Praticantes de jiu-jitsu têm menor nível de estresse percebido e melhor percepção de qualidade de vida que indivíduos irregularmente ativos

Palavras-chave: Artes Marciais, Atividade Física, Estresse Psicológico, Qualidade de Vida

Resumo

O objetivo do estudo foi comparar os níveis de percepção de estresse e qualidade de vida entre praticantes regulares de jiu-jitsu e irregularmente ativos. A amostra foi composta por 50 indivíduos, sendo: 25 praticantes regulares de jiu-jitsu, com 6 participantes do sexo feminino e 19 do sexo masculino, média de idade de 31,76±8,25 anos, tempo de prática de 78±83,04 meses, praticando 3,48±1,61 dias por semana, com duração média de cada sessão de 98,40±26,72 minutos e duração de 356,4±215,35 minutos de treino por semana e 25 irregularmente ativos, com 10 participantes do sexo feminino e 15 do sexo masculino e média de idade de 32,08±10,38. Foram utilizados os instrumentos WHOQOL-Bref e Questionário de Estresse Percebido (QEP), além de questionários para caracterização da amostra. Analisando o instrumento WHOQOL-Bref, foi encontrada diferença significativa somente no domínio físico, com melhores resultados encontrados nos praticantes de jiu-jitsu. Com relação aos resultados do QEP encontrou-se diferença significativa nos domínios irritabilidade, tensão e fadiga, energia e alegria e resultado geral, evidenciando que praticantes de jiu-jitsu tendem a ter um menor nível de estresse quando comparados aos irregularmente ativos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jean Lucas Rosa, Universidade do Estado de Minas Gerais

Graduado em Educação Física (bacharelado) pela Universidade do Estado de Minas Gerais e especialista em Marketing e Redes Sociais pela Faculdade de Paraíso do Norte. Atualmente se especializando em Musculação e Treinamento de Força pelo Centro Universitário Claretiano. Trabalha com Ginástica Laboral e Consultoria Esportiva. Possui experiência na área de Ciências do Esporte, atuando principalmente nos seguintes temas: capoeira, jiu-jitsu, estresse psicológico, saúde do trabalhador e qualidade de vida.

Referências

ACSM - AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE. Reducing Sedentary Behaviors: sit less and move more. American College of Sports Medicine, 2016. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/340996130/reducing-sedentary-behaviors-sit-less-and-move-more-pdf. Acesso em: 02 mai. 2017.

BARBANTI, Eliane Jany. Eficácia do exercício físico nos sintomas de pacientes com depressão. Educação Física em Revista, Brasília, v. 6, n. 3, p. 1-13, dez 2012. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/efr/article/view/3595. Acesso em: 18 out. 2017.

BENEDITTI, Eliana; OLIVEIRA, Roseli Lage de; LIPP, Marilda Emmanuel Novaes. Nível de stress em corredores de maratona amadores em período de pré-competição. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v. 19, n. 3, p. 5-13, 2011. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/2147/2035. Acesso em: 20 jan. 2017.

BRANDT, Ricardo et al. Humor pré-competitivo em atletas brasileiros de jiu-jitsu. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 13, n. 1, p. 21-30, jun. 2015. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/13817. Acesso em: 14 jan. 2017.

BU, Bin. et al. Effects of martial arts on health status: A systematic review. Journal of Evidence-Based Medicine, China, v. 3, n. 4, p. 205-219, nov. 2010. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21349072. Acesso em: 05 mar. 2017.

CID, Luís; SILVA, Carlos; ALVES, José. Actividade física e bem-estar psicológico - perfil dos participantes no programa de exercício e saúde de rio maior. Revista Motricidade, Portugal, v. 3, n. 2, p. 47-55, abr. 2007. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=273020548010. Acesso em: 16 out. 2017.

CBJJE - Tabela de peso oficial CBJJE. Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu Esportivo, 2017. Disponível em: http://cbjje.com.br/gespress/uploads/2016/01/Tabela-de-Peso-Masculina-20172.pdf. Acesso em: 10 out. 2017.

DALL’AGNOL, Cristiano; SILVA, Rodrigo Del Ponte; DEL VECCHIO, Fabrício Boscolo. Quality of life of male amateur athletes from Pelotas, Brazil. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, Londrina, v. 22, n. 2, p. 147-154, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/RBAFS/article/view/8738. Acesso em: 11 out. 2017.

DESLANDES, Andréa Camaz et al. Exercise and Mental Health: Many Reasons to Move. Karger Journal, v. 59, n. 4, p. 191-198, jun. 2009. Disponível em: https://www.karger.com/Article/Abstract/223730. Acesso em: 11 out. 2017.

FLECK, Marcelo Pio de Almeida et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 34, n. 2, p. 178-183, abr. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v34n2/1954.pdf. Acesso em: 17 mai. 2017.

HIGA, Lucas. et al. Nível de estresse entre sedentários e praticantes de atividade física de diferentes modalidades. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v. 22, n. 4, p. 22-26, 2014. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/4736. Acesso em: 15 ago. 2017.

LAMOUNIER, Gislaine Helena da Silva. Sedentarismo e qualidade de vida. 2012. 38 f. Monografia de Conclusão de Curso (Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

LEVENSTEIN, Susan et al. Development of the perceived stress questionnaire: a new tool for psychosomatic research. Journal of Psychosomatic Research, Great Britain, v. 37, n. 1, p. 19-32, jan. 1993. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8421257. Acesso em: 02 mar. 2017.

NAHAS, Markus Vinicius. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. 2. ed. Londrina, PR: Midiograf, 2001.

PEDROSO, Bruno et al. Cálculo dos escores e estatística descritiva do WHOQOL-bref através do Microsoft Excel. Revista Brasileira de Qualidade de Vida, Ponta Grossa, v. 2, n. 1, p. 31-36, jun. 2010. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/rbqv/article/view/687/505. Acesso em: 05 mar. 2017.

PEREIRA, Leonardo Madeira. Estados emocionais de estresse e cortisol salivar na escalada em rocha. 2013. 115 f. Tese (Doutorado em Ciências da Motricidade - Pedagogia da Motricidade Humana) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro, 2013.

SAMULSKI, Dietmar. Psicologia do esporte: conceitos e perspectivas. 2. ed. Barueri, SP: Manole, 2009.

SILVA, Rodrigo Sinnott et al. Atividade física e qualidade de vida. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 115-120, jan. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232010000100017&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 18 out. 2017.

STULTS-KOLEHMAINEN, Matthew; SINHA, Rajita. The Effects of Stress on Physical Activity and Exercise. Sports Medicine, v. 44, n. 1, p. 81-121, jan, 2014. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24030837. Acesso em: 12 set. 2017.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Whoqol-Bref: introduction, administration, scoring and generic version of the assessment. Programme on Mental Health. Switzerland, 1996. Disponível em: http://www.who.int/mental_health/media/en/76.pdf. Acesso em: 11 out. 2017.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHOQOL: measuring quality of life. Programme on Mental Health. Switzerland, 1997. Disponível em: http://www.who.int/mental_health/media/68.pdf. Acesso em: 02 mai. 2017.

Publicado
2018-09-27
Como Citar
Rosa, J. L., & Peixoto, N. (2018). Praticantes de jiu-jitsu têm menor nível de estresse percebido e melhor percepção de qualidade de vida que indivíduos irregularmente ativos. Conexões, 16(3), 325-334. https://doi.org/10.20396/conex.v16i3.8651458
Seção
Artigo Original