Uma instituição de ensino popular no Maranhão império: a Sociedade Onze de Agosto

Autores

  • Samuel Luis Velázquez Castellanos UFMA
  • Cesar Augusto Castro UFMA

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v15i62.8640495

Palavras-chave:

Sociedade Onze de Agosto. Maranhão Império. Escola Normal. Educação de Adultos

Resumo

Propõe-se a análise da contribuição da “Sociedade Onze de Agosto”, procurando entendê-la como centro de referência cultural no solo maranhense do século XIX. Esta instituição tinha a finalidade de oferecer a instrução das primeiras letras à população adulta, com privilégio aos conteúdos das artes mecânicas e industriais. Descreve-se o movimento social, político e educacional do oitocentos, de modo a situar as condições que propiciaram a criação do estabelecimento em 1870. Considera-se o ensino noturno oferecido aos trabalhadores em diferentes localidades da Província, como Caxias, Alcântara e São Bento, por exemplo. Enfatiza-se a Escola Normal criada pela “Sociedade Onze de Agosto”, que objetiva formar professores e professoras para o ensino primário, para o ensino das artes voltadas às atividades manuais (carpinteiro, sapateiro, alfaiate, etc.) e para a indústria, o comércio e a lavoura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Samuel Luis Velázquez Castellanos, UFMA

Professor Associado II do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Ensino da Educação Básica (PPGEEB) e do Departamento de Educação I da Universidade Federal do Maranhão.

Cesar Augusto Castro, UFMA

Professor Titular da Universidade Federal do Maranhão integrando os Programas de Pós-graduação em Educação e o Curso de Biblioteconomia. 

Referências

ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DO MARANHÃO. Sociedade Onze de Agosto. Cx1 (setor de manuscritos).

CALDEIRA, Jorge. Leitura dos viajantes no Maranhão no século XIX. EDUFMA, 1998.

CASTELLANOS, Samuel Luis V. Práticas leitoras no Maranhão na Primeira República: entre apropriações e representações. São Luis: EDUFMA, 2010.

CASTRO, Cesar Augusto; SILVA, Diana Rocha. Em busca do tempo perdido: a direção de Antonio Lobo e a consolidação da Biblioteca Pública no cenário ludovicense-1898-1910. 18 p. mimeo.

CASTRO, Cesar Augusto. Leis e regulamentos da instrução pública no Maranhão Império: (1835-1889). São Luis: EDUFMA, 2009.

FERREIRA, Justo Jansen. A Escola 11 de agosto. São Luis: IHGE/MA, 1933.

MARANHÃO. Relatório que sua excelência o senhor vice-presidente da província, Jose da Silva Maia, apresentou no dia 18 de maio de 1870 perante a Assembléia Legislativa Provincial, por ocasião da instalação de sua sessão ordinária. São Luis, Tip. De J.M.A. Serrão, 1870.

MARANHÃO. Relatório lido pelo excelentíssimo senhor presidente, dr. A. O. Gomes de Castro, por ocasião da instalação da Assembléia Legislativa desta província no dia 3 de maio de 1871. São Luis, Tipografia B. de Matos,1871.

MARQUES, Cesar Augusto. Dicionário Histórico-Geográfico da Província do Maranhão. 3.ed. ver. e ampl. São Luis: Edições AML, 2008.

OLIVEIRA, A. de Almeida. O ensino público. Brasília: Senado Federal, 2003.

PUBLICADOR MARANHENSE, São Luis, 1870.

REVISTA ELEGANTE, São Luis, 1898.

SOARES, Waléria de Barros. Juros em livros didáticos no Maranhão no século XIX. Dissertação ( Programa de Pós-graduação em Matemática) – Universidade Estadual de Campinas, 2009.

Downloads

Como Citar

CASTELLANOS, S. L. V.; CASTRO, C. A. Uma instituição de ensino popular no Maranhão império: a Sociedade Onze de Agosto. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 62, p. 83–97, 2015. DOI: 10.20396/rho.v15i62.8640495. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640495. Acesso em: 21 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos