Ensinando a ser padre na diocese do Pará nos oitocentos

Autores

  • Allan Azevedo Andrade Universidade Federal do Pará
  • Fernando Arthur de Freitas Neves Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v15i62.8640494

Palavras-chave:

Ultramontanismo. Seminário. Igreja. D. José

Resumo

Alinhado aos direcionamentos emanados de Roma, o bispo do Pará, D. José, se empenhou na reforma referente à formação clerical de sacerdotes na Amazônia. No entanto, não eram poucas as dificuldades de implantar o catolicismo diocesano na formação de padres já que, além da precariedade que vivia a diocese – por ter sido palco das turbulências resultantes do movimento cabano –, existiam também amarras por parte do Estado que limitavam a atuação do bispo ao tentar suprimir a modernidade emergente do século XIX. Mesmo assim, durante seu pastorado, D. José conseguiu contornar as adversidades imicuindo-se com o poder civil sobre a identidade católica tradicional, buscando a implantação e melhoramento dos estabelecimentos de ensino na diocese, a fim de solucionar o problema de clérigos incapacitados para a promoção do Ultramontanismo na Amazônia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Allan Azevedo Andrade, Universidade Federal do Pará

Mestrando em História, Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas.

Fernando Arthur de Freitas Neves, Universidade Federal do Pará

Doutor em História Social pela PUC-SP. Prof. Dr. Faculdade de História da Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas.

Referências

ANDRADE, Allan.; NEVES, F. A. F. . A romanização no Pará: D. Afonso Torres e as atribulações de governar espiritual e materialmente a diocese. Revista Eletrônica Documento/Monumento, v. 10, p. 12-23, 2013.

AZZI, Riolando. A Instituição Eclesiástica durante a Primeira Época Colonial. In: Hoornaert, Eduardo. História da Igreja no Brasil. TOMO II,1. Petrópolis: Vozes, 1983.

AZZI, Riolando. D. José Afonso de Moraes Torres, ex- lazarista no bispado do Pará. In: Revista Convergência. n. 151. Rio de Janeiro, 1982.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das letras, 1986, pp. 85-125.

CAMPOS, Fernando Arruda. Tomismo no Brasil. São Paulo: Paulus, 1998.

CARVALHO, José Murilo de Carvalho. A construção da ordem: a elite política imperial; Teatro de sombras: a política imperial. 2a ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, Relume-Dumará, 1996.

COSTA, Emília Viotti Da. Liberalismo: Teoria e prática. In: Da Monarquia à República: momentos decisivos. São Paulo: Editora UNESP, 1998.

FARIA, F.R.C. de. Compendio da Lingua Brazilica. Pará, Typ. de Santos & Filho, 1858.

FRAGOSO, Hugo. A igreja na formação do estado liberal (1840-1875). In: História da Igreja no Brasil: Ensaio de interpretação a partir de um povo – segunda época. Tomo II/2.

HOORNAERT, Eduardo (org.). Petrópolis, RJ: Ed. Vozes, 1992.

GOMES, E. S. A Dança Dos Poderes: Uma História Da Separação Estado-Igreja No Brasil. 1. ed. São Paulo: D'escrever, 2009. v. 1. 236p.

HOORNAERT, Eduardo. A Cristandade durante a Primeira Época Colonial. In: Hoornaert, Eduardo et al. História da Igreja no Brasil. Tomo II, v. 4. Petrópolis, Vozes, 1992.

JÚNIOR, Donato Mello. Dom José Afonso de Morais Torres. Nono Bispo do Pará (1844-1859). Revista do instituto histórico e geográfico do Brasil. v. 328, p. 5-22, 1980.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Tradução de Irene Ferreira, Bernardo Leitão e Suzana Ferreira Borges. 5 ed. Campinas: Unicamp, 2003.

LYNCH, John. A Igreja católica na América Latina, 1830 - 1930. In: História da América Latina. Vol. IV. BETHELL, Leslie (org.). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001.

MANOEL, Ivan Aparecido. O pêndulo da História. Tempo e eternidade no pensamento Católico (1800-1960). Maringá: Eduem, 2004.

MARIZ, Cecília. Instituições tradicionais e movimentos emergentes. In: Frank Usarski; João Décio Passos. (Org.). Compêndio de Ciência da Religião. 1ed. São Paulo: Paulinas/Paulus, 2013, v. , p. 301-312.

MARTINS, Patrícia Carla de Melo. Conservadorismo, educação e tomismo no império brasileiro. Revista Brasileira de História das Religiões, v. 3, p. 239-257, 2009.

MARTINS, Patrícia Carla de Melo. Seminário Episcopal de São Paulo e o paradigma conservador do século XIX. 2006. 309 f. Tese (Doutorado em Ciência da Religião). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. 2006.

NEVES, F. A. F. Solidariedade e conflito: Estado liberal e nação católica no Pará sob o pastorado de Dom Macedo Costa (1862-1889). Doutorado em História, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil, 2009.

SANTOS, João. A romanização da igreja católica na Amazônia (1840-1880). In: História da Igreja na Amazônia. HOORNAERT, Eduardo (org.). Petrópolis, RJ: Ed. Vozes, 1992.

SERBIN, Kenneth P. Motta, Laura Teixeira. Padres, celibato e conflito social: uma história da Igreja Católica no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

SOUZA, Françoise Jean de Oliveira. Do Altar a Tribuna. Os padres na formação do Estado Nacional brasileiro (1823-1841). (Tese de Doutorado). Rio de Janeiro: UERJ, 2010.

TORRES, Afonso de Moraes. Collecção de Algumas circulares e portarias mais importantes de S. Ex.a Reverendissima o Senhr. Bispo do Pará. Typ. de Santos & Filho. 1856.

Downloads

Como Citar

ANDRADE, A. A.; NEVES, F. A. de F. Ensinando a ser padre na diocese do Pará nos oitocentos. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 62, p. 69–82, 2015. DOI: 10.20396/rho.v15i62.8640494. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640494. Acesso em: 9 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos