Produção do conhecimento sobre a formação dos professores do campo no Brasil: teses e antíteses

  • Joelma de Oliveira Albuquerque UFAL
Palavras-chave: Produção do conhecimento. Formação de professores do campo. Modo de produção

Resumo

Os elementos apresentados no texto são parte da análise de 433 estudos em nível de teses e dissertações a partir das expressões exatas Educação do campo, Educação rural, Escola rural e Educação no campo, cujos resultados fornecem a base deste texto, resultante de uma tese de doutorado. O objetivo é explicitar a crítica realizada às concepções sobre a formação de professores, apontando possibilidades frente à relação que se estabelece com a categoria modo de produção. As análises revelaram a tendência dominante da concepção idealista expressa na perspectiva do professor reflexivo, na qual se defende uma formação com base em conteúdos e saberes do e para o meio rural, pautados no cotidiano e da identidade cultural dos sujeitos das áreas rurais, ou seja, predomina nas teses e dissertações a perspectiva do professor reflexivo. Por outro lado as antíteses revelaram que a consideração dos elementos concretos do modo de produção e sua expressão no campo indicam a possibilidade de avanço na compreensão acerca do que vem se denominando de antagonismo entre campo e cidade, que veicula a ideia de que trabalhadores do campo e da cidade são diferentes, e portanto, devem ter formações específicas, baseadas nas suas culturas, nos seus cotidianos. Em nossa análise, este é o ponto nevrálgico que explica a formação que é proporcionada para os trabalhadores do campo e da cidade. A formação dos professores tem no modo de produção sua base concreta, cuja consideração é o primeiro ato para trazer a formação ao mundo real dos trabalhadores do campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joelma de Oliveira Albuquerque, UFAL
LEPEL UFAL – Campus Arapiraca

Referências

BRASIL, Ministério da Educação, PDE. O que foi Feito. Disponível em: http://gestao2010.mec.gov.br/o_que_foi_feito/program_151.php. Acessado em 27 de Julho de 2011.

CALDART, R. S. Educação do campo: notas para uma análise de percurso. In: MOLINA, M. C. (Org.). Educação do Campo e Pesquisa II: questões para reflexão. Brasília: MDA/MEC, 2010. Pp. 103-126.

DUARTE, N. Conhecimento tácito e conhecimento escolar na formação do professor (Porque Donald Schön não entendeu Luria). In: Educação e Sociedade, Campinas, vol.24, n.83, pp.601-625, agosto de 2003.

ENGUITA, M. F. Trabajo, escuela e ideologia. Madrid: Ediciones Akal S.A., 1985.

MARX, K. Prefácio da Contribuição à crítica da economia política. In: MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

ROSSET, P. O bom, o mau e o feio: a política fundiária do Banco Mundial. In: MARTINS, M. D. O Banco Mundial e a Terra: ofensiva e resistência na América Latina. São Paulo: Viramundo, 2004.

SÁNCHEZ GAMBOA, S. A. Pesquisa em educação: métodos e epistemologias. Chapecó: Argos, 2007.

SANTOS, C. E. F. dos. Relativismo e Escolanovismo na formação do educador: uma análise Histórico-Crítica da Licenciatura em Educação do Campo. Universidade Federal da Bahia. Tese. 2011.

Como Citar
Albuquerque, J. de O. (1). Produção do conhecimento sobre a formação dos professores do campo no Brasil: teses e antíteses. Revista HISTEDBR On-Line, 14(59), 218-227. https://doi.org/10.20396/rho.v14i59.8640358
Seção
Artigos