Banner Portal
Ações afirmativas e universidade no Brasil
PDF

Palavras-chave

Universidade brasileira. Ações afirmativas. Inclusão social

Como Citar

LIMA, Paulo Gomes. Ações afirmativas e universidade no Brasil. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 10, n. 39, p. 267–285, 2012. DOI: 10.20396/rho.v10i39.8639730. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639730. Acesso em: 23 jul. 2024.

Resumo

A pesquisa problematiza as políticas de ações afirmativas como instrumento de inclusão social à universidade brasileira. Estabelece as relações entre a reestruturação produtiva, reforma de Estado e políticas educacionais; a educação superior no Brasil no contexto do modo-de-produção capitalista e seus arranjos históricos de exclusão social, apontando para a possibilidade de um terceiro olhar. Neste caso, são destacadas as relações entre o neoliberalismo, o trabalho e políticas compensatórias de acesso à universidade brasileira e os desafios contemporâneos para a inclusão social propriamente dita. O nível conceitual da investigação sustenta-se em quatro eixos: a) Mészáros, b) Habermas, c) Karel Kosik e d) Adorno & Horkheimer. A pesquisa evidencia a necessidade de políticas públicas para a universidade no Brasil a partir de uma dimensão universal sustentada por uma lógica libertadora e humanizadora.

https://doi.org/10.20396/rho.v10i39.8639730
PDF

Referências

ADORNO, T.W. & HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

ANDERSON, P. Balanço do neoliberalismo. In SADER, E. & GENTILI, P. Pós-neoliberalimo: as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

ANTUNES, R. Para além do capital e de sua lógica destrutiva. In Revista Espaço Acadêmico, Ano II, No 14, julho, 2002.

BRASIL. Grupo de Trabalho Interministerial para a Valorização da População Negra. Brasília: Ministério da Justiça, 1996.

BRESSER PEREIRA, Luis Carlos. Da administração pública burocrática à gerencial. Revista do Serviço Público, Ano 47, Volume 120, No 1, 1996.

CASANOVA, P. G. Globalidade, neoliberalismo e democracia. In GENTILI, P. (Org.). Globalização excludente: desigualdade, exclusão e democracia na nova ordem mundial. Petrópolis/RJ: Vozes, 2001.

CHAUÍ, M. Neoliberalismo e universidade. In OLIVEIRA, F. & PAOLI, M. C. (Orgs.). Os sentidos da democracia: políticas do dissenso e hegemonia global. 2.ed. Petrópolis, R.J: Vozes: NEDIC, 2000.

CORAGGIO, J.L. Propostas do Banco Mundial para a educação: sentido oculto ou problemas de concepção? In: DE TOMMASI, L: WARDE, S. (orgs). O Banco Mundial e as políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1996.

CUNHA, L. A. A universidade reformanda: o golpe de 64 e a modernização do ensino superior. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1988.

CUNHA, L. A. Educação e desenvolvimento social no Brasil. 5a Ed. Rio de Janeiro, 1989.

CUNHA, L. A. Educação, Estado e democracia no Brasil. São Paulo: Cortez Editora; Niterói: EDUFF; Brasília: FLACSO, 1991.

HABERMAS, J. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Trad. Flávio Beno Siebeneichler. 2. ed. vol. I. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

KAUFMANN, R. F. M. Ações afirmativas à brasileira: necessidade ou mito? A implementação para negros como mecanismo concretizador de direitos fundamentais. Uma análise histórico-jurídico-comparativa do negro nos Estados Unidos da América e no Brasil. In Jus Navigandi, Teresina, ano 11, n. 1455, 26 jun. 2007. Disponível em: http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=10070. Acesso em: 07 jun. 2009.

KOSIK, K. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

LIMA, P. G. Unha de gato em novelo de lã ou do financiamento da pesquisa científica e tecnológica no governo FHC: o dito e o feito no plano real (1994-2002). Tese de Doutorado. Araraquara/SP: Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho/FCLAR.

MARX, K. & ENGELS, F. A ideologia alemã (Feuerbach). 6a ed. Trad. de José Carlos Bruni & Marco Aurélio Nogueira. São Paulo: Hucitec, 1987.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2006.

MÉSZÁROS, I. O desafio e o fardo do tempo histórico. São Paulo: Boitempo, 2007.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital: rumo a uma teoria de transição. São Paulo: Boitempo, 2005.

PESCE, L. As contradições da institucionalização da educação a distância, pelo Estado, nas políticas de formação de educadores: resistência e superação. Tese (Pós-doutoramento). Campinas: FE/Universidade Estadual de Campinas, 2007.

SANFELICE, J. L. Inclusão educacional no Brasil: limites e possibilidades. In Revista de Educação da PUC-CAMPINAS, No 21, p. 29-40, novembro de 2006.

SANFELICE, J. L. Movimento estudantil: a UNE na resistência ao golpe de 64. São Paulo: Cortez Editora; Editora Autores Associados, 1986.

SILVA, G. M. D. da. Ações afirmativas no Brasil e na África do Sul. In Tempo Social, Revista de sociologia da USP, v. 18, n. 2, 2006.

SILVA, M. A. da. Intervenção e consentimento: a política educacional do Banco Mundial. São Paulo: Autores Associados, 2002.

SILVEIRA, N. D. R. Universidade brasileira: a intenção da extensão. São Paulo: Loyola, 1987.

WEBER, M. The social psychology of the world religions . In: GERTH, H. & MILLS, C. (eds.), From Max Weber. Nova York, Oxford University Press, 1946.

XAVIER. M. E. S. P. Capitalismo e escola no Brasil: a constituição do liberalismo em ideologia educacional e as reformas do ensino (1931-1961). Campinas (SP): Papirus, 1990.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.