A Companhia de Jesus e os usos da memória: fé, ensino e dominação no Brasil colonial

Autores

  • Ana Palmira Bittencourt Santos casimiro Casimiro Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB
  • Camila Nunes Duarte Silveira Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB
  • Maria Cleidiana Oliveira de Almeida Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB
  • Luciana Canário Mendes Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v14i55.8640465

Palavras-chave:

Companhia de Jesus. Povos Indígenas. Memória Coletiva. Memória Cristã. Arte da Memória

Resumo

A fim de melhor estabelecer uma relação entre a memória coletiva das comunidades ameríndias, essencialmente oralizadas, e a memória dos europeus que, além de possuírem o domínio da escrita, exerciam a dominação dos nativos, tomamos como foco de análise neste artigo distintos elementos da memória. A base teórica que contribuiu com a compreensão desses elementos adveio das considerações feitas por Jacques Le Goff (2012), que trata da memória étnica/coletiva, memória escrita, memória apagada e as relações de poder nelas imbricadas; e dos estudos de Frances Yates (2007) que apresentam um importante estudo da arte da memória.Enfocamos, mais especificamente: sua abordagem no contexto medieval e renascentista quando esta é fortemente incluída no pensamento cristão europeu. Na análise, fizemos uso das cartas elaboradas pelos jesuítas, documentos de importante valor que, embora apresentem uma visão europeia, transmitem informações sobre a memória histórica dos ameríndios sobre aspectos sui generis dos dominantes e dos dominados. Além destes importantes escritos, não desfavorecemos outras imagens as quais contribuíram para um melhor esclarecimento sobre a temática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Palmira Bittencourt Santos casimiro Casimiro, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB

Professora do Departamento de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB. Doutora em Educação pela UFBA e Pós-Doutora em Educação pela UNICAMP. É pesquisadora vinculada ao Grupo de Estudos e Pesquisas História, Educação e Sociedade no Brasil – HISTEDBR e ao Museu Pedagógico, no qual coordena o Grupo de PesquisaFundamentos em Memória, Religião, Imagem e Educação. É autora de publicações na área de História da Arte e História da Educação, com ênfase em barroco e Brasil Colonial.

Camila Nunes Duarte Silveira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB

Pedagoga e Historiadora pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB; Doutoranda em Memória: Linguagem e Sociedade pela UESB. Bolsista pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia – FAPESB. Membro do Grupo de Pesquisa Fundamentos em Memória, Religião, Imagem e Educação -Museu Pedagógico- UESB, coordenado pela Profa. Dra. Ana Palmira Bittencourt Santos Casimiro.

Maria Cleidiana Oliveira de Almeida, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB

Historiadora pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB; Mestranda em Memória, Linguagem e Sociedade, pela UESB; Professora do Instituto de Ciências e Tecnologia da Bahia – IFBA.  Membro do Grupo de Pesquisa Fundamentos em Memória, Religião, Imagem e Educação - Museu Pedagógico-UESB.

Luciana Canário Mendes, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB

Pedagoga pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB; Doutoranda em Memória: Linguagem e Sociedade pela UESB. Bolsista pela Capes. Membro do Grupo de Pesquisa Fundamentos em Memória, Religião, Imagem e Educação -Museu Pedagógico-UESB.

Referências

BORDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2009.

CARTAS JESUÍTICAS I. Cartas do Brasil, 1549-1570/Manoel da Nóbrega. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1988.

CARTAS JESUÍTICAS II. Cartas Avulsas, 1550-1568/Azpilcueta Navarro e outros. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1988.

CARTAS JESUÍTICAS III. Informações, fragmentos históricos e sermões / José de Anchieta. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Editora da universidade de São Paulo, 1988.

DAHER, Andréa. Escrita e Conversão. A gramática tupi e os catecismos bilíngües no Brasil do século XVI. Revista Brasileira de Educação, mai/jun/jul/ago, 1998, no18. Disponível em:http://www.anped.org.br/rbe/rbedigital/rbde08/rbde08_05_andrea_daher.pdf .p.34. Acesso em: 15 de Jul. de 2013.

FLECK, Eliane Cristina Deckmann. Em memória de São Tomé: pegadas e promessas a serviço da conversão do gentio (séculos XVI e XVII). Estudos Ibero-Americanos,

PUCRS, v. 36, n. 1, p. 67-86, jan./jun. 2010.

GÂNDAVO, Pero de Magalhães, Tratado da Terra do Brasil: História da Província de Santa Cruz. Ed. Itatiaia; São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1980.

LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil, 2004, Tomo I.

LEITE, Serafim. Cartas do Brasil e mais escritos do padre Manoel da Nóbrega (opera omnia). Introd. e notas de Serafim Leite. Coimbra. Universidade de Coimbra. 1955.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. 6a Ed. Campinas, SP: Unicamp, 2012.

MATTOS, Luiz Alves de. Primórdios da Educação no Brasil. O período Heróico. (1549-1570). Rio de Janeiro: Aurora, 1958.

MONTEIRO, John Manuel. As Populações Indígenas do Litoral Brasileiro no Século XVI: Transformação e Resistência. In: Brasil nas vésperas do Mundo Moderno. Portugal: Comissão Organizadora para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses. 1992.

MONTESPERELLI, Paolo. Sociologia de La Memoria. 1ed.Buenos Aires: Nueva Vision, 2004.

PAIVA, José Maria de. Colonização e Catequese. São Paulo: Cortez, 1982.

PUNTONI, Pedro. Tupi e Tapuias: contribuição a etno-história dos povos indígenas no Brasil. XVIII Encontro Nacional da ANPOCS. Caxambu, MG. Out/1993. Disponível em: http://www.anpocs.org/portal/index.php? Acesso em: 19 de Jul. de 2013.

SILVA, Ana Paula da. e FREIRE, José R. Bessa. Memória Oral e patrimônio indígena no Brasil nas crônicas do século XVI. Trabalho apresentado no XXV Simpósio Nacional de História. 13-17 de Julho de 2009. Disponível em: http://anpuh.org/anais/?p=15042. Acesso em: 20 de Mai. de 2013.

SMOLKA, Ana Luiza Bustamante. A memória em questão: uma perspectiva histórico-cultural. Educação & Sociedade, ano XXI, no 71, Julho/00. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v21n71/a08v2171.pdf. Acesso em: 05 de Fev. de 2013.

VAINFAS, Ronaldo. A Heresia dos Índios: catolicismo e rebeldia no Brasil Colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

VAINFAS, Ronaldo. Ideologia e Escravidão: os letrados e a sociedade escravista no Brasil Colonial. 8 ed. Petrópolis: Vozes, 1986.

VILLAS BÔAS, Luciana. Arte da memória e escrita dos primeiros jesuítas no Brasil. Estudios Portugueses y Brasileños, v. 11, 2011.

YATES, Frances Amelia. A arte da Memória. Campinas: Editora da UNICAMP, 2007.

Downloads

Como Citar

CASIMIRO, A. P. B. S. casimiro; SILVEIRA, C. N. D.; ALMEIDA, M. C. O. de; MENDES, L. C. A Companhia de Jesus e os usos da memória: fé, ensino e dominação no Brasil colonial. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 14, n. 55, p. 117–135, 2014. DOI: 10.20396/rho.v14i55.8640465. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640465. Acesso em: 17 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)