Banner Portal
Josildeth Consorte e a antropologia na escola excludente
PDF

Palavras-chave

Pesquisa antropológica. Educação. Ensino primário. Escola pública

Como Citar

FERREIRA, Márcia Santos. Josildeth Consorte e a antropologia na escola excludente. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 53, p. 380–390, 2014. DOI: 10.20396/rho.v13i53.8640210. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640210. Acesso em: 16 abr. 2024.

Resumo

Este artigo focaliza a aproximação empreendida por Josildeth Gomes Consorte entre a antropologia e a educação através da análise do trabalho intitulado “A criança favelada e a escola pública”, publicado em 1959, quando a autora trabalhava como pesquisadora do Centro Brasileiro de Pesquisas Educacionais. Este trabalho de Josildeth Consorte foi selecionado como um trabalho exemplar na trajetória profissional da autora, que remete às potencialidades de uma perspectiva antropológica voltada para a compreensão de questões oriundas do universo educacional. Nele, a sensibilidade do olhar antropológico percebe o “outro” no interior da instituição escolar. A escola pública, até então compreendida como o lugar da democracia, da igualdade, revela-se como o lugar da segregação, da evasão, da seleção dos mais “aptos” ou dos mais adaptados aos padrões estabelecidos por uma sociedade excludente. A partir da elaboração deste trabalho, Josildeth Consorte destacou-se no cenário intelectual brasileiro tanto por integrar o pequeno grupo de mulheres que dele tomou parte, como por sugerir uma interpretação da relação entre escola e comunidade que contrariava alguns dos principais alicerces da visão até então dominante sobre esse tema.

https://doi.org/10.20396/rho.v13i53.8640210
PDF

Referências

[CONSORTE], Josildeth da Silva Gomes. A educação nos estudos de comunidades no Brasil. Educação e Ciências Sociais, 1(2): 63-105, ago./1956.

[CONSORTE], Josildeth da Silva Gomes. A criança favelada e a escola pública. Educação e Ciências Sociais, 5 (11): 45-60, ago./1959.

CONSORTE, Josildeth Gomes. Entrevista. In: PAOLI, Niuvenius Junqueira. As relações entre Ciências Sociais e Educação nos anos 50/60 a partir das histórias e produções intelectuais de quatro personagens: Josildeth Gomes Consorte, Aparecida Joly Gouveia, Juarez Brandão Lopes e Oracy Nogueira. Tese de doutorado, Faculdade de Educação – Universidade de São Paulo. São Paulo, 1995.

CONSORTE, Josildeth Gomes. Culturalismo e educação nos anos 50: o desafio da diversidade. Cadernos CEDES, 18(43): 26-37, dez./1997.

CONSORTE, Josildeth Gomes. Entrevista com Josildeth Gomes Consorte: os 60 anos do Programa de Pesquisas Sociais do Estado da Bahia e Universidade de Columbia. Entrevistadoras: Érika Figueiredo, Isabela Oliveira, Janaína Damasceno. Cadernos de Campo, (18): 201-215, 2009.

CORRÊA, Marisa. A Revolução dos Normalistas. Cadernos de Pesquisa, (66): 13-24, ago. 1988.

CUNHA, Marcus Vinicius da. A escola contra a família. In: LOPES, Eliane Marta Teixeira; FARIA FILHO, Luciano Mendes de. 500 anos de educação no Brasil. 3.a Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

OS ESTUDOS e as pesquisas educacionais no Ministério da Educação e Cultura. Educação e Ciências Sociais, 1(1): 5-60, mar. 1956.

FERNANDES, Florestan. A ciência aplicada e a educação como fatores de mudança cultural provocada. In: Ensaios de sociologia geral e aplicada. 3.a Ed. São Paulo: Pioneira, 1976.

FERREIRA, Márcia Santos. Centros de Pesquisas do INEP: pesquisa e política educacional entre as décadas de 1950 e 1970. 2006. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-21062007-150919/pt-br.php. Acesso em 04/02/2013.

FERREIRA, Márcia Santos. Os Centros de Pesquisas Educacionais do INEP e os estudos em ciências sociais sobre educação no Brasil. Revista Brasileira de Educação, (13): 279-292, 2008.

JACKSON, Luiz Carlos. Divergências teóricas, divergências políticas: as críticas da USP aos “estudos de comunidades”. Cadernos de Campo, (18): 273-180, 2009.

MAIO, Marcos Chor. O Projeto UNESCO: ciências sociais e o “credo racial brasileiro”. Revista USP, (46): 115-128, jun./ago. 2000.

MENDONÇA, Ana Waleska. “Reconstrução” da escola e formação do “magistério nacional”: as políticas do INEP/CBPE durante a gestão de Anísio Teixeira (1952-1964). In: MENDONÇA, Ana Waleska; XAVIER, Libânia Nacif (Orgs.). Por uma política de formação do magistério nacional: o Inep/MEC. Brasília: INEP, 2008. p. 75-125.

MENDONÇA, Ana Waleska; XAVIER, Libânia Nacif. O Inep no contexto das políticas do MEC (1950/1960). In: MENDONÇA, Ana Waleska; XAVIER, Libânia Nacif (Orgs.). Por uma política de formação do magistério nacional: o Inep/MEC. Brasília: INEP, 2008. p. 19-38.

PAOLI, Niuvenius Junqueira. As relações entre Ciências Sociais e Educação nos anos 50/60 a partir das histórias e produções intelectuais de quatro personagens: Josildeth Gomes Consorte, Aparecida Joly Gouveia, Juarez Brandão Lopes e Oracy Nogueira. Tese de doutorado, Faculdade de Educação – Universidade de São Paulo (2 vol.). São Paulo, 1995.

PAOLI, Niuvenius Junqueira. Sobre as relações entre política educacional e pesquisa científica no Brasil: a proposta dos Centros de Pesquisas Educacionais do Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos nos anos 50. Cadernos CEDES, (34): 69-77, 1994.

PEARSE, Andrew. A escola e o seu bairro no Rio (um projeto de estudo em desenvolvimento). Educação e Ciências Sociais, 1 (3): 77-89, dez./1956.

PEARSE, Andrew. Integração social das famílias de favelados. Educação e Ciências Sociais, 2 (6): 245-77, nov./1957.

PEARSE, Andrew. Notas sobre a organização social de uma favela do Rio de Janeiro. Educação e Ciências Sociais, 3 (7): 9-32, abr./1958.

PEARSE, Andrew. A formação de atitudes para com a escola em migrantes do interior. Educação e Ciências Sociais, 3 (8): 09-54, ago./1958.

VILLAS BÔAS, Glaucia. Mudança provocada: passado e futuro no pensamento sociológico brasileiro. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2006.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.