“A várzea não morreu”

o significado sociocultural do jogo de futebol “Preto X Branco”

Autores

Palavras-chave:

Futebol, Relações étnico-raciais, Racismo

Resumo

Introdução: Este texto, em homenagem à profa. Simoni Guedes (in memoriam), tematiza o futebol de várzea. Mais precisamente, a experiência cultural do “Preto X Branco”, jogo de futebol que ocorre na periferia de São João Clímaco, São Paulo capital, há cerca de 50 anos. As questões, as quais orientam este artigo são: qual a função simbólica do “Preto X Branco”? O que ele representa e inclui/exclui como distintivo de sua identidade? Quais laços sociais são criados? Quais seus ideais, reprodutores ou reinterpretativos da ordem dominante? Objetivo: Desse modo, os autores objetivaram interpretar que representação esse jogo do futebol da várzea paulistana traz para a comunidade que o promove. Método: Para tanto, foram tomadas como fontes 13 entrevistas de atores protagonistas do jogo, o documentário “Preto X Branco”, reportagens jornalísticas sobre o evento, além das percepções captadas pela observação participante do fenômeno “de perto e de dentro”. Resultados: Ao proceder à aproximação e adentramento no jogo, foi descoberto que se trata de um ritual de futebol realizado anualmente com o objetivo de afirmar os valores antirracistas, almejando-se sua promoção e preservação pelos guardiões da memória do “Preto X Branco”. Esse jogo que celebra a amizade de amigos pretos e brancos tem a mensagem simbólica de mostrar-se um coletivo cuja marca distintiva de sua identidade é o combate ao racismo. Conclusão: Para a comunidade que o realiza, o “Preto X Branco” revela as relações sobre as raças na cultura brasileira através da experiência cultural de um tradicional jogo de futebol radicado na várzea paulistana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Otávio de Lacerda Abrahão, Universidade Federal da Bahia

Doutorado em Educação Física pela Universidade Gama Filho. Docente pela Universidade Federal da Bahia.

Antonio Jorge Gonçalves Soares, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Docente da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pós-Doutorado pela Universidade Federal de Santa Catarina

Referências

ABRAHÃO, Bruno Otávio de Lacerda; SOARES, Antônio Jorge Gonçalves. Futebol e diversidade cultural: Investigando os sentidos da idealização dos jogos “preto x branco” em São João Clímaco/SP. Espaço Plural, v. 14, n. 29, p. 338–360, 2000. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/espacoplural/article/view/10437. Acesso em: 20 out. 2021.

ABRAHÃO, Bruno Otávio de Lacerda; SOARES, Antônio Jorge Gonçalves. Futebol e Lazer: Uma Análise sobre o “Racismo à Brasileira” através dos Jogos “Preto x Branco”. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, v. 15, n. 3, set. 2012. Disponível em: https://doi.org/10.35699/1981-3171.2012.709. Acesso em: 20 out. 2021.

ARCHETTI, Eduardo. Masculinidades: fútbol, tango y polo en la Argentina. Buenos Aires: Antropofagia, 2003.

CHUVA, Marcia. Patrimônio imaterial: práticas culturais na construção de identidades de grupos. In: Contribuições e reflexões para educação patrimonial. Belo Horizonte: SEE/MG, 2002.

DAMATTA, Roberto. Universo do futebol: esporte e sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1982.

DAMATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. 5. ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1990.

DAMO, Arlei Sander. Futebol e identidade social: uma leitura antropológica das rivalidades entre torcedores e clubes. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2002.

DAMO, Arlei Sander. Do dom à profissão: a formação de futebolistas no Brasil e na França. São Paulo: Hucitec, 2007.

DAMO, Arlei Sander. Futebol e Antropologia. In: GIGLIO, Sérgio Settani; PRONI, Marcelo Weishaupt (Ed.). O futebol nas ciências humanas no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 2020.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1973.

GUEDES, Simone Lahud. Subúrbio: celeiro de craques. In: DAMATTA, Roberto (Org.). Universo do futebol: esporte e sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1982.

GUEDES, Simone Lahud. Sentidos, significados e rede de relações em torno do futebol: exemplos analíticos. In: GIGLIO, Sérgio Settani; PRONI, Marcelo Weishaupt (Ed.). O futebol nas ciências humanas no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 2020.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Quando o campo é a cidade: fazendo antropologia. In: Na metrópole. Magnani, J. C. & Torres, L. de L. (Orgs.). São Paulo: EDUSP, FAPESP, 1996.

MAGNANI, José Guilherme Cantor; SPAGGIATI. Lazer de Dentro e de fora: uma abordagem antropológica (Orgs). São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2018.

MORALES, Wagner. Preto X Branco [filme-documentário]. São Paulo: TV Cultura, 2004.

TELLES, Edward. Racismo à brasileira: uma nova perspectiva sociológica. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003

WITTER, José Sebastião. A várzea não morreu. In: Meihy, J. C. S. (Org.). Futebol e cultura: coletânea de estudos. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 1982.

Downloads

Publicado

2022-07-14

Como Citar

Abrahão, B. O. de L., & Soares, A. J. G. (2022). “A várzea não morreu”: o significado sociocultural do jogo de futebol “Preto X Branco”. Conexões, 20(00), e022014. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8667760

Edição

Seção

Dossiê 40 anos do livro Universo do Futebol

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)