com perguntas fechadas e uma sequência de 10 perguntas mistas e semiestruturadas. As respostas das questões fechadas foram analisadas quantitativamente com o teste qui-quadrado (p<0,05), enquanto as respostas para as questões abertas foram analisadas qualitativamente e quantitativamente, através da categorização de acordo com a afinidade entre conteúdos. Dos entrevistados, 140 (56,00%) escutam música enquanto praticam corrida; 193 (77,20%) afirmam que ouvir música faz diferença na corrida; 133 (53,20%) disseram que a música pode melhorar o rendimento esportivo; 136 (54,40%) dos participantes apontaram que músicas rápidas são capazes de melhorar o rendimento e 168 (67,20%) disseram que músicas lentas não são capazes de reduzir o desempenho na corrida. De acordo com as percepções dos corredores, a música pode ser considerada um recurso motivacional a ser utilizada como acompanhamento para a prática de corrida, além de um elemento capaz de ritmar seu desenvolvimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Pereira Cova, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (2016)

Gabriela Kaiser Fullin Castanho, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Graduada em Nutrição pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, aprimoramento em &quot;Nutrição e Dietética Preventiva e Desportiva&quot; no Centro de Metabolismo em Exercício e Nutrição - CeMENutri, especialização em &quot;Exercício físico, nutrição e medicina na saúde e no esporte&quot; - Unesp Botucatu e em &quot;Fisiologia do Exercício&quot; na Unifesp, mestrado pela Faculdade de Educação Física - UNICAMP. Atualmente nutricionista da Prefeitura de Campinas e doutoranda em Educação Física na UNICAMP. Atuou em clínica particular, academias e escolas. Tem experiência nas áreas: doenças crônicas não transmissíveis, síndrome metabólica, nutrição esportiva, educação nutricional infantil e adulta, saúde pública e segurança alimentar.

João Guilherme Cren Chiminazzo, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (2001), especialização em Fisiologia do Exercício: Prescrição do Exercício pela Universidade Estácio de Sá (2013) e mestrado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (2005). Atualmente é moderador lista de tênis de campo do Centro Esportivo Virtual, diretor de esporte do Instituto Brasileiro de Ciências do Esporte e Saúde e moderador lista de badminton do Centro Esportivo Virtual. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase no treinamento esportivo e na iniciação, atuando principalmente nos seguintes temas: badminton, futebol, avaliação física, tênis de campo e futsal.

Paula Teixeira Fernandes, Universidade Estadual de Campinas

Psicóloga formada em 1997 pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Tem Mestrado, Doutorado e Pós-Doutorado em Ciências Médicas - Neurociências, pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professora do Departamento de Ciências do Esporte e Coordenadora Associada da Graduação da Faculdade de Educação Física da UNICAMP. Trabalha com Psicologia do Esporte, Psicologia do Comportamento e Neurociências, atuando principalmente nas áreas relacionadas à: avaliação psicológica e cognitiva, qualidade de vida, depressão, ansiedade e neurociências. Atua também em parceria com a FCM UNICAMP nas seguintes áreas: Neurologia (Doença de Alzheimer e Comprometimento Cognitivo Leve, Epilepsia e AVC) e em doenças reumáticas, ressaltando a relação destas doenças com a atividade física. Foi, por duas gestões, presidente da ASPE, Assistência à Saúde de Pacientes Com Epilepsia.

Referências

ITO, Walter Manabu; BIGLIASSI, Marcelo; ALTIMARI, Leandro Ricardo. Ritmos e estilos musicais: um estudo descritivo das preferências e percepções no exercício físico. Brazilian Journal of Biomotricity, Itaperuna, v. 7, n. 4, p. 165-172, dez. 2013.

CARNEIRO, J. G. et al. Música: recurso ergogênico psicológico durante o exercício físico?. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 61-70, dez. 2010.

MIRANDA, Maria Luiza de Jesus; GODELI, Maria Regina C. Souza. Música, atividade física e bem-estar psicológico em idosos. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v. 11, n. 4, p. 87-94, out./dez. 2003.

MINDLIN, Galina; DUROUSSEAU, Don; CARDILLO, Joseph. Sua playlist pode mudar sua vida. Rio de Janeiro: BestSeller; 2014.

TERRY, Peter C.; KARAGEORGHIS, Costas I. Psychophysical effects of music in sport and exercise: an update on theory, research and application. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/228668613_Psychophysical_effects_of_music_in_sport_and_exercise_an_update_on_theory_research_and_application. Acesso em: 07 fev. 2016.

GASTON, E. Tayer. Dynamic music factors in mood change. Music Educators Journal, Madison, v. 37, n. 4, p. 42-44, feb./mar. 1951.

CHATTERJEE, Saikot; GHOSH, M. C.; GHOSH, Arnab. A study to explore the effects of varied tempo music on brisk walking performance. Journal of Sports and Physical Education, v. 1, n. 7, p. 43-46, nov./dec. 2014.

SOUZA, Yonel Ricardo de; SILVA, Eduardo Ramos da. Efeitos psicofísicos da música no exercício: uma revisão. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 33-45, 2010.

BIGLIASSI, Marcelo et al. How does music aid 5 km of running? Journal of Strength and Conditioning Research, Colorado Springs, v. 29, n. 2, p. 305-314, feb. 2015.

PRIEST, David-Lee; KARAGEORGHIS, Costas I.; SHARP, N. C. C. The characteristics and effects of motivational music in exercise settings: the possible influence of gender, age, frequency of attendance, and time of attendance. Journal of Sports Medicine and Physical Fitness, v. 44, n. 1, p. 77-86, mar. 2004.

TENEMBAUM, Gerald et al. The effect of music type on running perseverance and coping with effort sensations. Psychology of Sport and Exercise, v. 5, n. 2, p. 89-109, apr. 2004.

FEARON, Megan. Types of music on motivation and exercise intensity while running on a treadmill. Proceedings of the National Conference on Undergraduate Research, New York, p. 433-439, mar-apr. 2011.

NAKAMURA, Priscila Missaki; DEUSTCH, S.; KOKUBUN, Eduardo. Influência da música preferida e não preferida no estado de ânimo e no desempenho de exercícios realizados na intensidade vigorosa. Revista Brasileira de Educação Física e Esportes, São Paulo, v. 22, n. 4, p. 247-55, out./dez. 2008.

BIGLIASSI, M. et al. Influence of music and its moments of application on performance and psychophysiological parameters during a 5km time trial. Revista Andaluza de Medicina del Deporte, v. 5, n. 3, p. 83-91, sept. 2012.

MUSZKAT, Mauro; CORREIA, Cléo M. F.; CAMPOS, Sandra M. Música e neurociências. Revista de Neurociências, São Paulo, v. 8, n. 2, p. 70-75, 2000.

HERNANDEZ-PEON, J. et al. The efferent control of afferent signals entering the central nervous system. Annals of the New York Academy of Sciences, 2006. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1749-6632.1961.tb20183.x/abstract. Acesso em: 7 fev. 2016.

KARAGEORGHIS, Costas I.; TERRY, Peter C.; LANE, Andrew M. Development and initial validation of an instrument to assess the motivational qualities of music in exercise and sport: the Brunel Music Rating Inventory. Journal of Sports Sciences, London, v. 17, n. 9, p. 713-724, sept. 1999.

FRANCO, Maria Laura. Análise de conteúdo. Brasília: Plano, 2003.

FLORIANO, Cleber Rosa. A influência da música no exercício físico: uma revisão de literatura. 2011. 11 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, 2011.

KARAGEORGHIS, Costas I.; TERRY, Peter C. The psychological, psychophysical and ergogenic effects of music in sport: a review and synthesis. London, 2009. Disponível em: http://bura.brunel.ac.uk/bitstream/2438/6700/2/FullText.pdf. Acesso em: 07 fev. 2016.

MELNIKOV, Leonid. URSS: music and medicine. Music Journal, v. 28, n. 9, nov. 1970.

BECKER, Nancy et al. Effects of mellow and frenetic music and stimulating and relaxing scents on walking by seniors. Perceptual and Motor Skills, v. 80, n. 2, p. 411-415, apr. 1995.

SMIRMAUL, Bruno Paula C. et al. Efeitos da música eletrônica nos sistemas neuromuscular, cardiovascular e parâmetros psicofisiológicos durante teste incremental exaustivo. Motricidade, v. 7, n. 3, p. 11-18, jul./set. 2011.

MARTINS, Caroline de Oliveira. A influência da música na atividade física. 1996. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, 1996.

Publicado
2016-08-02
Como Citar
Cova, L. P., Castanho, G. K. F., Chiminazzo, J. G. C., & Fernandes, P. T. (2016). Corrida e música. Conexões, 14(2), 17-30. https://doi.org/10.20396/conex.v14i2.8645972
Seção
Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)