Processo de trabalho e processo educativo: notas sobre o “período de ouro” da educação de adultos em Portugal

Autores

  • Lia Tiriba Universidade Federal Fluminense/UFF

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v10i39.8639720

Palavras-chave:

Conselhos Operários em Portugal. Educação de Adultos. Produção e legitimação de saberes. Saberes do trabalho associado. Trabalho e educação

Resumo

Focalizamos processos de educação de trabalhadores no contexto dos movimentos populares subseqüentes ao golpe militar de 25 de abril de 1974, o qual pôs fim ao regime fascista que perdurou 48 anos em Portugal. Registramos que as palavras de ordem e as práticas de “autogestão” e de “controle operário” delimitavam campos de luta que manifestavam formas distintas de conceber os significados e desafios políticos do que se denominou “período revolucionário em curso – PREC” (1974-75). Partimos da premissa de que esse momento histórico pode ser entendido como “período de ouro” da educação de adultos em Portugal, tanto no que diz respeito às aprendizagens proporcionadas pelos movimentos de ocupação de terras, casas, escolas, quartéis e fábricas, como também no que se refere às políticas públicas formuladas para os adultos trabalhadores. Destacamos que, inspirada no slogan “a libertação dos trabalhadores será obra dos próprios trabalhadores” (Estatutos Gerais da Associação Internacional dos Trabalhadores, de 1871), a Direção Geral de Educação Permanente (DGEP) do Ministério da Educação de Portugal indicava que educação de adultos seria obra dos próprios adultos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lia Tiriba, Universidade Federal Fluminense/UFF

Professora do Curso de Graduação em Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense/UFF. Doutora em Ciências Políticas e Sociologia pela Universidade Complutense de Madrid (Programa Sociologia Econômica e do Trabalho). Membro do Núcleo de Estudos, Documentação e Dados sobre Trabalho e Educação – NEDDATE / UFF.

Referências

ADLER, Max. Conselhos operários e revolução. Coimbra: Centelha, 1976.

BRINTON, Maurice. Os bolcheviques e o controle operário. Porto: Ed. Afrontamento, 1975.

CANÁRIO, Rui. Aprender sem ser ensinado. A importância estratégica da educação não formal. In: CNE - Conselho Nacional de Educação. A educação em Portugal (1986-2006): alguns contributos de investigação. Lisboa: CNE, 2007a. p. 207 -267.

CANÁRIO, Rui. A educação e o movimento popular do 25 de Abril. In: CANÁRIO, Rui (org). Educação popular e movimentos sociais. s/l: Educa/Unidade de I e D de Ciências da Educação, 2007 b. p. 11-36.

CUNHAL, Álvaro. A revolução portuguesa. 2 ed. Lisboa: Editorial Avante, 1994.

FISCHER, Maria Clara Bueno; TIRIBA, Lia. Saberes do trabalho associado. In CATTANI, A.David; LAVILLE, Jean-Louis; GAIGER, Luis Inácio; HESPANHA, Pedro. Dicionário Internacional da Outra Economia (ISBN 978-972-40-3722). Coimbra: Editora Almedina, 2009, p. 293-298.

GRAMSCI, Antonio. Democracia operária, partidos, sindicatos e conselhos. Coimbra: Centelha, 1976.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civ.Brasileira, 1982.

JORNAL COMBATE, números 1 a 51, de junho de 1974 a fevereiro de 1978.

MANDEL, Ernest. Controle operário, conselhos operários, autogestão. São Paulo: Centro de Pastoral Vegueira, 1987.

MELO, Alberto; BENAVENTE, Ana. Educação popular em Portugal (1974-1976). Lisboa: Livros Horizonte, 1978.

MURAIS DE ABRIL. Lisboa: Biblioteca Museu República e Resistência, 1998.

OLIVEIRA, Luisa Tiago de. Estudantes e povo na revolução. O Serviço Cívico Estudantil (1974-1977). Oeiras: Celta, 2004.

PALÁCIOS CEREZALES, Diego. O poder caiu na rua: Crise do Estado e Acções Colectivas na Revolução Português. 1974- 1975. Lisboa: ICS, 2003.

PATRIARCA, Fátima (org). Documentos. Controlo operário em Portugal I. In: Análise Social, vol. XII (3o), 1976 a, pp 765-816.

PATRIARCA, Fátima (org). Documentos. Controlo operário em Portugal II. In: Análise Social, Vol. XII (4.o), 1976 b. (n.o 48), pp. 1049-1146.

PIRES, José. Greves e o 25 de Abril. Lisboa: Base FUT, s/d.

PROGRAMA DE ACÇÃO DO MINISTÉRIO da Educação e Investigação Científica (MEIC) do IV Governo Provisório, s/d.

SANTOS, Maria de Lourdes Lima dos; LIMA, Marinús Pires de e FERREIRA, Vitor Matias. O 25 de Abril e lutas sociais nas empresas. Porto: Afrontamento, 1976.

STOER, Steve. Educação e mudança social em Portugal: 1970-1980, uma década de transição. Porto: Afrontamento, 1986.

STOER, Steve; DALE, Roger. Apropriações políticas de Paulo Freire: um exemplo da Revolução Portuguesa. In: Educação, sociedade e culturas, 1999, n. 11. p.67-81.

TEODORO, Antõnio. Revolução e utopia. Um programa de acção no campo educativo para uma sociedade a caminho do socialismo – Portugal 1975. In Revista Lusófona de Educação. Lisboa: 2007: 141-153.

TIRIBA, Lia. Economia popular e cultura do trabalho. Pedagogia(s) da produção associada. Ijuí: Unijuí, 2001.

TIRIBA, Lia. Cultura do trabalho, autogestão e formação de trabalhadores associados na produção. In: Perspectiva. Florianópolis: Editora da UFSC: NUP/CED/Revista do Centro de Ciências da Educação / UFSC, 2008. Volume 26, n. 1, p. 69-94.

TIRIBA, Lia. Saberes do trabalho associado: cenários da autogestão no “processo revolucionário em curso”. Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense, 2009. mimeo.

THOMPSON, Edward P. A miséria da teoria. Rio de Janeiro: Zahar,1981.

VINOGRADOV, V. Controle operário sobre a produção. Lisboa: Editorial Estampa, 1975.

Downloads

Como Citar

TIRIBA, L. Processo de trabalho e processo educativo: notas sobre o “período de ouro” da educação de adultos em Portugal. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 10, n. 39, p. 104–118, 2012. DOI: 10.20396/rho.v10i39.8639720. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639720. Acesso em: 5 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos