Políticas evidenciadas em transições administrativas: em nome do compromisso com a mudança

Autores

  • Rosimar Serena Siqueira Esquinsani Universidade de Passo Fundo / UPF

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v10i39.8639724

Palavras-chave:

Políticas educacionais. Transições administrativas. História da educação

Resumo

As circunstâncias que envolvem as transições administrativas, apesar de legítimas e democráticas, insinuam certo ar de ruptura em relação às políticas educacionais desenvolvidas pela administração que termina, vinculando tais políticas aos planos de governos quadrienais. Com fundamento em tal premissa, o texto reflete sobre transições administrativas, bem como as políticas evidenciadas nestes momentos de transição, apoiado em uma pesquisa empírica com abordagem qualitativa, realizada em uma rede pública municipal de ensino do interior sul-rio-grandense, a partir do mapeamento de dezoito anos (1992-2010), ou cinco mudanças de administrações municipais. O objetivo principal residiu em reconstruir a história da educação recente desta rede de ensino, acompanhando cinco mudanças de governo e suas respectivas transições administrativas, sendo que a investigação foi desenvolvida dentro de duas abordagens: a análise de conteúdo, advinda de fontes documentais (jornais de circulação local e atas de reuniões) e a revisão bibliográfica temática. Os resultados da pesquisa permitem afirmar que a ruptura na elaboração e implementação de políticas educacionais é encarada como a forma autêntica de estabelecer as diferenças entre uma administração e outra, estabelecendo um compromisso com a mudança, para que seja marcada a alteração de poder.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosimar Serena Siqueira Esquinsani, Universidade de Passo Fundo / UPF

Professora Titular I da Universidade de Passo Fundo, atuando no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Passo Fundo.

Referências

BOBBIO, Norberto. Direita e esquerda: razões e significados de uma distinção política. São Paulo: UNESP, 1995. 129 p.

BRAGA, Ronald. O MEC e o Poder. Educação Brasileira – CRUB: Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras.V. 6. no. 13 – 2o. semestre de 1984. Brasília, 1984.

CERTEAU, Michel de. A escrita da História. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 2002.

COLLARES, Cecília Azevedo Lima, MOYSES, Maria Aparecida Affonso e GERALDI, João Wanderley. Educação continuada: a política da descontinuidade. Educação e Sociedade, vol.20, no.68, p.202-219, dez. 1999.

CUNHA, Luiz Antônio. Zig-Zag no primeiro grau: o Rio de Janeiro nos anos 80. Revista do Rio de Janeiro, no 3, pp. 21-26, 1994.

GIDDENS, Anthony. Para além da esquerda e da direita: o futuro da política radical. São Paulo: UNESP, 1996. 296 p.

GUIMARÃES, Juarez. A esperança equilibrista: o governo Lula em tempos de transição. São Paulo: Editora Perseu Abramo, 2004.

JACOBI, Pedro. Educação, ampliação da cidadania e participação. Educação e Pesquisa, jul./dez. 2000, vol.26, no.2, p.11-29.

MELLO, Guiomar Namo de. Autonomia da escola: possibilidade, limites e condições. In: VELLOSO, Jacques [et. al]. Estado e Educação. Campinas: Papirus, 1992.

MENDONÇA, Erasto Fortes. A regra e o jogo: democracia e patrimonialismo na educação brasileira. Campinas, SP: FE/ UNICAMP, 2000.

MENDONÇA, Erasto Fortes. Estado Patrimonial e Gestão democrática do ensino público no Brasil. Educação e Sociedade. Ano XXII, no. 75. Campinas: Cedes (Centro de Estudos Educação e Sociedade), agosto/ 2001.

OZGA, J. Investigação sobre políticas educacionais: terreno de contestação. Portugal, Porto Editora, 2000.

Downloads

Como Citar

ESQUINSANI, R. S. S. Políticas evidenciadas em transições administrativas: em nome do compromisso com a mudança. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 10, n. 39, p. 169–182, 2012. DOI: 10.20396/rho.v10i39.8639724. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639724. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos