Banner Portal
Educação e cinema: formação política e prática pedagógica junto aos movimentos sociais populares do campo
PDF

Palavras-chave

Cinema e educação. Movimentos sociais populares. Movimento Popular pela Reforma Agrária - MPRA

Como Citar

PREVITALI, Fabiane Santana; FAGIANI, Cílson César; GIL, Aldo Duran; LUCENA, Carlos Alberto. Educação e cinema: formação política e prática pedagógica junto aos movimentos sociais populares do campo. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 50, p. 161–178, 2013. DOI: 10.20396/rho.v13i50.8640300. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640300. Acesso em: 28 maio. 2024.

Resumo

O presente trabalho aborda alguns aspectos da relação entre cinema e educação, tomando-acomo expressão relevante de uma prática pedagógica junto aos movimentos sociaispopulares, particularmente aqueles do campo no sentido de pensar-se uma educação docampo fundada na valorização da trajetória de luta da população camponesa em suadiversidade e em uma sociedade dividida em classes. O objeto específico de análise é aexperiência dessa prática junto ao Movimento Popular pela Reforma Agrária - MPRA,localizado em Uberlândia, estado de Minas Gerais desde os anos 2000 de forma aapresentar ao movimento uma realidade que lhe é próxima, construindo assim, a partir dasimagens e do debate uma análise política acerca da organização social, dos direitos civis ede cidadania no contexto de uma sociedade dividida em classes sociais.
https://doi.org/10.20396/rho.v13i50.8640300
PDF

Referências

ALVES, G. O Novo e Precário Mundo do Trabalho. São Paulo: Boitempo. 2000.

ALVES, G.; BATISTA, R. L (Orgs) Trabalho e Educação: contradições do capitalismo global. Ed. Práxis. 2006.

ALVES, M. P.; TAVARES, M. A. “A Dupla Face da Informalidade do Trabalho: autonomia ou precarização”, IN: ANTURES, R. (Org). Riqueza e Miséria do Trabalho no Brasil. São Paulo: Boitempo. p. 425-446.

ANDRÉ, M. A abordagem qualitativa de pesquisa. In: Etnografia da prática escolar. Campinas, Editora Papirus, 1995, p. 15-25.

ANDRÉ, M. Estudo de caso do tipo etnográfico. In: Estudo de caso em pesquisa e avaliação educacional. Brasília: Líber Livro Editora, 2008a, p. 23-32.

ANDRÉ, M. Vantagens do estudo de caso e qualidades do pesquisador. In: Estudo de caso em pesquisa e avaliação educacional. Brasília: Líber Livro Editora, 2008b, p. 33-46.

ANDRÉ, M. Validade, fidedignidade e generalização nos estudos de caso. In: Estudo de caso em pesquisa e avaliação educacional. Brasília: Líber Livro Editora, 2008c, p. 59-67.

ANDRÊZA, A. G.; CLEPS JR. J. O Desenvolvimento Da Agroindústria Canavieira No Triângulo Mineiro e seus Impactos sobre Mão-De-Obra e a Produção de Alimentos. Anais do XIX Encontro Nacional de Geografia Agrária, São Paulo, 2009. p. 1-16.

BARBIER, R. Pesquisa-ação. Série Pesquisa v. 3. Brasília: Líber Livro Editora, 2007.

BENJAMIN, W. Obras Escolhidas; Magia e Técnica, Arte e Política. São Paulo: Brasiliense. 1996.

BESERRA, B.; DAMASCENO, M. N. Estudos sobre educação rural no Brasil: estado da arte e perspectivas. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 1, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S151797022004000100005&lng=pt&nrm=iso. (acesso em 10/11/ 2010).

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. A ética. IN: Investigação qualitativa em educação. Porto Editora. 1994. p. 75-78.

COMISSÃO PASTORAL DA TERRA. Conflitos no Campo Brasil 2011. Organização: Antônio Canuto, Cássia Regina da Silva Luz, Isolete Wichinieski – Goiânia: CPT Nacional Brasil, 2012.

DAGNINO, E. “Citizenship in Latin America: an introduction”. Latin American Perspectives. March. 30 (2). 2003. p. 211- 225.

DUARTE, R. A. Cinema e Educação. Belo Horizonte: Autêntica. 2002.

