Ações afirmativas e universidade no Brasil

Autores

  • Paulo Gomes Lima Universidade Federal da Grande Dourados –UFGD

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v10i39.8639730

Palavras-chave:

Universidade brasileira. Ações afirmativas. Inclusão social

Resumo

A pesquisa problematiza as políticas de ações afirmativas como instrumento de inclusão social à universidade brasileira. Estabelece as relações entre a reestruturação produtiva, reforma de Estado e políticas educacionais; a educação superior no Brasil no contexto do modo-de-produção capitalista e seus arranjos históricos de exclusão social, apontando para a possibilidade de um terceiro olhar. Neste caso, são destacadas as relações entre o neoliberalismo, o trabalho e políticas compensatórias de acesso à universidade brasileira e os desafios contemporâneos para a inclusão social propriamente dita. O nível conceitual da investigação sustenta-se em quatro eixos: a) Mészáros, b) Habermas, c) Karel Kosik e d) Adorno & Horkheimer. A pesquisa evidencia a necessidade de políticas públicas para a universidade no Brasil a partir de uma dimensão universal sustentada por uma lógica libertadora e humanizadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Gomes Lima, Universidade Federal da Grande Dourados –UFGD

Docente do PPGEdu da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Grande Dourados –UFGD.

Referências

ADORNO, T.W. & HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

ANDERSON, P. Balanço do neoliberalismo. In SADER, E. & GENTILI, P. Pós-neoliberalimo: as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

ANTUNES, R. Para além do capital e de sua lógica destrutiva. In Revista Espaço Acadêmico, Ano II, No 14, julho, 2002.

BRASIL. Grupo de Trabalho Interministerial para a Valorização da População Negra. Brasília: Ministério da Justiça, 1996.

BRESSER PEREIRA, Luis Carlos. Da administração pública burocrática à gerencial. Revista do Serviço Público, Ano 47, Volume 120, No 1, 1996.

CASANOVA, P. G. Globalidade, neoliberalismo e democracia. In GENTILI, P. (Org.). Globalização excludente: desigualdade, exclusão e democracia na nova ordem mundial. Petrópolis/RJ: Vozes, 2001.

CHAUÍ, M. Neoliberalismo e universidade. In OLIVEIRA, F. & PAOLI, M. C. (Orgs.). Os sentidos da democracia: políticas do dissenso e hegemonia global. 2.ed. Petrópolis, R.J: Vozes: NEDIC, 2000.

CORAGGIO, J.L. Propostas do Banco Mundial para a educação: sentido oculto ou problemas de concepção? In: DE TOMMASI, L: WARDE, S. (orgs). O Banco Mundial e as políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1996.

CUNHA, L. A. A universidade reformanda: o golpe de 64 e a modernização do ensino superior. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1988.

CUNHA, L. A. Educação e desenvolvimento social no Brasil. 5a Ed. Rio de Janeiro, 1989.

CUNHA, L. A. Educação, Estado e democracia no Brasil. São Paulo: Cortez Editora; Niterói: EDUFF; Brasília: FLACSO, 1991.

HABERMAS, J. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Trad. Flávio Beno Siebeneichler. 2. ed. vol. I. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

KAUFMANN, R. F. M. Ações afirmativas à brasileira: necessidade ou mito? A implementação para negros como mecanismo concretizador de direitos fundamentais. Uma análise histórico-jurídico-comparativa do negro nos Estados Unidos da América e no Brasil. In Jus Navigandi, Teresina, ano 11, n. 1455, 26 jun. 2007. Disponível em: http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=10070. Acesso em: 07 jun. 2009.

KOSIK, K. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

LIMA, P. G. Unha de gato em novelo de lã ou do financiamento da pesquisa científica e tecnológica no governo FHC: o dito e o feito no plano real (1994-2002). Tese de Doutorado. Araraquara/SP: Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho/FCLAR.

MARX, K. & ENGELS, F. A ideologia alemã (Feuerbach). 6a ed. Trad. de José Carlos Bruni & Marco Aurélio Nogueira. São Paulo: Hucitec, 1987.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2006.

MÉSZÁROS, I. O desafio e o fardo do tempo histórico. São Paulo: Boitempo, 2007.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital: rumo a uma teoria de transição. São Paulo: Boitempo, 2005.

PESCE, L. As contradições da institucionalização da educação a distância, pelo Estado, nas políticas de formação de educadores: resistência e superação. Tese (Pós-doutoramento). Campinas: FE/Universidade Estadual de Campinas, 2007.

SANFELICE, J. L. Inclusão educacional no Brasil: limites e possibilidades. In Revista de Educação da PUC-CAMPINAS, No 21, p. 29-40, novembro de 2006.

SANFELICE, J. L. Movimento estudantil: a UNE na resistência ao golpe de 64. São Paulo: Cortez Editora; Editora Autores Associados, 1986.

SILVA, G. M. D. da. Ações afirmativas no Brasil e na África do Sul. In Tempo Social, Revista de sociologia da USP, v. 18, n. 2, 2006.

SILVA, M. A. da. Intervenção e consentimento: a política educacional do Banco Mundial. São Paulo: Autores Associados, 2002.

SILVEIRA, N. D. R. Universidade brasileira: a intenção da extensão. São Paulo: Loyola, 1987.

WEBER, M. The social psychology of the world religions . In: GERTH, H. & MILLS, C. (eds.), From Max Weber. Nova York, Oxford University Press, 1946.

XAVIER. M. E. S. P. Capitalismo e escola no Brasil: a constituição do liberalismo em ideologia educacional e as reformas do ensino (1931-1961). Campinas (SP): Papirus, 1990.

Downloads

Como Citar

LIMA, P. G. Ações afirmativas e universidade no Brasil. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 10, n. 39, p. 267–285, 2012. DOI: 10.20396/rho.v10i39.8639730. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639730. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos