O cotidiano mais do que perfeito: instrução e sociabilidades femininas sob vigília no recolhimento das educandas (Belém - Grão-Pará, 1840)

Autores

  • José Maia Bezerra Neto UFPA

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v15i62.8640496

Palavras-chave:

Cotidiano. Instrução. Controle Social. Educandas. Recolhimento

Resumo

Em 1804, em Belém, o bispo D. Manoel de Almeida Carvalho fundou o Recolhimento das Educandas, visando o amparo de meninas gentias. Posteriormente, ampliou-se o leque de acolhidas, abrangendo desvalidas ou órfãs, tornando-se a obra diocesana importante casa de ensino feminino, subvencionada e submetida à autoridade do governo provincial. Neste contexto, mesmo os setores mais afortunados não ignoravam as vantagens advindas com a matrícula de suas próprias filhas neste educandário. Daí que, no século XIX, o Recolhimento das Educandas conheceu várias reformas. Entre elas seu primeiro regulamento interno, de 1840, época em que houve a derrota da Cabanagem sob controle policial e militarizado por parte dos poderes constituídos. Tal regulamento, aqui analisado, retrata as medidas de controle social do cotidiano das alunas, constituindo prática delineadora da condição feminina em seu processo de formação pedagógica formal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Maia Bezerra Neto, UFPA

Professor da Faculdade de História e do Programa de Pós-Graduação em História Social da Amazônia da UFPA; Pesquisador do CNPq.

Referências

ALGRANTI, Leila Mezan. Educação de meninas na América portuguesa: das instituições de reclusão à vida em sociedade (séculos XVIII e início do XIX). Revista de História Regional 19(2): 282-297, 2014.

ALVES, Laura Maria Silva Araújo; ARAÚJO, Sônia Maria da Silva. O destino das crianças abandonadas na Santa Casa de Misericórdia do Pará (1850-1910) – as casas de asilo da infância desvalida. In: VI Congresso Brasileiro de História da educação: Invenção, Tradição e Escrita da História da Educação no Brasil, Anais do Congresso Brasileiro de História da Educação, Vitória: UFES, Maio de 2011. http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe6/ anais_vi_cbhe/conteudo/file/893.doc.

BAENA, Antônio Ladislau Monteiro(1782-1850). Compêndio das eras da Província do Pará. Belém: Universidade Federal do Pará, 1969.

BEZERRA NETO, José Maia. Os Colégios Católicos na Belle-Époque - Belém (1870-1912). In: III Reunião Regional de Antropólogos do Norte e Nordeste, 1996, Belém. Anais da III Reunião Regional de Antropólogos do Norte e Nordeste. Belém: Editora Universitária da UFPa, 1993, v. 2, p. 539-547.

BEZERRA NETO, José Maia. As Luzes da Instrução: Instrução Pública, Institutos e Asilos Católicos no Pará (1870-1889). Belém: UFPA. Monografia de Especialização em Teoria Antropológica, 1993.

BEZERRA NETO, José Maia. O “Asylo lindo e protetor”: práticas e representações sociais sobre a educação feminina - Belém (1870-1888). In: ALVARES, Maria Luzia Miranda; D’INCAO, Maria Ângela (Orgs.). A mulher existe? Uma contribuição ao estudo da mulher e gênero na Amazônia. Belém: Museu Emílio Goeldi, 1995, pp. 03-26.

BEZERRA NETO, José Maia. As Oficinas do trabalho. Representações sociais, institutos e ensino artístico no Pará (1830/1888). Ver a Educação, Belém, UFPA, v. 2, pp. 41-70, 1996.

BEZERRA NETO, José Maia. O Recolhimento das Educandas: uma breve notícia documental (1840). Cadernos Pagu, n.8/9, 1997, pp. 407-411.

BEZERRA NETO, José Maia. As luzes da instrução: O “Asylo” de Santo Antônio em Belém do Pará (1870-1912). In: MARIN, Rosa Elizabeth Acevedo (Org.). A escrita da história paraense. Belém: NAEA/UFPA, 1998, pp. 185-206.

BEZERRA NETO, José Maia. Ousados e insubordinados: protesto e fugas de escravos na Província do Grão-Pará - 1840/1860. Topoi, v. 2, p. 73-112, 2001.

BEZERRA NETO, José Maia. O Doce Treze de Maio. O abolicionismo e as visões da Cabanagem, Grão-Pará, 1850-1888. In: Fernando Arthur de Freitas Neves; Maria Roseane Corrêa Lima (Org.). Faces da História da Amazônia. Belém: Editora Paka-Tatu, 2006, v. 1, p. 341-382.

BEZERRA NETO, José Maia. Arthur nas forjas da história. A contribuição de Arthur Vianna para a historiografia paraense. In: FONTES, Edilza Joana de Oliveira; BEZERRA NETO, José Maia. (Org.). Diálogos entre História, Literatura e Memória. Belém: Editora Paka-Tatu, 2007, pp. 225-292.

BEZERRA NETO, José Maia. O africano indesejado. Combate ao tráfico, segurança pública e reforma civilizadora (Grão-Pará, 1850-1860). Afro-Ásia, 44 (2011), 171-217.

GODOY, Marcelo Franco de. Civilização e Educação: As Leis da Corte e das Províncias. In: IX Simpósio Internacional Processo Civilizador. Tecnologia e Civilização. Ponta Grossa-PR. http://ww.uel.br/grupoestudo/processoscivilizadores/portugues/sitesanais/anais9/ artigos/workshop/art9.pdf.

FRANÇA, Maria do Perpétuo Socorro Gomes de Souza Avelino de; FRANÇA, Samara Avelino de Souza. Colégio Nossa Senhora do Amparo: Casa de Oração, Educação e Trabalho. Revista HISTEDBR On-line. Campinas, número especial, out. 2011, pp. 175-186.

LEVI, Giovanni. A Herança Imaterial. Trajetória de um exorcista no Piemonte do século XVII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

MALHEIROS, Rogério Guimarães; ROCHA, Genylton Odilon Rêgo da. Instrução, Ciência e Civilização: a Província do Grão-Pará e as influências francesa e estadunidense nas questões educacionais (1860 A 1870). Revista HISTEDBR On-line, n.48, Dez.2012, pp. 77-92.

PINTO, Antônio Rodrigues de Almeida. O bispado do Pará. In: Annaes da Bibliotheca e Archivo Publico do Pará. Tomo V. Belém: Instituto Lauro Sodré, 1906.

RAIOL, Domingos. Motins Políticos ou A História dos principais acontecimentos políticos da Província do Pará, desde 1821 até 1835. 3 volumes. Belém. UFPA. 1970 (1a edição: 1865-1890).

RAMOS, Alberto Gaudêncio. Cronologia eclesiástica do Pará. Belém: Falângola, 1985.

RICCI, Magda. Dos Sentidos aos Significados da Cabanagem: percursos historiográficos. In: Anais do Arquivo Público do Estado do Pará. Belém: Secult/Arquivo Público do Estado do Pará, 2000, v. 4, t. 1.

RIZZINI, Irma. O cidadão polido e o selvagem bruto: a educação dos meninos desvalidos na Amazônia Imperial. Rio de Janeiro: UFRJ, 2004, Tese de Doutorado em História Social.

SABINO, Elianne Barreto. A Assistência e a Educação de Meninas Desvalidas no Colégio Nossa Senhora do Amparo na Província do Grão-Pará (1860-1889). Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado Acadêmico em Educação Instituto de Ciências da Educação - ICED Universidade Federal do Pará Belém/ Pará 2012.

SALLES, Vicente. Memorial da Cabanagem, Belém, CEJUP, 1990.

SANGLARD, Gisele. Filantropia e assistencialismo no Brasil. História, Ciências, Saúde. Manguinhos. Vol. 10 (3): 1095-98, set-dez. 2003.

SENA, Ernesto Cerveira de. Mercês, filantropia e política no sertão. Fronteiras, v. 10, n. 18, pp. 35-50, jul./dez. 2008.

SOUSA, Celita Maria Paes de. Traços de compaixão e misericórdia na História do Pará: instituições para meninos e meninas desvalidas no século XIX até início do século XX. São Paulo: PUC-SP, Tese de Doutorado em Educação: Currículo, 2010.

SOUSA, Celita Maria Paes de. Casa das Educandas ou Recolhimento das Educandas: Instituição para meninas desvalidas no Pará, no século XIX. Revista HISTEDBR On-line. Campinas, número especial, out. 2011, pp. 224-234.

VANTI, Elisa dos Santos. A breve história de Ethelvina: caridade, filantropia e assistência à infância em Pelotas, Rio Grande do Sul (1875-1900). História da Educação (12): 143-158, set. 2002.

VIANNA, Arthur. Esboço Restrospectivo da Instrução Pública no Pará. A Escola, Revista Oficial de Ensino, número I, em três de maio de 1900. Apud SEDUC, A Educação no Pará. Belém: Seduc, 1987.

VIANNA, Arthur. Instituto Gentil Bittencourt. Esboço histórico. Belém, 1906.

Fontes:

Legislação/Coleção de Leis da Província do Pará:

BENJAMIN, André Curcino. Índice ou Repertório Geral das Leis da Assembléa Legislativa Provincial do Gram-Pará (1838-1853). Belém: Typographia Commercial de Antônio Joze Rabello Guimarães, impresso por Valentim Joze Ferreira, 1854.

PARÁ, Assembléia Legilstaiva do. Colleção das Leis Provinciaes do Pará, promulgadas na primeira secção que teve principio no dia 2 de março e findou no dia 15 de maio de 1838 e vão numeradas de 1 a 13. Belém: Typogrphia Restaurada, 1838.

PARÁ, Assembléia Legilstaiva do. Colleção das Leis e Rezoluçoens Provinciaes do Pará, promulgadas na segunda secção da Primeira Legislatura que teve principio no dia 15 de agosto e findou no dia 15 de outubro de 1839 e vão numeradas de 14 a 61. Belém: Typogrphia de Santos & Menor, 1839.

PARÁ, Assembléia Legilstaiva do. Colleção das Leis e Rezoluçoens Provinciaes do Pará, promulgadas na primeira secção da Segunda Legislatura que teve principio no dia 15 de agosto e findou no dia 24 de outubro de 1840 e vão numeradas de 62 a 85. Belém: Typogrphia de Santos & Menor, 1840.

PARÁ, Assembléia Legilstaiva do. Colleção das Leis e Rezoluçoens Provinciaes do Pará, promulgadas na segunda secção da Segunda Legislatura que teve principio no dia 14 de abril e findou no dia 2 de julho de 1841 e vão numeradas de 86 a 100. Belém: Typogrphia de Santos & Menor, 1841.

PARÁ, Assembléia Legilstaiva do. Colleção das Leis e Rezoluçoens Provinciaes do Pará, promulgadas e sancionadas no anno de 1842 e vão numeradas de 101 a 109. Belém: Typogrphia de Santos & Menor, 1842.

Relatórios, Discursos e Falas do Governo da Província do Pará:

PARÁ, Governo da Província do. Discurso com que o Presidente da Província do Gram-Pará fez a abertura da 1 Sessão da Assembléa Provincial no dia 2 de março de 1838. Belém: Typographia Restaurada de Santos & Santos Menor, 1838.

PARÁ, Governo da Província do. