A educação ambiental nas escolas estaduais de ensino médio em Campo Grande, MS

Autores

  • Nilce Romero Lucchese Anhanguera-Uniderp
  • Gilberto Luiz Alves Universidade Anhanguera - Uniderp

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v13i51.8640279

Palavras-chave:

Meio ambiente. Currículo. Tema transversal

Resumo

Este artigo tem como objeto a educação ambiental nas escolas estaduais de ensino médio da cidade de Campo Grande, MS. A relevância do tema está relacionada à desenfreada exploração de bens naturais que resulta em exaustão dos recursos existentes e crise ambiental. Essa tendência tem sido imanente ao desenvolvimento da sociedade capitalista. Como um dos recursos para enfrentar tal crise, vem ganhando importância a educação ambiental. No Brasil ela é preconizada como tema transversal nos currículos de educação básica, daí ser procedente a investigação da forma como vem sendo tratada nas escolas. Com base em Marx e Engels (1999), Engels (1978; 1985), Alves (2004; 2005; 2008), Hobsbawm (2004), Bursztyn e Persegona (2008) e Mészáros (2003; 2011), a análise objetiva evidenciar como foi produzida historicamente a questão ambiental e como se deu a emergência da educação ambiental como recurso para enfrentá-la. O estudo revelou, sobretudo, que ao tratar da educação ambiental, os professores de Biologia e Geografia, áreas mais próximas da EA, utilizam os manuais didáticos especializados como instrumentos privilegiados para a formação dos estudantes, caminho que compromete a visão de transversalidade proposta pelos currículos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nilce Romero Lucchese, Anhanguera-Uniderp

Secretaria de Estado de Educação de MS, técnica pedagógica em língua portuguesa, mestre pela Universidade Anhanguera Uniderp

Gilberto Luiz Alves, Universidade Anhanguera - Uniderp

Professor aposentado da UFMS, atualmente professor do Curso de Mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional na Universidade Anhanguera – Uniderp, MS.

Referências

ADAS, M.; ADAS, S. Panorama geográfico do Brasil: contradições, impasses e desafios socioespaciais. São Paulo, SP: Moderna, 2002.

AMABIS, J. M; MARTHO, G. R. Biologia das populações: genética, evolução biológica e ecologia. Vol.3. São Paulo, SP: Moderna, 2010.

ALMEIDA, L. M. A. de. Geografia: geografia geral e do Brasil. São Paulo: Ática, 2005.

ALVES, G. L. O trabalho didático na escola moderna: formas históricas. Campinas, SP: Autores Associados, 2005.

ALVES, G. L. A produção da escola pública contemporânea. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2004.

ALVES, G. L. Formação de professores: uma necessidade de nosso tempo? Revista Histedbr, Campinas, n.31, p.102-112, ISSN: 1676 – 2584, set. 2008. Disponível em: http://www.histedbr.fae.unicamp.br/revista/edicoes/31/art08_31.pdf. Acesso em: 5 jan. 2012.

BRANCO, S. M. O meio ambiente em debate. 26. ed. São Paulo: Moderna, 1997.

BRASIL. Lei n. 9.795 de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental. Disponível em: www.mma.gov.br/conama/legiabre. Acesso em: 11 dez. 2010.

BRASIL. Constituição Federal (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Contém as emendas constitucionais. Brasília, DF: Senado, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 1 mar. 2011.

BRASIL. Ministério de Educação; Conselho Nacional de Educação; Câmara de Educação Básica. Resolução N° 2. Promulgada em 30 de jan. de 2012. Define diretrizes curriculares para o ensino médio. 2012.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: apresentação dos temas transversais, ética. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Programa nacional do livro didático. Brasília: MEC, FNDE, 2009. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/index.php/programas-livro-didatico. Acesso em: 12 jan. 2011.

BURSZTYN, M.; PERSEGONA, M. A grande transformação ambiental: uma cronologia da dialética do homem-natureza. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

BUSQUETS, M. D. et alii. Temas transversais em educação: bases para uma formação integral. São Paulo: Ática, 1997.

COMENIUS, Iohannis. A. Didática magna (1621-1657). Fundação Calouste Gulbenkian, 2001. Versão para ebooks. Disponível em: www.EbooksBrasil.org>. Acesso em: 10 dez. 2011.

ENGELS, F. Dialéctica da natureza. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1978.

ENGELS, F. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. São Paulo, SP: Global, 1985.

FALEIROS, Fábio. Revolução verde. Revista Vida Simples. EMBRAPA, agosto de 2007. In: Planeta Sustentável. Disponível em: http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/atitude/conteudo_244070.shtml. Acesso em: 3 fev. 2011.

GUIA DE LIVROS DIDÁTICOS: PNLD: Geografia. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Básica, 2011, 120p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br. Acesso em: 12 de mar. 2012.

GUIA DE LIVROS DIDÁTICOS: PNLEM: Biologia. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Básica, 2009. Disponível em: http://www.fnde.gov.br. Acesso em: 12 mar.2012.

GUIMARÃES, M. A dimensão ambiental na educação. 8. ed. Campinas, SP: Papirus, 2007.

HERMAN, A. A ideia de decadência na história ocidental. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 2001.

HOBSBAWM, E. A era do capital: 1848 - 1875. São Paulo, SP: Paz e Terra, 2004.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo Demográfico. Tendências demográficas: Uma Análise da População com Base nos Resultados dos Censos Demográficos de 1940 e 2000. Comunicação Social, 25 maio 2007. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias. Acesso em: 7 jan. 2011.

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA ; UMA- Universidade Livre da Mata Atlântica. Perspectivas do meio ambiente mundial: GEO – vol. 3, 2004.

LEMOS, E. M. A fundação para conservação da natureza de Mato Grosso do Sul - FUCONAMS e as origens do movimento ambientalista no estado: 1979 a 1989. Dissertação de mestrado. Biblioteca digital Anhanguera/Uniderp, Campo Grande, MS, 2004. Disponível em: www.anhanguerauniderp.com.br. Acesso em: 21 out. 2010.

MÉSZÁROS, I. O século XXI: socialismo ou barbárie? São Paulo: Boitempo Editorial, 2003.

MÉSZÁROS, I. Crise estrutural necessita de mudança estrutural. Texto base da Conferência proferida no II Encontro de São Lázaro. Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFBA. 13 de jun. 2011. Disponível em: ffch.ufba.br/IMG/pdf/Conferencia_Meszaros.pdf. Acesso em: 12 jun. 2012.

MILARÉ, E. Legislação ambiental do Brasil. São Paulo: APMP, 1991.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO- PNUD. Desenvolvimento humano sustentável. Brasília, DF: Relatório sintético das atividades do PNUD no Brasil: 1960 - 2002, 1992. Disponível em: http://www.pnud.org.br/pnud/. Acesso em: 5 ago. 2010.

RIBEIRO, D. O processo civilizatório: etapas da evolução sociocultural. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

ROSSO, Sergio; LOPES, Sônia. Bio. Vol. 1, 2 e 3. São Paulo, SP: Saraiva, 2010.

SENE, E.; MOREIRA, J. C. Geografia geral e do Brasil: espaço geográfico e globalização. São Paulo, SP: Scipione, 1998.

TAMDJIAM, J. O; MENDES, I. L. Geografia geral e do Brasil. Vol. único. São Paulo, SP: FTD, 2004.

VIOLA, E. ; LEIS, H. R. Desordem global da biosfera e a nova ordem internacional: o papel organizador do ecologismo. Petrópolis, RJ: Vozes, 1992.

Downloads

Publicado

2013-09-20

Como Citar

LUCCHESE, N. R.; ALVES, G. L. A educação ambiental nas escolas estaduais de ensino médio em Campo Grande, MS. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 51, p. 303–322, 2013. DOI: 10.20396/rho.v13i51.8640279. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640279. Acesso em: 26 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos