Formação dos Trabalhadores Rurais Sem Terra: as atribuições do movimento frente à sua base

Autores

  • Carlos Lucena Universidade Federal de Uberlândia
  • Mário Borges Netto Universidade Federal de Uberlândia - UFU

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v10i39.8639727

Palavras-chave:

Escola Nacional Florestan Fernandes. Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Formação política

Resumo

Este artigo problematiza a ação da Escola Nacional Florestan Fernandes para o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, tendo em vista a formação de seus militantes e as  estratégias políticas adotadas na luta contra a lógica do projeto de sociedade vigente. Pretende-se debater as reflexões sobre a importância da educação nos movimentos sociais organizados pela classe trabalhadora, no que diz respeito aos aspectos relevantes em torno da luta pela emancipação político-ideológica dos trabalhadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Lucena, Universidade Federal de Uberlândia

Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Uberlândia. Coordenador do Grupo de Pesquisa História, Trabalho e Educação. Bolsita de Produtividade do CNPQ.

Mário Borges Netto, Universidade Federal de Uberlândia - UFU

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Uberlândia.

Referências

ANTUNES, Ricardo. A desertificação neoliberal no Brasil – Collor, FHC e Lula. 2a ed. Campinas: Autores Associados, 2005.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho – ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. Boitempo: São Paulo, 2006.

ARROYO, Miguel Gonzalez. “A educação básica e o movimento social do campo”. In: ARROYO, Miguel Gonzalez; CALDART, Roseli Salete; MOLINA, Mônica Castagna. Por uma educação do campo. Petrópolis: Vozes, 2004.

ARRUDA, Élcia Esnarriaga de; BRITO, Silvia Helena Andrade de. “Análise de uma proposta de escola específica para o campo”. In: ALVES, Gilberto Luiz (org.). Educação no campo – recortes no tempo e no espaço. Campinas: Autores Associados, 2009.

BEZERRA NETO, Luiz; BEZERRA, Maria Cristina dos Santos. “A classe trabalhadora e a mundialização do saber”. In: LUCENA, Carlos (org.). Trabalho, precarização e formação humana. Campinas: Alínea, 2008.

BEZERRA NETO, Luiz. “A educação rural no contexto das lutas do MST”. In: ALVES, Gilberto Luiz (org). Educação no campo – recortes no tempo e no espaço. Campinas: Autores Associados, 2009.

BOITO JÚNIOR, Armando. “Pré-capitalismo, capitalismo e resistência dos trabalhadores – nota para uma teoria da ação sindical”. Crítica marxista – Revista do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas/UNICAMP, Campinas, n.12, p.77-104, jan/jun. 2001.

CALDART, Roseli Salete. “A escola do campo em movimento”. In: ARROYO, Miguel Gonzalez; CALDART, Roseli Salete; MOLINA, Mônica Castagna. Por uma educação do campo. Petrópolis: Vozes, 2004.

CASSIN, Marcos; BOTIGLIERI, Mônica Fernanda. “Mundialização, o novo rural brasileiro e a educação”. In: LUCENA, Carlos (org.). Trabalho, Precarização e Emancipação Humana. Campinas: Alínea. 2008.

FERNANDES, Bernardo Mançano; CERIOLI, Paulo Ricardo; CALDART, Roseli Salete. “Primeira Conferência Nacional ‘Por uma educação básica do campo’: texto preparatório”. In: ARROYO, Miguel Gonzalez; CALDART, Roseli Salete; MOLINA, Mônica Castagna. Por uma educação do campo. Petrópolis: Vozes, 2004.

GOHN, Maria da Glória. Teorias dos movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. 6a edição. São Paulo: Loyola, 2007.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere: Maquiavel; notas sobre o Estado e a política (Volume 3). 3a edição. Tradução de Luiz Sérgio Henriques, Marco Aurélio Nogueira e Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

IANNI, Octávio. A era do globalismo. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996.

JORNAL SEM TERRA. Contra a idéia da força, a força das idéias – entrevista com o coordenador pedagógico da Escola Nacional Florestan Fernandes, Geraldo Gasparin. Jornal Sem Terra. N. 295, 2009. Disponível em: http://www.mst.org.br/jornal/295/entrevista. Acessado em 04/01/2010.

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. Tradução de Célia Neves e Alderico Toríbio. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1969.

LOMBARDI, José Claudinei. Reflexões sobre educação e ensino na obra de Marx e Engels. Campinas, 2010. Tese (Livre Docência em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, 2010.

LUCENA, Carlos. Tempos de destruição – educação, trabalho e indústria do petróleo no Brasil. Campinas: Autores Associados; Uberlândia: EDUFU, 2004.

MARX, Karl. O capital. Livro 1. Volume 1. Tradução de Reginaldo Sant`Anna. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. Tradução de Pietro Nasseti. São Paulo: Martin Claret, 2003.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. Campanha Nacional Escola Nacional Florestan Fernandes, 1998.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. “Princípios da educação no MST”. In: Caderno de Educação no 8. São Paulo. 3a ed. 1999.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. Reforma agrária X agronegócio. 15/04/2009. Disponível em: http://www.mst.org.br/node/6713. Acessado em: 01/02/2010.

PREVITALLI, Fabiane Santana; FARIA, A. F. “Reestruturação Produtiva, Trabalho e Qualificação – um estudo sobre o setor de tabaco em Uberlândia/MG”. In: LUCENA, Carlos (org.). Trabalho, Precarização e Emancipação Humana. Campinas: Alínea. 2008.

RIBEIRO, Marlene. Movimento camponês, trabalho e educação: liberdade, autonomia, emancipação: princípios/fins da formação humana. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

SILVA, Roberta Maria Lobo da. A dialética do trabalho no MST – a construção da Escola Nacional Florestan Fernandes. Niterói, 2005. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense.

Downloads

Como Citar

LUCENA, C.; BORGES NETTO, M. Formação dos Trabalhadores Rurais Sem Terra: as atribuições do movimento frente à sua base. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 10, n. 39, p. 211–224, 2012. DOI: 10.20396/rho.v10i39.8639727. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639727. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>