Imprensa, intelectuais e educação: o Brasil em debate no século XIX

Autores

  • Marcília Rosa Periotto UEM

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v13i53.8640192

Palavras-chave:

Imprensa. Intelectuais. Educação. Século XIX

Resumo

Este artigo é resultado de estudo sobre a imprensa, intelectuais e educação, tendo por fonte os jornais Correio Braziliense (1808-1822), de Hipólito da Costa e O Carapuceiro, de Miguel do Sacramento Lopes Gama (1832-1845). Os impressos são revisitados com o objetivo de comprovar a contribuição desta relação para o debate educacional na medida em que se compreende a educação como uma resposta para as questões de épocas históricas determinadas, no caso, o Brasil oitocentista. Na pesquisa com a imprensa do período, buscam-se marcar o caráter educativo dos debates políticos e os pontos de confluência entre esses jornais, expressivos de momentos distintos na história do Brasil, enfatizando-se a aspiração dos indivíduos que os compunham de orientar, instruir e mesmo cooptar a elite política e econômica para os embates de então. Para tanto, os dois exemplares da imprensa dos oitocentos pesquisados, redigidos por intelectuais, para os padrões do período, demonstram que a educação também se abriga em textos cuja finalidade seria assinalar as ações capazes de empreender as transformações necessárias à modernização do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcília Rosa Periotto, UEM

Professora não-titular da Universidade Estadual de Maringá.

Referências

ALMEIDA, Paulo Roberto de. O intelectual Hipólito José da Costa como pensador econômico. IN: Intérpretes do Brasil: cultura e identidade. Gunter Axt e Fernando Schüller (orgs.). Porto Alegre, RS: Artes e Ofícios, 2004, p. 49-61.

CASTANHA, André Paulo Castanha. Moralidade Pública e Educação no Século XIX. IV Congresso Brasileiro de História da Educação, 2006, Goiânia. Anais do IV Congresso Brasileiro de História da Educação. Goiânia: Editora da UCG, 2006. v. 1. p. 1.

CHALLANDES, Jean Philippe. As bases morais da nação e do patriotismo no pensamento político de Diogo Antônio Feijó e seus aliados (1819-1839). TEXTOS DE HISTÓRIA, vol. 11, ns 1/2, 2003, p. 63.

CINQUE, Fernanda Regina. A ação educativa do jornal Correio Braziliense e a História da Educação. IN: Império em debate: imprensa e educação no Brasil oitocentista. Celina Midori Murasse Mizuta, Luciano Mendes de Faria Filho, Marcília Rosa Periotto (orgs.).Maringá/PR: EDUEM, 2010.

CORREIO BRAZILIENSE OU ARMAZÉM LITERÁRIO. São Paulo: Imprensa Oficial doEstado; Brasília, DF: Correio Braziliense, 2001-2003. Edição fac-similar. Encadernado em 31 volumes.

GELBCKE, Vanessa Raianna. A educação, imprensa e intelectuais: um estudo dos periódicos Gazeta do Povo e Diário da Tarde (1910-1930). X Congresso Nacional de Educação- EDUCERE. I Seminário Internacional de Representações Sociais, Subjetividade e Educação- SIRSSE. PUC-PR, Curitiba, 07 a 10 de novembro, 2011.

LARA, Tiago Adão. Tradicionalismo Católico em Pernambuco. Recife: FUNDAJ; Editora Massangana, 1988.

LUCA, Tania Regina de. A Ilustração (1884-1892): algumas questões teórico-metodológicas. Colóquio: A circulação transatlântica dos impressos. Conexões. Agosto de 2012. ECA/USP.

MEIRELLES, Juliana Gesuelli. A Gazeta do Rio de Janeiro: o jornal oficial da Corte de D. João VI no Brasil (1808-1821). Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação V Congresso Nacional de História da Mídia – São Paulo – 31 maio a 02 de junho de 2007.

MOREL, Marco. Pátrias Polissêmicas: República das Letras e imprensa na crise do Império português na América. IN: Iluminismo e Império no Brasil: O Patriota (1813-1814). KURY, Lorelai (org.). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2007.

NASCIMENTO, Luis. Apresentação. IN: O Carapuceiro. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1983. vol. 1.

NÓVOA, António. A imprensa de Educação e Ensino: concepção e organização do repertório português. IN: CATANI, Denice B.; BASTOS, M. Helena C. (orgs.). Educação em Revista: a imprensa periódica e a História da Educação, São Paulo: Escrituras, 2002, p.

O CARAPUCEIRO. Miguel do Sacramento Lopes Gama, 1791-1852. Recife: Fundação deCultura Cidade do Recife, 1983. 3v.

OLIVEIRA, José Carlos. A Cultura Científica e a Gazeta do Rio de Janeiro (1808-1821). Revista da Sociedade Brasileira de História da Ciência, n. 17, p. 29-58, 1997.

PALLARES-BURKE, Maria Lúcia G. A imprensa como uma empresa educativa no século XIX. Caderno de Pesquisa, n.104, p. 144-163, jul. 1998.

ROCHA, Rita de C. L. Imprensa, Educação e Civilidade. IX Simpósio Internacional Processo Civilizador. Ponta Grossa/PR, novembro, 2005.

VITORINO, Artur J R. Leitores e leituras de romances franceses em nossas plagas imperiais. Cadernos AEL, vol. 9, n. 16/17, 2002, p. 59-92. ael.ifch.unicamp.br. Acesso: 22.01.2014.

Downloads

Como Citar

PERIOTTO, M. R. Imprensa, intelectuais e educação: o Brasil em debate no século XIX. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 53, p. 41–55, 2014. DOI: 10.20396/rho.v13i53.8640192. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640192. Acesso em: 27 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos