Banner Portal
Práticas corporais na estratégia saúde da família
capa 2023 com foto das primeiras edições da revista impressas
PDF

Palavras-chave

Exercício Físico
Atenção Primária à Saúde
Promoção da Saúde

Como Citar

ANDRADE, Sabrina Raquel de Lima; AGUIAR, Milena de Oliveira; SILVA, Andre Luis Façanha da. Práticas corporais na estratégia saúde da família: as visões sobre o contexto. Conexões, Campinas, SP, v. 21, n. 00, p. e023001, 2023. DOI: 10.20396/conex.v21i00.8672727. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8672727. Acesso em: 26 maio. 2024.

Resumo

Introdução: As políticas públicas sobre as práticas corporais e atividade física (PCAF) tem ganhado notoriedade a nível internacional. No Brasil, o Sistema Único de Saúde, incorpora a PCAF na agenda política, apresentando a relevância na produção do cuidado e promoção da saúde. Objetivo: Analisar as percepções sobre as práticas corporais dos profissionais de Educação Física e usuários de grupo de práticas corporais da Estratégia Saúde da Família de Sobral/CE. Metodologia: A pesquisa qualitativa é desenvolvida a partir da avaliação de quarta geração, tipo responsivo, através da interação das entrevistas e negociação consensos e dissensos. Foram entrevistados nove profissionais de Educação Física e cinco integrantes do grupo Corpo e ação. Nessa pesquisa, o método foi adaptado para construção em sete passos: contrato com o campo, organização da avaliação, identificação dos grupos de interesse, desenvolvimento de construções conjuntas, ampliação das construções conjuntas, preparação da agenda de negociação e execução da negociação. Resultados e discussão: A percepção dos usuários é de acolhimento e longitudinalidade através das PCAF, tendo caráter de cuidado, relacional e terapêutico. Os profissionais apresentam a compreensão de saúde ampliada, diversidade das práticas e atuação interprofissional, as quais muitas são reforçadas pelo estudo continuado, principalmente, na residência. Considerações finais: As práticas corporais nesse espaço tornam assegurador de vínculos por proporcionar o espaço grupal como garantia do elo para o cuidado integral e ampliado. Além de transpassar as visões hegemônicas do corpo biológico e epidemiológico e suprir visões dualistas, apesar das dificuldades pontuadas.

https://doi.org/10.20396/conex.v21i00.8672727
PDF

Referências

ANDRADE, Sabrina Raquel de Lima; MARQUES, Aline Albuquerque; RODRIGUES, Ana Clécia Silva Ferreira; FREITAS, Neires Alves; SILVA, André Luis Façanha. Práticas corporais como tecnologia social na estratégia saúde da família. Conexões, v. 15, n. 3, p. 380-394, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.20396/conex.v15i3.8647454. Acesso em: 20 dez. 2022.

ANTUNES, Diogo S.H.; KNUTH, Alan Goulat; DAMICO, José Geraldo. Educação Física e promoção da saúde: uma revisão de perspectivas teórico-metodológicas no Brasil. Educación Física y Ciencia, v, 22, n. 1, 2020. Disponível em: http://dx.doi.org/https://doi.org/10.24215/23142561e116. Acesso em: 20 dez. 2022.

BAGRICHEVSKY, Marcos. Pelas lentes do SUS: notas sobre desafios e avanços da promoção da saúde na atenção primária. Pensar a Prática, Goiânia, v. 24, e66137, 2021. https://doi.org/10.5216/rpp. v24.66137. Acesso em: 20 dez. 2022.

BERNARDO, Mariana da Silva; FABRIZZIO, Greici Capellari; SOUZA, Marina Leite; SANTOS, Thiago Oliveira dos; ANDRADE, Selma Regina. Training and work process in Multiprofessional Residency in Health as innovative strategy. Revista Brasileira de Enfermagem. v. 73, n. 6, e20190635. 2020. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2019-0635. Acesso em: 20 dez. 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. Portaria de Consolidação no 2, de 28 de setembro de 2017. Brasília: Ministério da Saúde, 2018. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prc0002_03_10_2017.html. Acesso em: 20 dez. 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Política nacional de promoção da saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/PoliticaNacionalPromocaoSaude.pdf. Acesso em: 20 dez. 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância à Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde: PNPS: revisão da Portaria MS/GM nº 687, de 30 de março de 2006. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_promocao_saude_pnaps.pdf. Acesso em: 20 dez. 2022.

BUSS, Paulo Marchiori. Uma introdução ao conceito de promoção da saúde. In: CZERESINA, Dina; FREITAS, Carlos Machado. (Ed.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2003. p. 15–38.

CABALLERO, Raphael Marciel. Pedagogia das vivências corporais: educação em saúde e culturas do corpo em movimento. 2015, 181 f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS, 2015.

CARVALHO, Fabio Fortunato Brasil de; ALMEIDA, Erika Rodrigues de; LOCH, Mathias Roberto; KNUTH, Alan Goularte. As práticas corporais e atividades físicas na gestão tripartite do SUS: estrutura organizacional, financiamento e oferta. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 27, n. 6, p. 2163-2174, jun. 2022. FapUNIFESP (SciELO). https://doi.org/10.1590/1413-81232022276.15242021. Acesso em: 20 dez. 2022.

CARVALHO, Fábio Fortunato Brasil; CARVALHO, Yara Maria. Outros... Lugares e modos de “ocupação” da educação física na Saúde Coletiva/Saúde Pública. Pensar a Prática, v. 21, n. 4, 27 dez. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.5216/rpp.v21i4.51336. Acesso em: 20 dez. 2022.

CARVALHO, Fábio Fortunato Brasil; NOGUEIRA, Júlia Aparecida Devidé. Práticas corporais e atividades físicas na perspectiva da Promoção da Saúde na Atenção Básica. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 6, p. 1829-1838, june 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232015216.07482016. Acesso em: 20 dez. 2022.

CARVALHO, Maria Alice Pessanha de; GUTIÉRREZ, Adriana Coser. Quinze anos da Residência Multiprofissional em Saúde da Família na Atenção Primária à Saúde: contribuições da fiocruz. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 26, n. 6, p. 2013-2022, jun. 2021. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232021266.44132020. Acesso em: 20 dez. 2022.

COSTA, Flavia Pinheiro da; ALBUQUERQUE, Izabelle Mont’alverne Napoleão; RIBEIRO, Marcos Aguiar; ARRUDA, Ana Karoline Soares; ARAUJO, Pedro Henrique Magalhaes de. Qualidade da Atenção Primária à Saúde para a Rede Cegonha: avaliação da estrutura e processo. Saúde e Desenvolvimento Humano, [S.L.], v. 10, n. 2, p. 1-11, 11 jul. 2022. Centro Universitario La Salle - UNILASALLE. http://dx.doi.org/10.18316/sdh.v10i2.8591. Acesso em: 20 dez. 2022.

FALCI, Denise Mourão; BELISÁRIO, Soraya Almeida. A inserção do profissional de educação física na atenção primária à saúde e os desafios em sua formação. Interface, Botucatu, v. 17, n. 47, p. 885–899, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1414-32832013005000027. Acesso em: 20 dez. 2022.

GUBA, Egon G.; LINCOLN, Yvonna S. Avaliação de Quarta Geração. Campinas. Editora da Unicamp, 2011.

LUCENA, Dilma; BORGES, Kátia Euclydes de Lima e; AGUIAR, Maria Abigail; ALCÂNTARA, Francisco; MADRUGA, João Gilberto; Lomeo, Roselane. A inserção da Educação Física na Estratégia Saúde da Família em Sobral/CE. Sanare, v. 5, n. 1, p. 87-91, jan./fev./mar, 2004. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/126. Acesso em: 20 dez. 2022.

MARTINEZ, Jéssica Félix Nicácio; CARNEIRO, Juliana Alves; CAMPOS, Mário Hebling; ANTUNES, Priscilla de Cesaro; NEVES, Ricardo Lira de Rezende; BAPTISTA, Tadeu João Ribeiro. Práticas corporais no SUS: tensões teóricas e práticas. In: FRAGA, Alex Braga; CARVALHO, Yara Maria de; GOMES, Ivan Marcelo (ed.). As práticas corporais no campo da saúde. São Paulo; 2013. p. 139–177.

MENDES, Valéria Monteiro; CARVALHO, Yara Maria. Sem começo e sem fim ... com as práticas corporais e a Clínica Ampliada*. Interface, Botucatu, v. 19, n. 54, p. 603-613, 2015. DOI https://doi.org/10.1590/1807-57622014.0718. Acesso em: 20 dez. 2022.

MINAYO, Maria Cecília Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 13 ed. São Paulo: Hucitec, 2013.

OLIVEIRA, Braulio Nogueira; WACHS, Felipe. Educação física e atenção primária à saúde: apropriações acerca do apoio matricial. Movimento, v. 24, n. 1, p. 173-186, 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.22456/1982-8918.69965. Acesso em: 20 dez. 2022.

PEREIRA, Pedro Victo Domingues; OLIVEIRA, Bérgson Nogueira de. Educação física e centro de atenção psicossocial. Conexões, v. 20, p. e022023, 7 out. 2022. Disponível em: https://doi.org/10.20396/conex.v20i00.8668343. Acesso em: 20 dez. 2022.

PNUD - PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO. Relatório de Desenvolvimento Humano Nacional – Movimento é Vida: Atividades Físicas e Esportivas para Todas as Pessoas. Brasília, 2017.

PRADO, Alessandro Rovigatti; CARVALHO, Yara Maria. Formação em educação física: experiências de integração ensino-serviço na Atenção Básica em saúde. Movimento, v. 22, n. 2, p. 635–646, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.22456/1982-8918.55864. Acesso em: 20 dez. 2022.

RIBEIRO, Isabela; TORRES, Andrea; PARRA, Diana; REIS, Rodrigo; HOEHNER, Christine; SCHMID, Thomas; PRATT, Michael; GRANDE, Dalton; KREMPEL, Marcia; RAMOS, Luis Roberto; SIMOES, Eduardo; BROWNSON, Ross. A utilização de modelos lógicos no planejamento e na avaliaçãode programas de promoção de atividade física em Curitiba. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Avaliação de efetividade de programas de educação física no Brasil. Brasília: MS; 2013. p. 35-47.

SILVA, Kênia; SENA, Roseni; MATOS, Juliana; LIMA, Karla; SILVA, Paloma. Acesso e utilização da Academia da Cidade de Belo Horizonte: perspectiva de usuários e monitores. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, v. 19, n. 6, p. 700-710, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.12820/rbafs.v.19n6p700. Acesso em: 20 dez. 2022.

TESSER, C. D.; POLI NETO, P.; CAMPOS, G. W. S. Acolhimento e (des)medicalização social: um desafio para as equipes de saúde da família. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, supl. 3, p. 3615-3624, 2010. https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000900036. Acesso em: 20 dez. 2022.

WETZEL, Christine. Avaliação do serviço em saúde mental: a construção de um processo participativo. 2005. 290 f. Tese (Doutorado em Enfermagem). Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2005.

WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global action plan to promote physical activity 2018-2030: more active people for a healthier world. Geneva, 2018.

WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION. Guidelines WHO physical activity and sedentary behaviour for children and adolescents, adults and older adults. Geneva, 2020.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Conexões

Downloads

Não há dados estatísticos.