FERNANDES, F. Anotações sobre o capitalismo agrário e a mudança social no Brasil. IN: SZMRECSÁNYI, T.; QUEDA, O. (Orgs.). Vida rural e mudança social. São Paulo: Cia. Ed. Nacional, 1979. p. 105 – 120.

FREIRE, P. Educação como Prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 2011.

GALVÃO A. “O Movimento Sindical frente ao Governo Lula: dilemas, desafios e paradoxos”, IN: Outubro. N. 14. 2006. p. 131-150.

GANDOLFI, M.R.C. Uma análise sobre o emprego formal no município de Uberlândia, Minas Gerais. Programa de Mestrado em Desenvolvimento Econômico: Instituto de Economia, Universidade Federal de Uberlândia. Dissertação de Mestrado. 2001.

GATTI, B. A. A análise dos dados obtidos com o grupo focal. In: Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Liber Livro Editora, 2005, p. 43-56.

GATTI, B. A. Introdução. IN: A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília: Liber Livro Editora, 2007, p. 09-14.

GRAZIANO DA SILVA, J. O Novo Rural Brasilieiro. Campinas, SP: Unicamp. 1999.

HOLSTON, J.; CALDEIRA, T. “Democracy, law, and violence: disjunctions of Brazilian citizenship”. IN: AGÜERO, F.; STARK, J. (Org.). Fault Lines of Democracy in Post-transition Latin America. Florida: North-South Center Press. 1998. p. 263-96.

AGEYAMA, A. et alii. O Novo Padrão Agrícola Brasileiro: do Complexo Rural aos Complexos Agroindustriais. Campinas; UNICAMP, 1987. 121 p. (mimeo).

KEMMIS, S.; WILKINSON, M. A pesquisa ação participativa e o estudo da prática. IN: PEREIRA, J. E. D.; ZEICHENER, K. M.(Orgs) A pesquisa na formação e no trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2002, p. 43-66.

MARX,K; ENGELS, F. O Manifesto Comunista. São Paulo: Ática. 1989.

MIRANDA, S. A. de. Educação Quilombola em Minas Gerais: entre ausências e emergências. Revista Brasileira de Educação – RBE, v. 17, n. 50, p. 369-383.

MORAN, J. M. et alli. Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica. Campinas: Papirus. 2000.

ORTEGA, A.C. Territórios Deprimidos: Desafios para as políticas de desenvolvimento rural. Campinas, SP: Editora Alínea/ Uberlândia: Edufu. 2008.

PORTELLI, A. Conferências: Tentando aprender um pouquinho – Algumas reflexões sobre a ética na História Oral. In: Revista do Programa de Estudos Pós-graduandos em História e do Departamento de História. PUC-SP, n. 15. Abril. 1997. p. 13-49.

RIBEIRO, M.. Políticas Públicas em trabalho, educação e tecnologia: uma história em movimento. Trabalho, Educação e Saúde. V. 4 N. 2. 2006. p. 259-290

RODRIGUES, N. Adeus Meninos: um discurso contra o esquecimento, IN: TEIXEIRA, I. A. C; LOPES, J. S. (Orgs). A Escola vai ao Cinema. Belo Horizonte: Autêntica. 2003. p. 27- 48.

SALES, T. “Raízes da desigualdade social na cultura política brasileira”. IN: Revista Brasileira de Ciências Sociais - RBCS. 25. 1994. p. 26-37.

SAVIANI, D. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos Revista Brasileira de Educação – RBE, v. 12 n. 34. jan./abr. 2007. p. 152 – 180.

SOARES, L. T. “Desigualdade Social e Pobreza no Brasil no Contexto Latino-Americano: transição ou retrocesso”. Trabalho apresentado no Seminário A Questão Social em 500 anos. Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Nov/dez. 2000. (mimeo).

STÉDILE, J. P. (Org.) A questão agrária no Brasil. São Paulo: Atual. 1997.

THIOLLENT, M. Crítica Metodológica, Investigação Social e Enquete Operária. Coleção Teoria e História. Ed. Polis. São Paulo.1982.

VENDRAMINI, C. R. Educação E Trabalho: Reflexões Em Torno Dos Movimentos Sociais Do Campo. Cadernos Cedes, Campinas, vol. 27, n. 72, p. 121-135, maio/ago. 2007. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br (acesso em 10/04/2013).

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.