Do modelo agrário-exportador ao capitalismo urbanoindustrial: as políticas de formação da força de trabalho no âmbito da educação escolar no Brasil entre 1930 e 1945

Autores

  • Paulo César de Souza Ignácio IF Sudeste MG – Campus Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v10i38e.8639755

Palavras-chave:

Desenvolvimento das forças produtivas. Formação da força de trabalho. Reformas educacionais

Resumo

O presente texto se constitui no resultado parcial de um projeto de pesquisa o qual partiudo entendimento de que a relação entre o desenvolvimento das forças produtivas e aspolíticas públicas que norteiam os processos de formação da força de trabalho – assimcomo a realidade em sua totalidade – é mediada pelas relações sociais e produtivas,historicamente construídas pelos homens em suas relações com os outros homens e com anatureza através do trabalho. Com ele, buscamos apreender e expor o significado históricodas reformas educacionais – especificamente das reformas Francisco Campos e Capanema– realizadas entre os anos de 1930 e 1945, período no qual o país transitou do modeloagrário-exportador para o modelo urbano-industrial, verificando o que elas representaramem termos de disciplinamento da formação da força de trabalho para atender o processo deindustrialização, assim como o que representaram em termos da consolidação de estruturasde ensino diferenciadas, desarticuladas e não equivalentes, sobre a qual se desenvolveu oconceito de dualidade estrutural na organização da educação escolar no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo César de Souza Ignácio, IF Sudeste MG – Campus Juiz de Fora

Professor Titular no Campus Juiz de Fora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais, sucessor do Colégio Técnico Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora.

Referências

BOBBIO, Norberto et alii. Dicionário de política. Brasília: EDUNB, 1992.

BOCAYUVA, Pedro Claudio Cunca e VEIGA, Sandra Mayrink. Novo vocabulário político. Petrópolis/Rio de Janeiro: FASE/Vozes, 1992. (Vol. I).

BRASIL. Decreto-lei no. 7.566 de 23 de Setembro de 1909.

BRASIL. Decreto no. 19.850 de 11 de Abril de 1931.

BRASIL. Decreto no. 19.890 de 18 de Abril de 1931.

BRASIL. Decreto no. 21.241 de 14 de Abril de 1932.

BRASIL. Decreto-Lei no. 4.048 de 22/01/42 – Cria o SENAI.

BRASIL. Decreto-Lei no. 4.073 de 30/01/42 – “Lei” Orgânica do Ensino Industrial

BRASIL. Decreto-Lei no. 4.244 de 09/04/42 – “Lei” Orgânica do Ensino Secundário.

BRASIL. Decreto-Lei no. 6.141 de 28/12/43 – “Lei” Orgânica do Ensino Comercial

BRASIL. Decreto-Lei no. 8.529 de 02/01/46 – “Lei” Orgânica do Ensino Primário

BRASIL. Decreto-Lei no. 8.530 de 02/01/46 – “Lei” Orgânica do Ensino Normal

BRASIL. Decretos-Lei nos. 8.621 e 8.622 de 10/01/46 – Criam o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial.

BRASIL. Decreto-Lei no. 9.613 de 20/08/46 – “Lei” Orgânica do Ensino Agrícola.

BRASIL. Lei no. 9.394 de 20 de Dezembro de 1996 – Lei de Diretrizes e Bases da Educação.

BRASIL. Projeto de Lei no. 1.603/96.

BRASIL. Decreto no. 2.208 de 17 de abril de 1997.

BRASIL. Decreto no. 5.154 de 23 de julho de 2004.

BRASIL. Lei no. 11.741 de 16 de julho de 2008.

CUNHA, Luis Antonio. A política educacional e a formação da força de trabalho industrial na era de Vargas. In: A Revolução de 30: Seminário realizado pelo Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC) da Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, Setembro de 1980. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 1983.

CURY, C. R. J. A educação e a primeira Constituinte republicana. In: FÁVERO, Osmar (Org.) A educação nas constituintes brasileiras 1823-1988. Campinas, SP: Autores Associados, 1996. (Coleção Memória da Educação).

FONSECA, Celso Suckow. História do ensino industrial no Brasil. Rio de Janeiro: SENAI, 1986.

GRAMSCI, Antonio. Maquiavel, a política e o Estado moderno. 3a Ed., Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

GRAMSCI, Antonio. Concepção Dialética da História. 10a Ed., Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

HORTA, J. S. B. Plano Nacional de Educação: da Tecnocracia à participação Democrática. In: CURY, C. R. J., HORTA, J. S. B. E BRITO, V. L. A., Medo à liberdade e compromisso democrático: LDB e Plano Nacional de Educação. São Paulo: Ed. Do Brasil, 1997.

IANNI, Octávio. Estado e planejamento econômico no Brasil. 6a ed., Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996.

KUENZER, Acacia Zeneida. A Educação de 2o grau – O trabalho como princípio educativo. São Paulo: Cortez e Autores Associados, 1988.

KUENZER, Acacia Zeneida. Ensino médio e profissional: as políticas do Estado neoliberal. São Paulo: Cortez, 1997. (Coleção Questões da nossa época; v. 63).

MANACORDA, M. História da Educação: da Antigüidade aos nossos dias. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1989.

MENDONÇA, Sonia Regina de. Estado e economia no Brasil: opções de desenvolvimento. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

NOSELLA, Paolo. A Escola brasileira de final de século: um balanço. In: FRIGOTTO, G. (org.) Educação e crise do trabalho: perspectivas de final de século. Petrópolis: Vozes, 1998. (Coleção estudos culturais em educação)

NOSELLA, Paolo. A modernização da produção e da escola no Brasil – O estigma da relação escravocrata. Cadernos ANPEd, no 5, Porto Alegre, 1993.

RAMOS, Marise Nogueira. Do ensino técnico à educação tecnológica: (a)-historicidade das políticas públicas dos anos 90. Niterói, 1995. Dissertação (Mestrado em Educação) – UFF.

RODRIGUES, José. O Moderno Príncipe Industrial: o pensamento pedagógico da Confederação Nacional da Indústria. Campinas, SP: Autores Associados, 1998.

ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da educação no Brasil (1930/1973). 21a ed., Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

SAVIANI, Demerval. A nova lei da educação: trajetória, limites e perspectivas. 4a ed., Campinas, SP: Autores Associados, 1998. (Coleção Educação Contemporânea).

Downloads

Como Citar

IGNÁCIO, P. C. de S. Do modelo agrário-exportador ao capitalismo urbanoindustrial: as políticas de formação da força de trabalho no âmbito da educação escolar no Brasil entre 1930 e 1945. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 10, n. 38e, p. 131–153, 2012. DOI: 10.20396/rho.v10i38e.8639755. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639755. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos