Desafios postos à educação do campo

Autores

  • Marlene Ribeiro Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v13i50.8640298

Palavras-chave:

Educação do campo. Educação rural. Trabalho e educação

Resumo

O artigo trata da educação do campo. Caracteriza-a na sua relação com o trabalho e trazalguns avanços desde sua conquista, na última década do século 20. A partir daí, apontadesafios que, neste século 21, terá de enfrentar para manter-se e ampliar-se, atingindo asfamílias dos agricultores em todas as regiões brasileiras,de modo a formar técnicosagrícolas comprometidos com a agroecologia, avançando para além da educação básica atéa formação em nível de graduação e de pós-graduação, em todas as áreas do conhecimento.A reflexão sobre os desafios postos à educação do campo poderá contribuir para uma lutaque envolve a diversidade dos movimentos sociais populares, constituintes da unidadeMovimento Camponês, que a conquistaram. Trata-se da luta maior pela terra, através deuma reforma agrária na perspectiva de um projeto popular de sociedade, que incorpore aeducação do campo como afirmação do camponês, em confronto com a educação rural quenega o seu trabalho e a sua cultura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marlene Ribeiro, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Pesquisadora vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, bolsista de produtividade do CNPq, professora colaboradora do Curso de Mestrado Profissional em Agroecossistemas, oferecido pela Universidade Federal de Santa Catarina e realizado na Escola Nacional Florestan Fernandes.

Referências

AMARAL, Ana Paula. A pedagogia da alternância como práxis educativa na escola família agrícola de Uirapuru-GO: limites e potencialidades. Dissertação de Mestrado. Cáceres/MT: Programa de Mestrado em Educação. FACED/UNEMAT, 2013. 157 p.

ARROYO, Miguel G. A educação básica e o movimento social do campo. ARROYO, Miguel G.; FERNANDES, Bernardo M. Por uma educação básica do campo. 1999, p. 13 – 52. Coleção Por uma Educação Básica do Campo no 2.

ARROYO, Miguel G. Políticas de formação de educadores do campo. Educação e trabalho: reflexões em torno dos movimentos sociais do campo. Cadernos do CEDES. São Paulo: Cortez; Campinas: CEDES, p. 157 - 176, maio/ago., 2007.

AIMFR; CEFFAs. Anais do 8o Congresso Internacional. Família, Alternância e Desenvolvimento. Promoção Pessoal e Coletiva: Chave para o desenvolvimento rural sustentável. Puerto Iguazú (AR); Foz do Iguaçu (BR), 06 de maio de 2005.

ALVES, M. S. C. A precariedade do financiamento e os desafios: o caso de duas Escolas Famílias Agrícolas em uma área de acentuada pobreza no Brasil. Brasília: Universidade Nova de Lisboa: Universidade François Rabelais/UNEFAB, 2003. Dissertação de mestrado. 152 p.

AUED, Bernadete. VENDRAMINI, Célia. Educação do campo: desafios teóricos e práticos. Florianópolis: Insular, 2009.

BONAMIGO, Carlos Antonio. Pedagogias que brotam da terra: um estudo sobre práticas educativas do campo. Porto Alegre: PPGEDU/UFRGS. 2007. Tese de doutorado. 219 p.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília/DF: Centro Gráfico do Senado Federal, 1988.

BRASIL. Decreto N. 7352 de04/11/2010.Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária – Pronera.

BRASIL/MEC. Resolução/CD/FNDE No 06 de 17 de março de 2009. Estabelece as orientações e diretrizes para oPrograma de Apoio à Formação Superior em Licenciatura em Educação do Campo.

BRASIL. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Código Florestal. Lei no 12.651, de 25 de maio de 2012, dispõe sobre a proteção da vegetação nativa.

BRASIL/MEC. Portaria no 86, de 1o de fevereiro de 2013. Institui o Programa Nacional de Educação do Campo - Pronacampo, e define suas diretrizes gerais.

BRASIL/MEC/SECAD. Guia do Formador da Escola Ativa. Brasília/DF: Fundescola/DIPRO/FNDE/MEC. 2. ed. 2007.

BRASIL/MEC/SECAD. Programa Escola Ativa. Orientações pedagógicas para a formação de educadores e educadoras. Brasília/DF: SECAD/MEC, 2009.

BRASIL/MEC. Escola Ativa – Educação no Campo. Diversidade. Lista de Programas. 2010. http://gestao2010.mec.gov.br/o_que_foi_feito/program_150.php Acesso em 02/05/2013.

CAMINI, Isabela. Escola Itinerante. Na fronteira de uma nova escola. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

ESTEVAM, Dimas de Oliveira. Casa Familiar Rural. A formação com base na pedagogia da alternância. Florianópolis: Insular, 2003.

FANCK, Clenir. Entre a enxada e o lápis: a prática educativa da Casa Familiar Rural de Francisco Beltrão/PR. Porto Alegre: PPGEDU/UFRGS, 2007. Dissertação de Mestrado. 153 pp.

FERNANDES, Bernardo Mançano. Educação do campo e território camponês no Brasil.

SANTOS, Clarice Aparecida (Org.). Por uma educação do campo. Campo – Políticas Públicas – Educação. Brasília/DF: INCRA/MDA, 2008, p. 39 – 66. Coleção Por uma Educação do Campo no 7.

SANTOS, Clarice Aparecida (Org.). O campo da educação do campo. MOLINA, Mônica C.; JESUS, Sonia Meire S. Azevedo (Orgs.). Por uma Educação do Campo. Contribuições para a construção de um projeto de Educação do Campo. Brasília/DF: Articulação Nacional Por Uma Educação do Campo, 2004, p. 53-89. Coleção Por Uma Educação do Campo, no 5.

FREIRE, Jacqueline. Currículo e docência em classes multisseriadas na Amazônia Paraense: O projeto escola ativa em foco. In: HAGE, Salomão (org.). Educação do Campo na Amazônia: retratos da realidade das Escolas Multisseriadas no Pará. Belém: Ed. Gutemberg, p. 196-211, 2005.

FREITAS, Ismael. Sem perspectivas, 835 mil jovens deixam o campo em 10 anos. Gazeta do Povo. 16/08/2011. Pesquisa em 30/04/2013 no site: http://www.mst.org.br/Sem-perspectivas-835-mil-jovens-deixam-o-campo-em-10-anos

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO. Manifesto à sociedade brasileira.Brasília/DF. 15 a 17 de agosto de 2012.

GONÇALVES, Mônica Alves. Currículo em ação: Ensino médio integrado ao curso profissionalizante na EFA de Jacaré, em Itinga-MG. Belo Horizonte: CEFET-MG. Mestrado em Educação Tecnológica, 2012. Dissertação de mestrado. 155 p.

GORENDER, Jacob. Gênese e desenvolvimento do capitalismo no campo brasileiro.

STEDILE, João Pedro. A Questão Agrária Hoje. 2. ed. Porto Alegre: Ed. UFRGS, p. 15 - 44, 1994.

GUSMÁN, E. S.; MOLINA, M. G. Sobre a evolução do conceito de campesinato. São Paulo: Via Campesina: Expressão Popular, 2005.

IANNI, Octávio. Agricultura e mundialização. Cadernos de Sociologia. Número Especial. A pesquisa social na agricultura no sul do Brasil. Porto Alegre: PPGS/IFCH/UFRGS, p. 11 – 20, out., 1994.

IANNI, Octávio. O mundo agrário. A era do globalismo. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996, p.41– 64.

IANNI, Octávio. Revoluções camponesas na América Latina. In: SANTOS, José Vicente Tavares dos (org.) Revoluções camponesas na América Latina. São Paulo: ÍCONE e UNICAMP, 1985, p. 15 – 45.

KOLLING, Edgar; NERY, Ir. Israel José; MOLINA, C. Molina. Por uma Educação Básica do Campo – texto base. Brasília: Articulação por uma Educação Básica do Campo, 1999, Coleção Por uma Educação Básica do Campo no 1.

KOLLING, Edgar. Alternância e formação universitária. O MST e o curso de Pedagogia da Terra. SOSSAI, Carlos Cristóvão et alii. Pedagogia da Alternância. Formação em alternância e desenvolvimento sustentável. UNEFAB. Brasília: Cidade Gráfica. nov., 2002, p. 54 – 61.

LEITE, Sérgio Celani. Escola Rural: urbanização e políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1999. Questões da Nossa Época, no 70.

LORENZINI, José Luiz. A formação dos (das) monitores (as) como pré-requisito para a atuação nos CEFFAs. In: Revista da Formação por Alternância. n. 4. Brasília/DF: UNEFAB, jul., 2007, p. 25-38.

LUCIANO, Charles Luiz. Escola Itinerante. Uma análise das práticas educativas do MST no contexto da democracia liberal. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2008.

MARTINS, José S. A valorização da escola e do trabalho no meio rural. WERTHEIN, Jorge; BORDENAVE, Juan. Educação Rural no Terceiro Mundo. Experiências e novas alternativas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, p. 249-270, 1981.

MARX, Karl. O Dezoito Brumário de Luís Bonaparte. In: MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Obras Escolhidas. v. 1. São Paulo: Editora Alfa-Omega Ltda., s/d, p. 199-285.

MEC/CNE/CEB. Resolução no 2 de 28/04/2008. Estabelece diretrizes complementares, normas e princípios para o desenvolvimento de políticas públicas de atendimento da Educação Básica do Campo.

MEURER, Ane Carine; DAVID, Cesar (orgs.). Espaços-tempos de itinerância. Santa Maria. Editora da UFSM, 2006.

MST. Pesquisas sobre a Escola Itinerante: refletindo o movimento da escola.Cadernos da Escola Itinerante. Curitiba: Setor de Educação do MST, 2009.

MUNARIM, Antonio et alii. Política pública de educação do campo: a articulação entre o Estado e a sociedade. AUED, Bernadete W.; VENDRAMINI, Célia. Educação do Campo: desafios teóricos e práticos. Florianópolis: Ed. Insular, p. 67-82, 2009.

NAGLE, Jorge. Educação e Sociedade na Primeira República. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

OLIVEIRA, Rafael. Os camponeses vão à escola da/na cidade: considerações sobre fumicultura e escolarização em Santa Cruz do Sul/RS. PPGEDU/UFRGS, 2013. Dissertação de Mestrado. 134 p.

PILON, Jean-Marc. Le double défi du développement personnel et du développement local dans le cadre d’une formation universitaire. DEMOL, Jean-Noel; PILON, Jean-Marc (coords.). Alternance, développement local et personnel. Montréal: Éditions L’Harmattan, 1998, p. 151 - 164.

PINEAU, Gaston. Formações universitárias em alternância no Canadá e na França.

SOSSAI, Carlos Cristóvão e outros autores.Pedagogia da Alternância. Formação em alternância e desenvolvimento sustentável. UNEFAB.Brasília: Cidade Gráfica. nov. 2002, p. 62 – 73.

PAIVA, Vanilda Pereira. Educação popular e educação de adultos. 2. ed. São Paulo: Loyola, 1983.

RIBEIRO, Marlene. Pedagogia da alternância na educação rural/do campo: projetos em disputa. Educação e Pesquisa. v. 34, n. 01. São Paulo: FAE/USP, jan./abr., 2008, p. 27 – 46.

RIBEIRO, Marlene. Educação do Campo: embate entre Movimento Camponês e Estado. Educação em Revista. Belo Horizonte: FAE/UFMG, vol. 28, no 1, p. 459-490, mar., 2012.

RIBEIRO, Marlene. Movimento Camponês, Trabalho, Educação. Liberdade, autonomia, emancipação como princípios/fins da formação humana, São Paulo, Expressão Popular, 2010.

RIBEIRO, Marlene. Política educacional para populações camponesas: da aparência à essência. 2013. 27 p. Artigo aprovado para ser publicado pela Revista Brasileira de Educação.

ROEHRS, Marcelo Josué. Pedagogia da Alternância: o viver e aprender na Casa Familiar Rural. Programa de Pós-Graduação em Educação. FAE/UFSC, 2006. 86 p.

SANTOS, Clarice (org.) Balanço Político e Linhas de Ação do Pronera Rumo aos 10 Anos. SANTOS, Clarice Aparecida (Org.). Por uma educação do campo. n. 7. Brasília/DF: INCRA/MDA, 2008, p. 97 – 116.

SILVA, Lourdes Helena. As experiências de formação de jovens do campo: alternância ou alternâncias? Viçosa: UFV, 2003.

TEIXEIRA, Edival S.; BERNARTT, Maria de Lourdes; TRINDADE, Glademir A. Estudos sobre Pedagogia da Alternância no Brasil: revisão de literatura e perspectivas para a pesquisa. Educação e Pesquisa. São Paulo: FAE/USP, v. 34, n° 2, p. 227 – 242, maio/ago. 2008.

UNEFAB. Pedagogia da Alternância. Formação em alternância e desenvolvimento sustentável. Brasília/DF: Cidade Gráfica e Editora Ltda, 12 a 14 nov., 2002.

VENDRAMINI, Célia Regina. Educação e trabalho: reflexões em torno dos movimentos sociais do campo. Cadernos do CEDES. São Paulo: Cortez; Campinas: CEDES, p. 121 – 136, maio/ago., 2007.

Downloads

Como Citar

RIBEIRO, M. Desafios postos à educação do campo. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 50, p. 123-139, 2013. DOI: 10.20396/rho.v13i50.8640298. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640298. Acesso em: 28 out. 2020.

Edição

Seção

Artigos