Os programas de esporte educacional nos governos Lula e Dilma

avanços, limites e anacronismos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/conex.v19i00.8666320

Palavras-chave:

Políticas públicas, Esportes, Esporte Educacional

Resumo

Objetivo: O presente estudo buscou analisar o modelo técnico-operacional dos programas de esporte educacional implementados pelos Governos Lula e Dilma entre os anos de 2003 e 2016. Método: Para tanto, analisou-se as orientações técnico-operacionais do Programa Segundo Tempo, da Ação Descoberta do Talento Esportivo e do Projeto Esporte Brasil, bem como do Programa Esporte da Escola. A pesquisa, de natureza documental, avaliou materiais com orientações pedagógicas, manuais, cartilhas educativas, instrumentos de avaliação e de organização didática das ações em análise. Resultados: Os resultados indicam avanços, como a defesa da democratização do esporte e de seu trato didático-pedagógico pautado na inclusão e ludicidade; limites, cuja maior expressão é a ênfase no paradigma esportivo e da aptidão física/aprendizagem motora; e anacronismos, que implicam o reclame da Educação Física e da escola na seleção, identificação, orientação e formação de novos talentos. Considerações finais: As considerações, nessa direção, apontam para a ausência de alinhamento e definição quanto à linha de ação governamental que, não obstante, acaba por oscilar entre proposições divergentes, contraditórias e antagônicas, inclusive dentro de um mesmo programa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nadson Santana Reis, Universidade de Brasília

Doutorando em Educação Física pela Universidade de Brasília. Membro do Grupo de Pesquisa e Formação Sociocrítica em Educação Física, Esporte e Lazer (Avante/Universidade de Brasília).

Pedro Fernando Avalone de Athayde, Universidade de Brasília

Doutor em Política Social pela Universidade de Brasília. Professor da Faculdade de Educação Física da Universidade de Brasília. Coordenador do Grupo de Pesquisa e Formação Sociocrítica em Educação Física, Esporte e Lazer (AVANTE/Universidade de Brasília).

Fernando Mascarenhas, Universidade de Brasília

Pós-Doutorado em Política Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Docente pela Universidade de Brasília. Membro do Grupo de Pesquisa e Formação Sociocrítica em Educação Física, Esporte e Lazer (Avante/Universidade de Brasília).

Referências

ANVERSA, Ana Luiza Barbosa et al. Formação continuada na implementação do esporte educacional na educação física escolar. Pensar a Prática, Goiânia, v. 21, n. 4, p. 845-853, out./dez. 2018.

BEHRING, Elaine; BOSCHETTI, Ivanete. Política social: fundamentos história. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

BOSCHETTI, Ivanete. Avaliação de políticas, programas e projetos sociais. In: CFESS/ABEPSS. Serviço social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: CFESS, ABEPSS, 2009.

BRACHT, Valter. Sociologia crítica do esporte: uma introdução. Vitória: UFES, Centro de Educação Física e Desportos, 1997.

BRACHT, Valter; ALMEIDA, Felipe. Esporte, escola e a tensão que os megaeventos trazem para a Educação Física Escolar. Em Aberto, Brasília, v. 26, n. 89, p. 131-143, jan./jun. 2013.

BRASIL. Casa Civil. Decreto nº. 7.984 de 08 de abril de 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/decreto/d7984.htm. Acesso em: 20 abr. 2021.

BRASIL. Casa Civil. Lei 9.615 de 24 de março de 1998 (Lei Pelé). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9615consol.htm. Acesso em: 12 set. 2020.

BRASIL. Ministério da Cidadania. Cartilha Descoberta do Talento Esportivo. 2004. Disponível em: http://www2.esporte.gov.br/arquivos/snear/talentoEsportivo/cartilha.pdf. Acesso em: 13 abr. 2021.

BRASIL. Ministério da Cidadania. Manual de orientações Esporte na Escola. 2013. Disponível em: http://www.esporte.gov.br/arquivos/snelis/segundoTempo/maisEducacao/MANUAL_DE_ORIENTAES_-_ESPORTE_NA_ESCOLA_2013.pdf. Acesso em: 23 abr. 2021.

BRASIL. Ministério da Cidadania. Programa Segundo Tempo: Diretrizes 2014. Brasília, 2014. Disponível em: http://www.esporte.gov.br/arquivos/snelis/segundoTempo/Diretrizes%20PST%20-%20Padro%202014.pdf. Acesso em: 20 de abr. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria Interministerial nº 17 de 24 de Abril de 2007 (Institui o Programa Mais Educação). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/mais_educacao.pdf. Acesso em: 23 abr. 2021.

BRASIL. Ministério do Esporte - Secretaria Nacional de Esporte Educacional. Material didático para o processo de capacitação do Programa Segundo Tempo. Brasília, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa Mais Educação: passo a passo. Brasília, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/passoapasso_maiseducacao.pdf. Acesso em: 23 abr. 2021.

CARNEIRO, Fernando Henrique Silva; MASCARENHAS, Fernando; MATIAS, Wagner Barbosa. O esporte educacional na educação de tempo integral: o plano nacional de educação 2014-2024. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 15, n. 2, p. 25-36, jul./dez. 2017.

CASTELLANI FILHO, Lino. A Educação Física no sistema educacional brasileiro: percurso, paradoxos e perspectivas. 1999. 189 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

CASTELLANI FILHO, Lino. Lazer, cultura e educação: reflexões nada aleatórias sob a ótica da educação física. In: MASCARENHAS, Fernando; LAZZAROTI FILHO, Ari. Lazer, cultura e educação: contribuições ao debate contemporâneo. Goiânia: Editora UFG, 2010.

CASTRO, Suélen Barboza Eiras; SCARPIN, Jorge Eduardo; SOUZA, Doralice Lange. Financiamento público e esporte educacional: uma análise do processo orçamentário do programa “Segundo Tempo” (2004-2011). Motrivivência, Florianópolis, v. 29, n. 52, p. 136-156, set., 2017.

CHAVES, Renata Barcelos. Ação “Descoberta do Talento Esportivo”: o que está por trás de tudo isto? 2005. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Educação Física) – Centro de Desportos, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

SOARES, Carmen Lúcia SOARES et al. Metodologia do ensino de educação física. São Paulo: Cortez, 1992.

DELORS, Jacques (Org.). Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez, 1998.

DUARTE, Newton. Vigotski e o “aprender a aprender”: críticas às apropriações neoliberais e pós-modernas de teoria vigotskiana. 4. ed. Campinas: Autores Associados, 2006.

GAYA, Adroaldo. PROESP-BR Projeto Esporte Brasil. Indicadores de saúde e fatores de prestação esportiva em crianças e jovens. CENESP-UFRGS, s/d. Disponível em: https://www.proesp.ufrgs.br/proesp/. Acesso em: 13 mar. 2021.

GONZÁLEZ, Fernando Jaime; DARIDO, Suraya Cristina; OLIVEIRA, Amauri Aparecido Bássoli. (Orgs.). Esporte de invasão: basquetebol, futebol, handebol, ultimate frisbee. Maringá: Editora Eduem, 2014.

GRECO, Pablo Juan; CONTI, Gustavo; MORALES, Juan Carlos Pertez. (Orgs.). Manual de práticas para a iniciação esportiva no Programa Segundo Tempo. Maringá: Eduem, 2013.

GRECO, Juan Greco; SILVA, Siomara. A metodologia de ensino dos esportes no marco do Programa Segundo Tempo. In: BRASIL. Ministério do Esporte - Secretaria Nacional de Esporte Educacional. Material didático para o processo de capacitação do Programa Segundo Tempo. Brasília, 2008.

GRECO, Juan Greco; SILVA, Siomara; SANTOS, Lucídio Rocha. Organização e desenvolvimento pedagógico do esporte no Programa Segundo Tempo. In: OLIVEIRA, Amauri Aparecido Bássoli; PERIM, Gianna Lepre. (Orgs.). Fundamentos Pedagógicos do Programa Segundo Tempo: da reflexão à prática. Maringá: Eduem, 2009.

KRAVCHYCHYN, Claudio; OLIVEIRA, Amauri Aparecido Bássoli. Esporte educacional no Programa Segundo Tempo: uma construção coletiva. Journal of Physical Education, Maringá, v, 27, e2719, p. 01-18, 2016.

KUNZ, Elenor. Transformação didático-pedagógico do Esporte. Inijuí: UNIJUÍ, 1994.

KUNZ, Elenor. Esporte: uma abordagem com a fenomenologia. In: STIGGER, Marco Paulo; LOVISOLO, Hugo. (Orgs.). Esporte de rendimento e esporte na escola. Campinas: Autores Associados, 2009.

LIBÂNEO, José Carlos. Democratização da escola pública: a pedagogia crítico-social dos conteúdos. São Paulo, Loyola, 1985.

MACHADO, Gisele Viola et al. A análise da evolução das políticas públicas em esporte educacional no Brasil. Revista Ciências Humanas - Educação e Desenvolvimento Humano, Taubaté, v. 10, n. Extra, ed. 19, p. 103-115, Out. 2017.

MARTINS, Lígia Márcia. Pedagogia histórico-crítica e psicologia histórico-cultural. In: MARSIGLIA, Ana Carolina Galvão. (Org.). Pedagogia histórico-crítica: 30 anos. Campinas: Autores Associados, 2011.

MASCARENHAS, Fernando. Megaeventos esportivos e educação física: alerta de tsunami. Movimento, Porto Alegre, v.18, n.1, p. 39-67, jan./mar. 2012.

OLIVEIRA, Sávio Assis. A reinvenção do esporte: possibilidades da prática pedagógica. Campinas: Autores Associados, 2001.

OLIVEIRA, Sávio Assis. O ‘novo’ interesse esportivo pela escola e as políticas públicas nacionais. 2009. 353 f. Tese (Doutorado em Educação) - Centro de Educação, Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2009.

PAES, Viviane Ribeiro; AMARAL, Silvia Cristina Franco. Políticas públicas de esporte educacional em São Paulo: impactos dos Jogos Olímpicos de 2016. Movimento, Florianópolis, v. 23, n. 2, p. 715-728, abr./jun. 2017.

PERIM, Gianna Lepre; OLIVEIRA, Amauri Aparecido Bássoli. Apresentação. In: OLIVEIRA, Amauri Aparecido Bássoli; PERIM, Gianna Lepre. (Orgs.). Fundamentos Pedagógicos do Programa Segundo Tempo: da reflexão à prática. Maringá: Eduem, 2009.

PIRES, Giovani Lorenzi; SILVEIRA, Juliano. Esporte educacional... existe? Tarefa e Compromisso da Educação Física com o esporte na escola. In: SILVA, Maurício Roberto. (Org.) Esporte, educação, estado e sociedade: as políticas públicas em foco. Chapecó: Argos, 2007.

REIS, Nadson Santana. Políticas de esporte educacional nos governos Lula e Dilma: avanços, limites e anacronismos. 2015. 200 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física. Universidade de Brasília. Brasília, 2015.

Reis, Nadson Santana, et al. O esporte educacional como tema da produção de conhecimento no periodismo científico brasileiro: uma revisão sistemática. Pensar a Prática, Goiânia, v. 18, n. 3, p. 709-724, jul./set. 2015.

ROTTMANN, Hans Gert; RATTO, Cleber Gibbon. Educação Física: repensando práticas pedagógicas, sociabilidades e esporte na cultura contemporânea. Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 14, n. 28, p. 378-397, 2017.

SANTOS, Edmilson Santos; NOGUEIRA, Rafaela Cristina Amaral. Avaliação da política pública de esporte educacional: o caso do Programa Segundo Tempo/ME na Região Sul da Bahia. Revista Interdisciplinar De Gestão Social, Salvador, v.5, n.1 p. 89-105, jan./abr. 2016.

SAVIANI, Dermeval. O Plano de Desenvolvimento da Educação: análise do projeto do MEC. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100 – Especial, p. 1231-1255, out. 2007.

SILVA, Patrícia da Rosa Louzada et al. Formação continuada de professores e a aplicabilidade dos princípios pedagógicos do esporte educacional. Revista Humanidades e Inovação, Palmas, v. 07, n. 10, p. 169-185, 2020.

SOUZA, Mauro José de. Saberes e práticas educativas: hibridismos presentes nas relações entre esporte educacional e performance esportiva. Revista Humanidades e Inovação, Palmas, v. 06, n. 06, p. 62-73, 2019.

Downloads

Publicado

2021-11-19

Como Citar

Reis, N. S. ., Athayde, P. F. A. de ., & Mascarenhas, F. (2021). Os programas de esporte educacional nos governos Lula e Dilma: avanços, limites e anacronismos. Conexões, 19(00), e021044. https://doi.org/10.20396/conex.v19i00.8666320

Edição

Seção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)