Considerações sobre a produção do conhecimento histórico e posicionamento teórico enquanto crítica da sociedade capitalista

Autores

  • Carlos Bauer Universidade Nove de Julho

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v11i41e.8639907

Palavras-chave:

Teoria da história. História social da educação. Conflitos de classe. Organização política e sindical de professores. Marxismo

Resumo

O artigo argumenta que compreensão dos professores como parte da classe trabalhadora precisa ser configurada teoricamente tendo a perspectiva da história social e alguns dos seus autores como aliados. Parece-nos importante valorizar e impulsionar teoricamente os estudos sobre os professores, procurando entendê-los em sua organização política, sindical, e reconhecendo o chão da escola como inseparável dessas perspectivas de aglutinação social. Isso é importante de ser feito e poderá nos ajudar a superar a visão hegemônica da história da educação presa em demasia aos desígnios do Estado e suas instituições, favorecendo o entendimento de como se dá a assimilação, a resistência e a emancipação das concepções de mundo que são próprias do capital. E é nessa dinâmica de estudos, preocupados em analisar como se produzem os conflitos, que nos permitirão também balizar a história social da educação brasileira nos marcos do marxismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Bauer, Universidade Nove de Julho

Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Nove de Julho – PPGE/Uninove.

Referências

ARAÚJO, Sônia Maria da Silva. “Cultura e educação: uma reflexão com base em Raymond Williams”. Mimeo. Anped: GT, no 3 – Movimentos Sociais e Educação, s/d. Bauer, C. “Educação brasileira – itinerários históricos e filosóficos”. In. Eccos. Revista Científica, São Paulo: Uninove, v. 09, n.1, p.11-14, jan - jun, 2007.

CALDART, Roseli Salete. Educação em movimento: formação de educadoras e educadores no MST. Petrópolis: Vozes, 1997.

CALDART, Roseli Salete. “A pedagogia da luta pela terra: o movimento social como princípio educativo”. Mimeo. 23a Reunião Anual da Anped: GT, no 3 – Movimentos Sociais e Educação, 1999.

CHESNEAUX, J. Hacemos tabla rasa del pasado? México: Siglo XXI, 1977.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

GRAMSCI, Antonio. Concepção dialética da história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

GRAMSCI, Antonio. La alternativa pedagógica. Barcelona: Nova Terra, 1976.

HOBSBAWM, Eric J. Era dos extremos: o breve século XX (1914-1991). São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

JESUS, Antônio Tavares de. Educação e hegemonia no pensamento de Antonio Gramsci. São Paulo: Cortez: Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1989.

MARGLIN, S. “Origem e funções do parcelamento de tarefas (para que servem os patrões?)”. In GORZ, A. Crítica da divisão do trabalho. São Paulo: Martins Fontes, 1980.

PEDROSA, Mário. Mundo, homem, arte em crise. São Paulo: Perspectiva, 1975.

PERROT, Michele. Os excluídos da história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

RUDÉ, George. A multidão na história. Rio de Janeiro: Campus, 1991.

THOMPSON, E. P. A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981.

THOMPSON, E. P. Tradición, revuelta y consciencia de classe. Estdudios sobre la crises de la sociedad preindustrial. Barcelona: Editorial Critica, 1984.

THOMPSON, E. P. A formação da classe operária – v. 1. A árvore da liberdade. – v. 2. A maldição de Adão. – v.3. A força dos trabalhadores. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

TROTSKY, L. A revolução permanente. São Paulo: Kairós, 1985.

VENDRAMINI, Célia Regina. Terra, trabalho e educação: experiências sócio-educativas em assentamentos do MST. Ijuí: Ed. Unijuí, 2000.

WILLIAMS, Raymond. Cultura e sociedade. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1969.

WILLIAMS, Raymond. Marxismo e literatura. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

Downloads

Como Citar

BAUER, C. Considerações sobre a produção do conhecimento histórico e posicionamento teórico enquanto crítica da sociedade capitalista. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 11, n. 41e, p. 240–256, 2012. DOI: 10.20396/rho.v11i41e.8639907. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639907. Acesso em: 4 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos