A educação no espaço rural e a licenciatura em educação do campo

Autores

  • Cláudio Félix dos Santos UESB

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v14i55.8640475

Palavras-chave:

Licenciatura em educação do campo. Contradição. Pedagogias do “aprender a aprender”

Resumo

Contribuir com as discussões sobre a formação de professores para o meio rural brasileiro analisando os fundamentos pedagógicos da proposta do curso de Licenciatura em Educação do Campo é o objetivo central desse texto. Meu ponto de partida é o debate sobre a justificativa, fundamentalmente embasada nas Pedagogias do “aprender a aprender”, acerca da necessidade de cursos de Licenciatura em Educação do Campo. No presente artigo levanto questões sobre as implicações dessa proposta em relação aos objetivos de transformações efetivas das teorias e práticas educativas nas escolas do campo e os fundamentos pedagógicos majoritários presentes nas experiências postas em prática em quatro universidades federais brasileiras, a saber: UFBA, UFMG, UFS e UNB.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudio Félix dos Santos, UESB

Doutor em educação pela Universidade Federal da Bahia. Professor da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Professor do Programa de pós-graduação em Memória; linguagem e sociedade (UESB). Pesquisador do Museu Pedagógico: grupo de pesquisa estudos histórico-críticos em educação (UESB) e do Grupo de estudos marxistas em educação (UNESP)

Referências

CALDART, R. S. (Org.). Caminhos para a transformação da escola: reflexões desde práticas da Licenciatura em Educação do Campo. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

CALDART, R. S. Licenciatura em Educação do Campo e projeto formativo: qual o lugar da docência por área? In CALDART, R. S. (Org.). Caminhos para a transformação da escola: reflexões desde práticas da Licenciatura em Educação do Campo. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (CNE). CONSELHO PLENO. Parecer 009/2001 de 08 de maio de 2001. Dispõe sobre as Diretrizes Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, 2001.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (CNE). CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA (CEB) Resolução no 1/2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, 2002. Disponível em HTTP://mec.gov.br

DUARTE, N. A individualidade para–si. Contribuição a uma teoria histórico-social da formação do indivíduo. Campinas: Autores Associados, 1999.

DUARTE, N. Vygotsky e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vygotskiana. Campinas, SP: Autores Associados, 2001. (Coleção educação contemporânea).

FOLLARI, R. Interdisciplina e Dialética: sobre um mal-entendido. In: JANTSCH, A. P.; BIANCHETTI, L. (Org.) Interdisciplinaridade: para além da filosofia do sujeito. Petrópolis: Vozes, 1994. (127 – 141)

KOPNIN, P. V. Fundamentos lógicos da Ciência. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1972.

MARKUS, G. Teoria do conhecimento no jovem Marx. São Paulo: Paz e Terra, 1974.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Consulta ao CNE acerca de implantação de curso de licenciatura em Educação do Campo, no sistema universitário brasileiro, com vistas à formação de docentes que atuem na educação básica, em escolas do campo. Brasília, 2009.

MOLINA, M. Sá, L. M. Licenciatura em educação do campo. In: CALDART, R. S; PEREIRA, I. B; ALENTAJANO, P.; FRIGOTO, G. Dicionário da educação do campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012.

RODRIGUES, Romir. Reflexões sobre a organização curricular por área do conhecimento. In CALDART, R. S. (Org.). Caminhos para a transformação da escola: reflexões desde práticas da Licenciatura em Educação do Campo. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

SANTOMÉ, J. T. Globalização e Interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre, RS: Artmed, 1998.

SANTOS, C. F. Relativismo e escolanovismo na formação do educador: uma análise histórico-crítica da licenciatura em educação do campo. Tese (doutorado em educação) Universidade Federal da Bahia. Faculdade de Educação. Programa de pós-graduação em educação. Salvador, 2011. Disponível em www.cepehu.blogspot.com

SANTOS, C. F. O aprender a aprender na formação de professores do campo. Campinas: autores associados, 2013.

SAVIANI, D. Escola e Democracia. Campinas: Autores Associados, 2006.

TAFFAREL, C.; SANTOS Jr, C. L. Diretrizes curriculares para educação do campo: uma contribuição ao debate. Texto não publicado, 2010.

UFBA – Universidade Federal da Bahia. Projeto Político-Pedagógico do curso de Licenciatura em Educação do Campo. Salvador, 2007.

UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais. Licenciatura em Educação do Campo – projeto político-pedagógico. Belo Horizonte, 2008.

UFS – Universidade Federal de Sergipe. Projeto pedagógico do curso licenciatura em educação do campo. Aracaju, 2007.

UNB – Universidade de Brasília. Licenciatura em Educação do Campo - 3a turma Projeto Político-Pedagógico. Planaltina, 2009

VÁSQUEZ, A. S. Filosofia da Práxis. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciências Sociais – CLACSO; São Paulo: Expressão Popular, 2007.

VIANA, M. L. D. A relação teoria e prática na formação do licenciado em pedagogia: um estudo crítico da formação do professor reflexivo-pesquisador na proposta do curso de pedagogia da UNEB. Dissertação (Mestrado em Educação). Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa, Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão -SE, 2011.

Downloads

Como Citar

SANTOS, C. F. dos. A educação no espaço rural e a licenciatura em educação do campo. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 14, n. 55, p. 285–296, 2014. DOI: 10.20396/rho.v14i55.8640475. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640475. Acesso em: 17 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos