O trabalho dos professores na escola: quando o tempo se trai.

Autores

  • Liliana Soares Ferreira Universidade Federal de Santa Maria / UFSM

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v10i38e.8639759

Palavras-chave:

Trabalho. Não-trabalho. Emprego. Tempo. Escola

Resumo

O trabalho dos professores é, imerso em condições políticas e sociais que lhe exigem agir,planejar, avaliar a produção do conhecimento sua e dos estudantes e, para tanto, o tempo éfundamental: para conhecer, para se conhecer, para expor saberes, refletir e elaborarlinguagens sobre esses saberes, sistematizá-los, tornando-os conhecimento. O tempo deproduzir conhecimento é a própria produção desse conhecimento, senão, esse trabalho oufica prejudicado, ou se torna um não-trabalho, ou se consome sob a forma de cumprimentode um emprego. É nesse sentido que afirmo que o tempo se trai: por não cumprir o seusentido de ser. Com certeza, há outras explicações, porém, ater-me-ei, a seguir, a essas trêspossibilidades, entendendo que, através dessa discussão, se pode apresentar umaabordagem do trabalho dos professores necessária e propícia para re-encaminhamentos deoutros estudos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Liliana Soares Ferreira, Universidade Federal de Santa Maria / UFSM

Professora do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Maria / UFSM

Referências

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo editorial, 2005.

APPLE, M. W; JUNGCK, S. “No hay que ser maestro para enseñar esta unidad: la ensenanza, la tecnología y el control en el aula”. Revista de Educación, n. 291, p. 149-172, 1990.

BENSAÏD, D. Marx, o intempestivo: grandezas e misérias de uma aventura crítica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

BEZERRA, C. “Mercadorização e precarização do trabalho docente: contradições entre prática pedagógica e trabalho pedagógico”. In: VI Seminário da REDESTRADO, nov.2006. RJ, p. 1-15

BOSI, A. (org.) Cultura brasileira: temas e situações. SP: Ática, 1987.

CHAUÍ, M. Brasil – Mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo, Perseu Abramo, 2000.

CONTRERAS, J. Autonomia de professores. SP: Cortez, 2002.

DEJOURS, C. “Subjetividade, trabalho e ação”. In: Revista Produção, v. 14, n. 3, p. 027-034, Set./Dez. 2004.

ENGELS, F. “Sobre o papel do trabalho na transformação do macaco em homem”. In: ANTUNES, R. (Org.) A dialética do trabalho. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

ENGUITA, M. A face oculta da escola: educação e trabalho no capitalismo. Porto Alegre: ARTMED, 1989.

ESCOLANO, A. “Arquitetura como programa: espaço-escola e currículo”. In: FRAGO, A.V.;

ESCOLANO, A. Currículo, espaço, subjetividade: a arquitetura como programa. Rio de Janeiro: DP&A, 1998.

GOERGEN, P. “Espaço e tempo na escola: constatações e expectativas”. IN: www.cori.unicamp.br/foruns/magis/evento5/Texto%20PEDRO.doc (Acesso em 17 de abril de 2009)

GOUREVITCH, A. Y. “O tempo como problema histórico cultural”. IN: As culturas e o tempo – estudos reunidos pela UNESCO. SP: UNESP, 1975.

HAWKING, S. Breve História do tempo. 3a. Ed. Lisboa: Gradiva,1994.

HARGREAVES, A. Os professores em tempos de mudança: o trabalho e a cultura dos professores na idade pós-moderna. Portugal: Mc Graw-Hill, 1998.

JULIEN, F. Tratado da eficácia. São Paulo: Editora 39, 1998.

LANER, A. S. Psicologia e trabalho na História. Ijuí: Editora UNIJUI, 2005.

LE GOFF, Jacques. Para um novo conceito de Idade Média: tempo, trabalho e cultura no ocidente. Lisboa: Editorial Estampa, 1979.

MARX, K. Salário, preço e lucro. In: CIVITA, V. (Ed.) Os pensadores: Karl Marx. São Paulo: Abril Cultural, 1974, p.63-105.

MARX, K. O capital. crítica da economia política. Vol.1. Livro Primeiro: O processo de produção do capital. Tomo I. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

MÈSZÀROS, I. O desafio e o fardo do tempo histórico. SP: Boitempo, 2007.

NORONHA, O. M. “Quanto tempo o tempo tem!” In: Educação & Sociedade, v.24, n.85, Campinas, dez. 2003

NUNES, B. “Experiências do tempo”. In: NOVAES, A (Org.). Tempo e história. SP: Companhia das Letras, 1992. pp. 131-140.

ORGANISTA, J.H.C. O debate sobre a centralidade do trabalho. São Paulo: Editora Expressão Popular, 2006.

PRIGOGINE, Y. “O papel criativo do tempo”. IN: O nascimento do tempo. Lisboa, Edições 70, 2008.

SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo – globalização e meio técnico-científico informacional. SP: Hucitec, 1994.

SILVA JUNIOR; GONZÁLEZ, J. C. Formação e trabalho: uma abordagem ontológica da sociabilidade. São Paulo, SP: Xamã, 2001.

TAYLOR, F. W. Princípios da Administração Científica. 8. ed. São Paulo: Atlas, 1990.

TASSINARI, a. “Einstein e a modernidade”. In: Novos Estudos – CEBRAP, n. 75, v. 58, São Paulo, julho, 2006. pp. 157-170.

THOMPSON, E. P. “O tempo, a disciplina do trabalho e o capitalismo”. IN: SILVA, T. T. da. (org.). Trabalho, Educação e Prática Social – Por uma teoria da formação humana. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

VIÑAO FRAGO, A. Tiempos escolares, tiempos sociales. Barcelona: Editorial Ariel Practicum, 1998.

WHITROW, G. J. O tempo na História: concepções de tempo da pré-história aos nossos tempos”. RJ: Jorge Zahar, 1993.

ZARIFIAN, P. “O tempo do trabalho: o tempo-devir frente ao tempo espacializado”. USP: Tempo Social; vol. 16, 2002, pp.1-18.

Downloads

Como Citar

FERREIRA, L. S. O trabalho dos professores na escola: quando o tempo se trai. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 10, n. 38e, p. 206–222, 2012. DOI: 10.20396/rho.v10i38e.8639759. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639759. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos