O papel da competição infantil de tênis no desenvolvimento dos fundamentos técnico-táticos básicos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/conex.v14i2.8646012

Palavras-chave:

Tênis, Competição, Crianças

Resumo

No ano de 2012, a Federação Internacional de Tênis alterou o modelo competitivo infantil de tênis, dividindo-o em três categorias etárias: ''até 8 anos'', ''9 anos'' e ''10 anos''. Cada categoria passou a ter adequações específicas em relação ao modelo competitivo anterior. Neste caminho, o estudo buscou responder a seguinte questão norteadora: as modificações realizadas no modelo competitivo infantil de tênis estão de acordo com os objetivos de formação dos fundamentos técnico-táticos básicos do tênis infantil? Foram entrevistados onze treinadores (sete mulheres e quatro homens) de tênis de clubes e academias de tênis da cidade de Porto Alegre, RS – Brasil, com experiência no ensino do tênis infantil. Os resultados indicam uma relevante melhora no desenvolvimento dos conteúdos técnico-táticos básicos do tênis em relação ao modelo competitivo anterior. No entanto, alguns ajustes ainda são sugeridos pelos treinadores, principalmente para as categorias “até 8 anos” e “10 anos”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Henrique Treter Gonçalves, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Bacharel em Educação Física - UFRGS Pós Graduação em Gestão Esportiva - Universität Leipzig/Alemanha Mestre em Ciências do Movimento Humano - UFRGS Doutorando do PPG em Ciências do Movimento Humano - UFRGS

Caio Correa Cortela, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Graduado em Educação Física pela Universidade Estadual de Londrina, pós-graduado em Treinamento Esportivo pela mesma instituição e mestre em Treinamento Esportivo para crianças e jovens pela Universidade de Coimbra. Atualmente é doutorando no Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGCMH/UFRGS), membro do Núcleo de Pesquisa em Psicologia e Pedagogia do Esporte (NP3-Esporte/UFRGS) e do Grupo de Estudos de Metodologias de Ensino e Psicologia do Esporte (GEMEPE/UFMT). Atua com a modalidade Tênis em diferentes vertentes, e nas áreas de Formação de Treinadores, Pedagogia do Esporte e Treinamento Esportivo.

Roberto Tierling Klering, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGCMH/UFRGS). Graduado em Licenciatura e Bacharelado em Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EsEF/UFRGS). Mestre em Ciências do Movimento Humano pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGCMH/UFRGS). Membro do Núcleo de Pesquisa em Psicologia e Pedagogia do Esporte (NP3-Esporte/UFRGS). Membro do Núcleo de Estudos em História do Esporte e da Educação Física (NEHME/UFRGS).

Rodrigo Vieira Bulso, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

raduação em Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil(2015)
Professor de Tênis do PETRÓPOLE TÊNIS CLUBE , Brasil

Carlos Adelar Abaide Balbinotti

Professor de Educação Física licenciado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1984), mestrado em Ciências do Movimento Humano pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1994) e doutorado em Ciências do Desporto pela Universidade do Porto (2003). Atualmente é professor Associado da ESEF/UFRGS. Tem experiência na área da Educação Física, com ênfase em Pedagogia do Treino Desportivo.

Referências

FUENTES GARCIA, Jean Pedro; MENAYO ANTÚNEZ, Ruperto. Golpes del tenis: de la iniciación al alto rendimiento. Sevilla: Wanceulen, 2009.

ELDERTON, Wayne. Situation training: key to training in a game-based approach. ITF Coaching and Sport Science Review, London, v. 16, n. 44, p. 24-25, 2008.

MARQUES, Antonio. Fazer da competição dos mais jovens um modelo de formação e educação. In: GAYA, Adroaldo; MARQUES, António; TANI, Go (Org.). Desporto para crianças e jovens: razões e finalidades. Porto Alegre, Ed. da UFRGS, 2004. p. 75-96.

BUNKER, David; THORPE, Rod. The curriculum model. In: BUNKER, David; THORPE, Rod; ALMOND, Len. (Ed.). Rethinking games teaching. Loughborough: University of Technology, 1986. p. 7-10. Disponível em: http://web.uvic.ca/~thopper/tactic/Model/CURRICULUMMODEL.pdf. Acesso em: 25 maio 2015.

CRESPO, Miguel; UNIERZYSKI, Piotr. Review of modern teaching methods for tennis. Revista Internacional de Ciencias del Deporte, v. 7, n. 3, p. 1-10, 2007. Disponível em: http://www.cafyd.com/REVISTA/00701.pdf.

CORTELA, Caio Correa et al. Iniciação esportiva ao tênis de campo: um retrato do programa play and stay à luz da pedagogia do esporte. Conexões, Campinas, v. 10, n. 2, p. 214-234, maio/ago. 2012.

CÔTÉ, Jean; BAKER, Joseph; ABERNETHY, Bruce. Practice and play in the development of sport expertise. In: TENENBAUM, Gerson; EKLUND, Robert C. (Ed.). Handbook of sport psychology. 3. ed. Hoboken: Wiley, 2007. p. 184-202.

MILISTETD, Michel et al. Análise da organização competitiva de crianças e jovens: adaptações estruturais e funcionais. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 36, n. 3, p. 671-678, 2014.

INTERNATIONAL TENNIS FEDERATION (ITF). A guide to tennis 10’s. 2012. 6p.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

ERICSSON, K. Anders. The influence of experience and deliberate practice on the development of superior expert performance. In: ERICSSON, K. Anders et al. The Cambridge handbook of expertise and expert performance. Cambridge: Cambridge University, 2006. p. 685-705.

CASSEPP-BORGES, Vicente; BALBINOTTI, Marcus A. A.; TEODORO, Maycoln L. M. Tradução e validação de conteúdo: uma proposta para a adaptação de instrumentos. In: PASQUALI, Luís (Org.). Instrumentação psicológica: fundamentos e prática. Porto Alegre: Artmed, 2010. p. 506-520.

PAY + STAY: SERVE – RALLY – SCORE. Disponível em: http://www.tennisplayandstay.com/home.aspx.

TENIS INTEGRADO. Disponível em: http://www.tenisintegrado.com.br/clube/index.

DUARTE, Rosália. Pesquisa qualitativa: reflexões sobre o trabalho de campo. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n.115, p. 139-154, 2002.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 6. ed. Lisboa: Edições 70, 2011.

MILLEY, Dave. Tennis: play and stay. ITF Coaches Review, v. 42, p. 2-3, 2007.

MILLEY, Dave. Serve rally and score. The ITF tennis play and stay campaign and tennis 10’s. ITF Coaches Review, v. 51, p. 3-5, 2010.

NEWMAN, James. Why slower balls and smaller courts for 10 and under players? ITF Coaches Review, v. 51, p. 5-7, 2010.

INTERNATIONAL TENNIS FEDERATION (ITF). Manual tennis 10’s. 2010. 89p.

MARTENS, Stephen; De VYLDER, Max. The use of low compression balls in the development of high performance players. ITF Coaches Review, v. 42, p.3-5, 2007.

GALLAHUE, David L.; DONNELLY, Frances Cleland. Educação física desenvolvimentista para todas as crianças. 4. ed. São Paulo: Phorte, 2008.

PAPALIA, Diane E.; OLDS, Sally Wendkos; FELDMAN, Ruth Duskin. Desenvolvimento humano. 10. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2009.

BEE, Helen L.; BOYD, Denise. A criança em desenvolvimento. 12. ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

CORTELA, Caio Correa et al. Tenistas top 100: um estudo sobre as idades de passagens pelos diferentes marcos da carreira desportiva. Pensar a Prática, Goiânia, v. 13, n. 3, p. 1-17, 2010.

TENNIS CANADA. Long term athlete development plan for the sport of tennis in Canada. Canadá. 2011. Disponível em: https://www.tenniscanada.com/wp-content/uploads/2015/01/LTADallenglish.pdf. Acesso em: 28 abr. 2011.

FARROW, Damian; REID. Machar. The effect of equipment scaling on the skill acquisition of beginning tennis players. Journal of Sports Sciences, London, v. 28, n. 7, p. 723 -732, 2010.

KRÖGER, Christian; ROTH, Klaus. Escola da bola: um ABC para iniciantes nos jogos esportivos. 2. ed. São Paulo: Phorte, 2005.

TENNANT, Mark. Red to orange… what does it really mean? ITF Coaching and Sport Science Review, v. 18, n. 52, p. 3-4, 2010.

CRESPO, Miguel; MILEY, Dave. Manual para entrenadores avanzados. Londres: International Tennis Federation (ITF), 1999.

TENNIS. Athlete development matrix. 2008. Disponível em: http://www.tennis.com.au/pages/default.aspx?id=4&pageId=12687. Acesso em: 25 abr. 2008.

TENNANT, Mark. Appropriate competition for mini tennis. ITF Coaching and Sport Science Review, v. 10, n. 28, p. 10-11, 2002.

SILVA, S. Tênis para crianças: manual para pais, filhos e mestres. São Paulo: Via Lattera, 2003.

KLERING, Roberto Tierling. A formação do tenista de alto rendimento: o desafio entre as técnicas avançadas e os modelos estratégico-táticos. 2015. 43 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 2015.

HAMMOND, John; SMITH. Christina. Low compression tennis balls and skill development. Journal of Sports Science and Medicine, Turquia, v. 5, p. 575-581, 2006.

LARSON, Emma J.; GUGGENHEIMER, Joshua D. The effects of scaling tennis equipment on the forehand groundstroke performance of children. Journal of Sports Science and Medicine, Turquia, v.12, 323-331, 2013.

Downloads

Publicado

2016-08-02

Como Citar

GONÇALVES, G. H. T.; CORTELA, C. C.; KLERING, R. T.; BULSO, R. V.; BALBINOTTI, C. A. A. O papel da competição infantil de tênis no desenvolvimento dos fundamentos técnico-táticos básicos. Conexões, Campinas, SP, v. 14, n. 2, p. 31-52, 2016. DOI: 10.20396/conex.v14i2.8646012. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8646012. Acesso em: 28 nov. 2020.

Edição

Seção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)