Trabalho e educação: o método ergológico

  • Pierre Trinquet Universidade de Provença e do Mediterrâneo
Palavras-chave: Atividade do trabalho. Pluridisciplinaridade. Ergologia. Trabalho prescrito e trabalho real. Relações sociais

Resumo

O objetivo deste artigo é mostrar que a ergologia, um método pluridisciplinar inovador,permite abordar, com pertinência, a complexidade intrínseca da atividade humana do trabalho.Com o intuito de considerar o trabalho real e o prescrito, convém colocar em dialéticaos saberes elaborados pelas disciplinas científicas concernentes (saberes constituídos) comos saberes adquiridos (saberes investidos). Também será apresentado aqui, porque e comose deve apreender a complexidade da atividade humana do trabalho para abordar o conjuntode problemas que a constitui: a formação profissional, a prevenção dos riscos profissionais,a gestão dos Homens, a gestão econômica, etc. Para isso, desenvolveremos algunsconceitos chave da ergologia, tais como: atividade do trabalho, pluridisciplinaridade ergológica,função ontológica e antropológica do trabalho, desconforto intelectual, saber constituídoe saber investido, e explicitaremos as metodologias praticadas nessa abordagem:Dispositivo Dinâmico de Três Pólos (DD3P), Grupos de Encontro de Trabalho (GRT),ergoformação e ergogestão. Entretanto, como a atividade do trabalho está fortemente correlacionadacom as relações sociais no seio das empresas e das nações, o estado atual dessasrelações nem sempre favorecem processos de trabalho construtivos e humanistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pierre Trinquet, Universidade de Provença e do Mediterrâneo
Sociólogo-Ergólogo da Universidade de Provença e do Mediterrâneo, França

Referências

BACHELARD, Gaston. La philosophie du non. Paris: P.U.F., 1940.

CANGUILHEM, Georges. Le normal et le pathologique. Paris: PUF, 1996.

CLOT, Yves. Travail et pouvoir d’agir. (col. Le travail Humain) Paris: PUF, 2008.

DURAFFOURG, Jacques e VUILLON, Bernard (dir.). Alain Wisner et les tâches du présent. La bataille du travail réel. Toulouse: Octarès Éditions, 2004.

ECHTERNACHT, Eliza & VERISSIMO, Mariana. Cheminement et perspectives de l’ergologie au Brésil In: Schwartz, Yves & Durrive, Louis (dir.). L’activité en Dialogues. Entretiens sur l’activité humaine (II). Toulouse: Octarès Éditions, 2009.

FREIRE, Paulo. Pédagogie des opprimés. Paris: La découverte, 2001.

FREIRE, Paulo. Cartas à Guiné-Bissau. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

JACQUARD, Albert. Moi et les autres. Paris: Le Seuil, 1983.

MARX, Karl. Le capital. 1o livro, 3a seção, capítulo VII, Éditions sociales, 1977.

ODONNE, Ivar. Redécouvrir l’expérience ouvrière. Paris: Messidor/Éditions Sociales, 1981.

SCHWARTZ, Yves. e DURRIVE, Louis. (org.) (tradução de Jussara Brito e Milton A-thayde et al.). Trabalho & Ergologia: Conversas sobre a atividade humana. Niterói: EdUFF, 2007.

SCHWARTZ, Yves. Le paradigme ergologique ou le métier de philosophe. Toulouse: Octarès Éditions, 2000.

SCHWARTZ, Yves. “Trabalho e valor”. (trad. Maria das Graças de S. do Nascimento). Tempo Social. Revista de Sociologia da USP. São Paulo, vol. 8 (2): 147-158, out, 1996a.

SCHWARTZ, Yves. “Pensar o trabalho e seu valor” Idéias. vol. 3, n. 2, jul./dez., Campinas, 1996b.

SCHWARTZ, Yves. Travail et philosophie. Convocations mutuelles. Toulouse: Octarès Éditions, 1994.

SCHWARTZ, Yves. et al. Travail et usage de soi. In: Je sur l’individualité. Paris: Messidor/Éditions Sociales, 1987.

SCHWARTZ, Yves. «La conceptualisation du travail, le visible et l’invisible». L'Homme et la société /2, s.d. n° 152, p. 47-77.

TRÉMOLIÈRES, Christine Revuz «O trabalho e o sujeito» In: Schwartz, Y. e Durrive, L. (org.) (tradução de Jussara Brito e Milton Athayde et al.). Trabalho & Ergologia: Conversas sobre a atividade humana. Niterói: EdUFF, 2007, p. 229-230.

TRINQUET, Pierre. Prévenir les dégâts du travail: une approche ergologique. Paris: PUF, col.: Le travail Humain, 2009.

Como Citar
Trinquet, P. (1). Trabalho e educação: o método ergológico. Revista HISTEDBR On-Line, 10(38e), 93-113. https://doi.org/10.20396/rho.v10i38e.8639753
Seção
Artigos