Contribuição para a história e a historiografia da educação brasileira: os manuais escolares das bibliotecas públicas municipais de Campinas – SP (1889-1970)

Autores

  • Olinda Maria Noronha FE/UNICAMP

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v10i39.8639717

Palavras-chave:

História da Educação Brasileira. Manuais escolares. Campinas/SP

Resumo

O presente estudo é resultado de uma pesquisa financiada pela FAPESP que teve como o objetivo realizar um inventário dos manuais escolares existentes nas bibliotecas públicas municipais da cidade de Campinas/SP. Insere-se na Linha de Pesquisa do Histedbr que trata do “Levantamento e Catalogação de novas fontes sobre a História da Educação Brasileira”. A pesquisa tem como referência metodológica o pressuposto de que as fontes documentais expressam idéias, que por sua vez, são manifestações das relações materiais de existência e do modo como estas relações são constituídas e organizadas historicamente. Fica subentendido, portanto, que estas expressões humanas (manuais e livros didáticos) são formas concretas de organização do trabalho escolar em uma determinada época, sendo, portanto, históricas. Desta forma só podem ser captadas em referência à forma social e histórica que determinou o seu surgimento como decorrência de necessidades específicas dos homens naquele momento histórico. A partir do pressuposto de que os manuais escolares se constituem como expressão

de praticas hegemônicas fundamentando as formas estruturação do mundo e de ordenação da cultura determinados historicamente, indica-se alguns enunciados orientadores deste pressuposto: a) os manuais escolares não surgem apenas porque a população escolar aumentou tornando-se necessário um instrumento que facilite o ensino, ao condensar os conhecimentos; b) a escolarização planejada em torno de textos formalizados e institucionalizados, com manuais de ensino, professores e instalações especificas, surge no contexto da escola moderna, em que o trabalho didático se organiza e passa a ser centralizado no instrumento de trabalho. A periodização da pesquisa inscreve-se no marco temporal de 1889 a 1970 (período que marca o inicio e o fim da escola primária no Brasil. As fontes utilizadas fazem parte das “Coleções Especiais” da Biblioteca Municipal “Prof. Ernesto Manoel Zink” de Campinas-SP. Os resultados esperados estão relacionados aos seguintes elementos: a) servir de base de informações e conhecimento sobre a educação brasileira visando subsidiar o desenvolvimento de novos estudos e pesquisas; b) converter os dados da pesquisas em um acervo Digital sobre os Manuais Escolares no interior do Projeto de criação do Arquivo Digital de História da Educação Brasileira no Projeto do Histedbr “Navegando pela História da Educação Brasileira”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Olinda Maria Noronha, FE/UNICAMP

Professora adjunta da Faculdade de Educação da Unicamp de 1987 até 1996. Atualmente é professora aposentada e colaboradora da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (com atividades de pesquisa no HISTEDBR e orientação de mestrado e doutorado).

Referências

ALBUM HISTÓRICO ILUSTRATIVO E INFORMATIVO CAMPINAS – ontem e hoje. Campinas, SP: Biblioteca Municipal Guilherme de Almeida, 2a. Edição, s/d

ALMEIDA, José Ricardo Pires de. Historia da Instrução Pública no Brasil: 1500-1889. São Paulo, Educ. Brasília, DF, INEP/MEC, 1989.

ALVES, Gilberto. “Manuais didáticos de História do Brasil no Colégio Pedro II: do Império às primeiras décadas da República”. Disponível em: http://www.histedbr.fae.unicamp.br/acer_histedbr/s

ALVES, Gilberto. O trabalho didático na escola moderna: formas históricas. Campinas, SP: Autores Associados, 2005.

ALVES, Gilberto. A produção da escola pública contemporânea. Campo Grande, MS: Ed. UFMS; Campinas, SP: Autores Associados, 2001.

ALVES, Gilberto. “A escola moderna e a organização do trabalho didático até o inicio do século XIX”. Disponível em: http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe2/pdf Acessado em 19/10/2009.

ALZATE. M. V. P. El texto escolar como instrumento pedagógico: partidários e detractores. Revista de Ciências Humanas. Ano 6, No. 21, jun 1999 – Universidade Tecnológica de Pereira.

ANANIAS, Mauricéia. A legislação da instrução pública primária na província de São Paulo: 1834-1868 – fontes e historiografia. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, 2004.

ANANIAS, Mauricéia. “O ensino em Campinas na segunda metade do século dezenove: a escola Corrêa de Mello”. Disponível em: http://www.anped.org.br/reunioes/24/T0211259873009 acessado em 17/09/2009. Disponível em: http://www.histedbr.fae.unicamp.br/acer_histedbr/s

ANDERSON, P. As Antinomias de Gramsci - A estratégia revolucionária na atualidade. São Paulo. Editora Joruês, 1986.

ANDREOTTI, Azilde. A formação de uma geração: a educação para a promoção social e o progresso do país no Jornal “A voz da Infância”, da Biblioteca Infantil Municipal de São Paulo (1936-1950). Tese de doutorado – Filosofia e História da Educação – Faculdade de Educação, UNICAMP, 2004.

ARÓSTEGUI, Julio. La investigación histórica: teoria y método. Barcelona: Editorial Critica, 2001.

BANDEIRA DE MELLO, Ana Maria. Lições de Casa: discursos pedagógicos destinados à família no Brasil. Belo Horizonte: Argumentvm, 2007.

BASTOS, Maria Helena Câmara e FARIA FILHO, Luciano Mendes (orgs). A escola elementar no século XIX: o método monitorial/mutuo. Passo Fundo, RS: EDUPF, 1999.

BATISTA, Antonio Augusto Gomes (et al.) “Livros escolares de leitura: uma morfologia (1866-1956). In: Revista Brasileira de Educação. No. 20, mai/jun/jul/ago, São Paulo:Associação Nacional de Pós-Graduação em Educação (Anped), 2002.

BATISTA, Antonio Augusto Gomes (et al.) “Um objeto variável e instável: textos impressos e livros didáticos”. In: Márcia Abreu (org) Leitura, história e história da leitura. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2000.

BITTENCOURT, Circe. Livro didático e saber escolar: 1810-1910. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2008.

BITTENCOURT, Circe. “Em foco: história, produção e memória do livro didático. In: Educação e Pesquisa, Vol. 30, no. 3, São Paulo, set/dec. 2004.

BLOCH, Marc. Introdução à história. Lisboa: Publicações Europa-América, s/d.

BRANDÃO, Isabel Cristina de Jesus. A construção histórica do projeto educacional da criança no período imperial: instrução, moralização e disciplinamento. Tese de doutorado, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, 2009.

BRITO, Jolumá. História da cidade de Campinas. Campinas, SP: Indústria Gráfica Saraiva, 1996.

BURKE, Peter. A escrita da história: novas perspectivas. Peter Burke (org), São Paulo: Editora da UNESP, 1992.

CALKINS, Norman Allison. Primeiras lições de coisas. Trad. De Rui Barbosa. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Saúde, 1950 (Obras completas vol. 13, t. 1).

CÂMARA, Sônia e BARROS, Raphael. “Por um projeto escolar modelar: a constituição dos grupos escolares no Distrito Federal em finais do século XIX”. In VIDAL, Diana. Grupos Escolares: cultura escolar primária e escolarização da infância (1889-1971). Campinas: Mercado das Letras, 2006.

CAMPANHOLE, Adriano e CAMPANHOLE, Hilton. Constituições do Brasil. São Paulo: Atlas, 1981.

CARDOSO, C. e BRINOLI, P. Los métodos de la história. Critica, Barcelona, 1976.

CARDOSO, C.F.S. Introducción al trabajo de la investigación histórica. Barcelona: Crítica, 1982.

CARVALHO, Marta Maria Chagas de. A escola e a republica e outros ensaios. Bragança Paulista: EdUSF, 2003.

CARVALHO, Marta Maria Chagas de. “O território do consenso e a demarcação do perigo: política e memória do debate educacional dos anos 30”. In: Marcos Cezar de Freitas (org) Memória Intelectual da educação Brasileira, Bragança Paulista, Editora da Universidade São Francisco, 1999.

CASTANHA, André. “O Ato Adicional de 1834 na história da educação brasileira”. In: Revista Brasileira de História da Educação. No. 11-jan/jun, Campinas/ SBHE/Autores Associados, 2006.

CHARTIER, Roger. A ordem dos livros:leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Brasília: UnB, 1994.

CHERVEL, André. “História das disciplinas escolares”, Teoria e Educação, Porto Alegre: Pannonica, No. 2, 1990.

CHOPIN, Alain. Lés manuels scolaires: histories et actualité. Paris: Achette Éducation.

CHOPIN, Alain. “História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte”. Educação e Pesquisa. Vol. 30, No. 3, são Paulo, sept/dec. 2004.

COLLICHIO, Therezinha A. Ferreira. “Dois eventos importantes para a história da educação brasileira: a Exposição Pedagógica de 1883 e as conferências Populares da Freguesia da Glória”, Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, 13(2), jul/dez 1987.

COMENIO, João Amós. Didacta Magna: tratado de ensinar tudo a todos. Lisboa: Fundação Calouste Gulbekian, 1976, 2a. edição.

COSTA, Emilia Viotti da. Da Monarquia à República: momentos decisivos. São Paulo: Editora da UNESP, 2007.

CUCUZZA, Hector Rubén (org) História de la educación en debate. Buenos Aires, Miño e Davila Editores, 1994.

CUCUZZA, Hector Rubén (org) “Ruptura hegemônica/ruptura pedagógica: La razón de mi vida como texto escolar durante el primer peronismo”, En: Sarmiento – Anuário Galego de História de La Educación, Buenos Aires, No. 2, 1998.

CURY, Carlos Roberto Jamil. “Alceu Amoroso Lima”, In: Maria de Lourdes Albuquerque Fávero e Jader de Medeiros Brito (orgs) Dicionário de Educadores no Brasil: da Colônia aos dias atuais. Rio de Janeiro: UFRJ/MEC/INEP, 1999.

CUNHA, Luiz Antônio Constant Rodrigues da Cunha e GÓES, Moacyr de. O Golpe na Educação. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1985.

DICIONÁRIO ELETRÔNICO HOUAISS DA LÍNGUA PORTUGUESA 1.0. ESCOLANO, Agustín. “Tiempo y educación: para una genealogia del almanaque escolar. Revista de Educación, Vol. 298, Madrid: Ministério de Educación y Ciência, 1992.

DICIONÁRIO ELETRÔNICO HOUAISS DA LÍNGUA PORTUGUESA 1.0. “Tiempo y educación. La formación del cronossistema: horário en la escuela elemental91825-1931)”. Revista de Educación, v. 301, 1993.

ESCOLANO, B. A. “La construcción histórica de la manualística en España. In: Revista de Ciências de la Educación, Madrid, No. 184, 2000.

FARIA FILHO, Luciano Mendes. “Instrução elementar no séculoXIX”. In: 500 anos de educação no Brasil. Eliane Marta Teixeira Lopes et al (orgs). Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

FEBVRE, L. Combates por la história. Barcelona: Península, 1959.

FERREIRA, A. G. e FELGUEIRAS, M.L. “Livros para o ensino primário: a relevância das primeiras leituras”. In: Manuais Escolares da Biblioteca Pública Municipal do Porto. No âmbito do VII Congresso de História da Educação, Cultura Escolar, Migrações e Cidadania. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto – 20 - 23 de junho de 2008.

FRAGO, Antonio Viñao. “Del espacio escolar y la escuela como lugar: propostas y cuestiones”. História de la Educación, vol. 13-14, Salamanca: Ed. Univ. de Salamanca, 1993/1994.

FREITAG, Bárbara (et al). O estado da arte do livro didático no Brasil. Brasília: INEP/REDUC, 1987.

FREITAS, Marcos Cezar. “Educação brasileira: dilemas republicanso nas entrelinhas de seus manifestos” In: Histórias e memórias da educação no Brasil. Vol. III, sec. XX . Maria Stephanou e Maria Helena Câmara Bastos (orgs). Petrópolis: Vozes, 2005.

GARCIA, Walter E. Inovação educacional no Brasil: problemas e perspectivas. Campinas, SP: Autores Associados, 1995.

GASPARELLO, Arlette Medeiros. “Historiografia didática e pesquisa no ensino de história”, Anais do X Encontro Regional de História da ANPUH: história e biografias. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2002. Disponível em: http://www.rj.anpuh.org/anais/2002/comunicaçoes

GASPARELLO, Arlette Medeiros. História e livro didático: a produção de um saber escolar. In: Pesquisa em história da Educação: perspectivas de análise, objetos e fontes. Luciano Mendes de Faria Filho (org), Belo Horizonte, HG Edições, 1999.

GATTI JÚNIOR, Décio. A escrita escolar da história: livro didático e ensino no Brasil (1970-1990). Bauru, SP: EDUSC; Uberlândia, MG: EDUFU, 2004.

GEERTZ, C. La Interpretación de las Culturas. Gedisa, Barcelona, 1992.

HOBSBAWM, Eric. “O ressurgimento da narrativa: alguns comentários”. Revista de história, 2/3, Primavera, 1991, IFCH, Unicamp.

HOBSBAWM, Eric. e RANGER, Terence (orgs). A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

GRAMSCI, A. Os Intelectuais e a Organização da Cultura. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira, 1968.

GRUPPI, L. O Conceito de Hegemonia em Gramsci. Rio de Janeiro. Edições Graal, 1978.

HAMILTON, David. Towards a Theory of Schooling, London, New York: The Falmers Press, 1989.

HAMILTON, David. “Mudança social e mudança pedagógica: a trajetória de uma pesquisa histórica”. Teoria e Educação, Porto alegre, No. 6, 1992.

HEGEL, G. W.F. Lecciones sobre la Filosofia de la História Universal. Alianza Editorial, Madrid, 1989.

HÖFLING, Eloisa de Mattos. A FAE e a execução da política educacional: 1983-1998. Tese de doutorado, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, 1993.

HUNT, Lynn. A nova história cultural. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

JOHNSEN, E. B. Libros de texto en el caleidoscópio: estúdio critico de la literatura y la investigación sobre los textos escolares.Barcelona: Ediciones Pomares-Corredor, 1996.

JULIA, Dominique. “A cultura escolar como objeto histórico”, Revista Brasileira de História da Educação, No. 1, 2001.

KHLYABITCH, I. Pequena História da Filosofia e dicionário dos principais termos filosóficos. São Paulo: Argumentos Editora e Distribuidora de Livros, 1967. Trad. do inglês de Leno Otti (Coleção Estudos Contemporâneos No. 3).

LAPA, José Roberto Amaral. A cidade: os cantos os antros – Campinas 1850-1900. São Paulo: Edusp, 1996.

MAGALHÃES, Justino P. “O manual escolar no quadro da história cultural: para uma historiografia do manual escolar em Portugal”, Sisifo – Revista de Ciências da Educação, No. 1, 2006, Universidade de Lisboa.

MAGALHÃES, Justino P. “O manual escolar como fonte historiográfica”. In: Manuais Escolares da Biblioteca Pública Municipal do Porto. No âmbito do VII Congresso de História da Educação, Cultura Escolar, Migrações e Cidadania. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto – 20 a 23 de junho de 2008.

MAGALHÃES, Justino P. “Um apontamento para a história do manual escolar – entre a produção e a representação”. In: Manuais Escolares, estatuto, funções e história. Actas do I Encontro Internacional sobre Manuais Escolares. Rui Vieira de Castro et al (orgs) Braga: Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho, 1999.

MANIFESTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, vol. 65, No. 150, mai/ago 1984.

MARX, Karl. O capital – critica da economia política. Livro Primeiro, vol. I 6a. Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

MARX, Karl e ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. Lisboa: Editora Presença, 1976.

MENEZES, Maria Cristina (coord.) Inventário Histórico Documental: Escola Normal de Campinas. Campinas, SP: FE/UNICAMP, 2009.

MONARCHA, Carlos. Escola Normal da Praça: o lado noturno das luzes. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1999.

MUNAKATA, K. Produzindo livros didáticos e paradidáticos. São Paulo: PUC/SP, 1997. (Tese de doutorado em História e Filosofia da Educação).

NAGLE, Jorge. Educação e Sociedade na Primeira República. São Paulo: Edusp, 1972.

NETO, José Paulo. “Relendo a teoria marxista da história”. In: História e Historia da Educação: o debate teórico-metodológico atual. Dermeval Saviani, José Claudinei Lombardi e José Luís Sanfelice (orgs). Campinas, SP: Autores Associados, 1998.

NORONHA, Rachel. “O escolar da pré-escola: contribuição à sua trajetória histórica”. Revista de Educação, PUC/Campinas, Ano II, No. 02, julho/1997.

NORONHA, Olinda Maria. “A universidade e a estruturação da cidadania regulada pela estratificação ocupacional do trabalho”. Revista de Educação, PUC/Campinas, Ano I, No. 02, julho/1997.

NORONHA, Olinda Maria. “A renovação conservadora do campo educacional pós-colonial e sua expressão nos manuais de ensino: algumas considerações preliminares sobre a “Pedagogia e Methodologia” do Pe. Camilo Passalacqua” In: Publicatio UEPG, Ponta Grossa, 15 (2) 9-15, dez 2007.

NUNES, Cezar. “A cultura jurídico-politica e a educação brasileira: um campo aberto”. Educação em Revista. Belo Horizonte (18/19), dez. 1993/jun/1994.

OSENBACH, Gabriela S.“La investigacións sobre los manuales escolares en America Latina: La contribuición del Proyecto Manes . História de la educación, Salamanca, No. 19, 2000.

OSSENBACH, G. La Rede Patre-Manes: uma experiência de integración de bases de datos y bibliotecas virtuales de manuales escolares europeos y latinoamericanos. Universidad del Atlântico, História Caribe, Barranquilla (Col) No. 10, 2005.

OSSENBACH, G. e SOMOZA, M. Los Manuales Escolares como fuente para la História de la Educación em América Latina. Madrid: UNED Ediciones, 2001.

SPIEGEL, G. M. Behind the Scenes. Writing History in The Mirror of Theory. Centro de Semiótica y Teoría del Espetáculo. Valência, 1995.

PAIVA, Vanilda Pereira. Educação Popular e Educação de Adultos. São Paulo, Edições Loyola, 1987.

PINHEIRO, Ana Virginia. Que é livro raro: uma metodologia para o estabelecimento de critérios de raridade bibliográfica. Rio de Janeiro: Presença, 1989.

PRADO JR., Caio. História Econômica do Brasil. São Paulo: Editora Brasiliense, 8a. Ed. 1963.

RIBEIRO, Arilda Inês Miranda. A educação feminina durante o século XIX: o colégio Florence de Campinas – 1863- 1889. Campinas, SP: Unicamp/CMU, 2006, 2a. ed.

RIBEIRO, Sérgio Costa e PAIVA, Vanilda Pereira. “Autoritarismo social e educação”. In: Revista Educação e Sociedade. Campinas, SP: Cedes/Papirus, 1995.

RUGIU, Antonio Santoni. Nostalgia do mestre artesão. Campinas, SP: Autores Associados, 1998.

SANTO, Esmeralda Maria. “Os manuais escolares, a construção de saberes e a autonomia do aluno. Auscultação a alunos e professores.” Revista Lusófana de Educação, 2006, 8. Lisboa/ Portugal. Instituto de Ciências da Educação da Universidade Lusófana de Humanidades e Tecnologias.

SANTOS, Wanderley Guilherme dos. Cidadania e Justiça: a política social na ordem brasileira. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1987.

SAVIANI, Dermeval. História das Idéias Pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2007 (Coleção Memória da Educação).

SHUELER, Alessandra Frota Martinez de e GONDRA, José. Educação, poder e sociedade no Império brasileiro. São Paulo: Cortez, 2008, vol. 1.

SOUZA, Rosa Fátima de. Templos de civilização: a implantação da escola primária graduada no estado de São Paulo (1890-1910). São Paulo: EDUNESP, 1998.

SOUZA, Rosa Fátima de. “Lições da escola primária”. O legado educacional do século XX no Brasil. Dermeval Saviani [et al] – 2a. Ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

SOUZA, Rosa Fátima de. “Espaço da educação e da civilização: origem dos grupos escolares no Brasil”. O legado educacional do século XIX no Brasil. Dermeval Saviani [et al]- 2a. Ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

SOUZA, Rosa Fátima de. O direito à educação: lutas populares pela escola em Campinas, SP: Editora da Unicamp/Área de Publicações Centro de Memória da Unicamp, 1998.

THOMPSON, Edward Palmer. “A miséria da teoria ou um planetário de erros”. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

TOPOLSKY, J. Metodologia de la história. Cátedra, Madrid, 1985.

UNICAMP, Biblioteca Central, Serviço de Informação sobre o Livro Didático. O que sabemos sobre o livro didático. Catálogo analítico. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1989.

VALDEMARIN, Vera. Estudando as lições de coisas: análise dos fundamentos filosóficos do método intuitivo. Campinas, SP: Autores Associados, 2004.

VIDIGAL, Carmem Sylvia. O ideário republicano e a educação: o colégio Culto à Ciência de Campinas (1860-1892). São Paulo: USP/FE, 1981 (dissertação de mestrado).

VIEIRA, Evaldo. Autoritarismo e Corporativismo (Oliveira Vianna & Companhia). São Paulo: Cortez, 1981.

VIDAL, Diana Gonçalves (org). Grupos Escolares: cultura escolar primária e escolarização da infância no Brasil (1883-1971). Campinas, SP: Mercado de Letras, 2006.

VIDAL, Diana Gonçalves (org). “Escola Nova e processo educativo”. In: Eliane Marta Teixeira Lopes et. al. (orgs) 500 anos de Educação no Brasil, Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

VIDAL, Diana Gonçalves (org). “Da caligrafia à escrita: experiências escolanovistas com caligrafia muscular nos anos 30”. In: Revista da Faculdade de Educação, 24(1): 126-140, jan/jun. 1998.

VILAR, Pierre. “Marx y La história”. In: História del marxismo. Barcelona: Bruguera, 1979.

VILAR, Pierre. Iniciación al vocablário del analisis historico. Barcelona: Crítica, 1980.

WARDE, Miriam Jorge. “Contribuições das Ciências Humanas para a Educação, a História. Em Aberto, Brasília, MEC-INEP, ano IX, No 48, 1990.

WARDE, Miriam Jorge. “Questões teóricas e de método: a história da educação nos marcos de uma história das disciplinas”. In: Dermeval Saviani, José Claudinei Lombardi e José Luís Sanfelice (orgs), História e História da Educação: o debate teórico-metodológico atual. Campinas, SP: Autores Associados/HISTEDBR, 1998.

ZANATTA, Beatriz Aparecida. “O método intuitivo e a percepção sensorial como legado de Pestallozzi para a geografia escolar”. Cadernos CEDES. Campinas, SP, vol. 25, no. 66, mai/ago 2005.

ZEQUERA, Luz Helena Toro. História da Educação em Debate: as tendências teórico-metodológicas na América Latina. Campinas, SP: Alínea, 2002.

ZILLES, Urbano. Fé e Razão no pensamento medieval. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1996.

Downloads

Como Citar

NORONHA, O. M. Contribuição para a história e a historiografia da educação brasileira: os manuais escolares das bibliotecas públicas municipais de Campinas – SP (1889-1970). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 10, n. 39, p. 42–75, 2012. DOI: 10.20396/rho.v10i39.8639717. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639717. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos