Banner Portal
Violência no contexto das aulas de judô
capa 2023 com foto das primeiras edições da revista impressas
PDF

Palavras-chave

Artes Marciais
Educação Física e Treinamento
Violência

Como Citar

SILVA, Vera Teixeira da; CARRASCOSA DALA ROSA, Natã. Violência no contexto das aulas de judô: percepção dos professores. Conexões, Campinas, SP, v. 21, n. 00, p. e023027, 2024. DOI: 10.20396/conex.v21i00.8674378. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8674378. Acesso em: 16 jun. 2024.

Resumo

Introdução: Contrapondo-se ao fenômeno violência, o judô tem como pilar o desenvolvimento dos princípios éticos e morais em seus praticantes, além das técnicas e táticas utilizadas. Objetivo: Compreender a abordagem da temática violência pelos professores de judô. Método: Trata- se de uma pesquisa qualitativa de cunho descritivo. O estudo foi acolhido por 3 escolas de judô, situadas no município de Caraguatatuba, litoral norte de São Paulo. Os participantes foram 3 professores de judô, sendo um de cada escola. As informações foram levantadas por meio de um questionário semiestruturado. Para explorar os dados utilizamos a análise de conteúdo. Resultados e discussão: Foram suscitadas 4 categorias: Percepção de violência; Ações violentas dos alunos; Atitudes dos professores ao lidarem com a situação de violência; Abordagem da temática violência nas aulas. Os professores percebem a complexidade inerente à temática, destacam que os relacionamentos interpessoais e intrapessoais contribuem para a manifestação do fenômeno. Para minimizar as situações, os docentes utilizam o diálogo. Os depoimentos dos profissionais também expressam que a violência social acaba se materializando nas aulas. Considerações finais: Os participantes têm lidado com as situações de violência no contexto das suas aulas, se apoiam nos referenciais milenares da cultura marcial. A incidência do fenômeno em espaços educacionais tem se propagado abruptamente. Para enfrentar essas situações é fundamental o entendimento e análise de cada contexto evidenciando a identidade de cada um dos envolvidos, mas sobretudo, que seja calcada nos princípios da prática da luta como esporte e não como exacerbação de violência.

https://doi.org/10.20396/conex.v21i00.8674378
PDF

Referências

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte (MG): Letramento, 2018.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARROSO, Milena Fernandes. Violência estrutural: mediações “entre o matar e o morrer por conta. Espaço temático: violência, saúde e classes sociais. Revista katálysis, Florianópolis, v. 2, n. 24, p. 397-406, maio. 2021. Disponível em: https://periodicos. ufsc. br/index. php/katalysis/issue/view/3260/228 Acesso em:

BENTO, Jorge Olimpio. Desporto, discurso e substância. Belo Horizonte: Instituto Casa da Educação Física/; Campinas: Unicamp, 2013.

BERNARDINO, Italo Macedo; NÓBREGA, Lorena Marques; FERREIRA, Efigênia Ferreira e; BARBOSA, Kevan Guilherme; CALVACANTE. Gigliana Maria Sobral; D ÁVILA, Sérgio Violência interpessoal, circunstâncias das agressões e padrões dos traumas maxilofaciais na região metropolitana de Campina Grande, Paraíba, Brasil (2008-2011). Ciência e Saúde Coletiva v. 22, n. 9, set. 2017. Disponível em: https://www. scielo. br/j/csc/a/HLqQSwh5vQp8DxqzkYKhLpw/?format=pdf&lang=pt. Acesso em:

COSTA, Bruno Gonçalves Galdino da; LOPES, Marcus Vinicius Veber; PIZANI, Juliana; SILVA, Kelly Samara. Prática de atividade física e participação esportiva associadas à violência em adolescentes: uma revisão sistemática. Journal of Physical Education, v. 31, p. e3132, 2020. Disponível em: https://www. scielo. br/j/jpe/a/sxfTwdNKWkWDQBZRp3G3V3G/?format=pdf&lang=pt. Acesso em:

COSTA, Jurandir Freire. Violência e Psicanálise. Rio de Janeiro: Graal, 2003.

CHAUÍ, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo: Editora Ática, 2000.

DAHLBERG, Linda; KRUG, Etienne. Violência: Um problema global de saúde pública. Ciência Saúde Coletiva, v. 11, p. 1163-1178, 2007. Disponível em: https://www. scielo. br/j/csc/a/jGnr6ZsLtwkhvdkrdfhpcdw/?format=pdf&lang=pt. Acesso em:

DESGAGNÉ, Serge. O conceito de pesquisa colaborativa: a idéia de uma aproximação entre pesquisadores universitários e professores práticos. Educação em Questão, Rio Grande do Norte, v. 29, n. 15, p. 7-35, maio/ago. 2007. Disponível em: https://periodicos. ufrn. br/educacaoemquestao/article/view/4443/3629. Acesso em:

KANO, Jigoro. Energia mental e física: escritos do fundador do judô. São Paulo: Pensamento, 2008.

KRUG, Etienne; DAHLBERG, Linda. Relatório mundial sobre violência e saúde. Geneva: Organização Mundial da Saúde, 2002.

IBIAPINA, Ivana Maria Lopes de Melo. Pesquisa colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimentos. Brasília: Ed. Liber Livro, 2008.

JUNIOR, Orozimbo Cordeiro. O Ensino Do Judô Como possibilidade de minimização da violência física entre alunos. 2015. 175 p. Dissertação (Mestrado em Ensino na Educação Básica) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Goiás, Goiás, 2015.

LEITE, Franciéle Marabotti Costa; SANTOS, Dherik Fraga; RIBEIRO, Luiza Albina; TAVARES, Fábio Lúcio; RIBEIRO, Luiza Eduarda Portes; PEDROSO, Márcia Regina de Oliveira. Análise dos casos de violência interpessoal contra mulheres. Acta Paul Enferm., v. 36, 2023. Disponível em: https://www. scielo. br/j/ape/a/Ry8DGTjq9DDZ5Gksg897GsP/#. Acesso em:

PRODÓCIMO, Elaine; SOUZA, Aline Santos; FIGUEIRA, André Cristiano; TRAVAGIN, Guilherme Oliveira; SANTOS, Hildebrando Silva dos; PERES, Mayara de Oliveira. Produções Acadêmicas sobre Violência, agressão e agressividade em periódicos brasileiros de Educação Física. Pensar a Prática, v. 17, n. 3, p. 682-700, 2014. Disponível em: https://revistas. ufg. br/fef/article/view/28567/17105. Acesso em:

ROMERO, Juliana Souza; CORRÊA. Marcia Mara; PAZÓ, Rosalva; LEITE, Franciele Marabotti; CADE, Nagela Valadão. Violência física e fatores associados em participantes da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE). Ciências & Saúde Coletiva, v. 02, n. 26, fev. 2021. Disponível em: https://www. scielo. br/j/csc/a/yGD8bLWkgWzdYLYpLtWbYPs/#. Acesso em:

SANTOS, Gilbert de Oliveira. Arte Marcial, Cinema E Moralidade: Impulsos Do Corpo E O Cultivo De Si. Movimento, v. 27, p. e27051, 2021. Disponível em: https://seer. ufrgs. br/index. php/Movimento/article/view/107568/64599. Acesso em:

SCHERER, Edson Arthur; ESTEFANINI, Jaqueline Rodirgues; CAVALIN, Luciana Aparecida; SCHERER, Zeyne Alves Pires. Violência psicológica vivenciada por estudantes do ensino médio. Psicologia para América Latina, n. 29, p. 160-173, 2017. Disponível em: http://pepsic. bvsalud. org/pdf/psilat/n29/a11n29. pdf. Acesso em:

SILVA, Vera Lúcia Teixeira; ROSADO, Daniela Gomes; MIRANDA, Maria Luiza de Jesus. Vocational Training And Violence: A Systematic Review Of Studies On Education And Physical Education From 2000 To 2017. Journal of Physical Education, v. 30, p. e3067, 2019. Disponível em: https://www. scielo. br/j/jpe/a/ZbrsccnSNpymXxtPxJpWQqp/?format=pdf&lang=en. Acesso em:

SILVA, Vera Lúcia Teixeira. Educação Física e violência: reflexões no contexto da formação profissional. 2020. 186 f. Tese (Doutorado em Educação Física) - Faculdade de Educação Física, Universidade São Judas Tadeu, São Paulo, 2020.

UNESCO. Cultura da paz: da reflexão à ação; balanço da década internacional da promoção da cultura da paz e não violência em benefício das crianças do mundo. Brasília, nov. 2010. Disponível em: https://unesdoc. unesco. org/ark:/48223/pf0000189919. Acesso em:

UNESCO. Violência escolar e bullying: relatório sobre a situação mundial. Brasília: UNESCO, 2019.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Conexões

Downloads

Não há dados estatísticos.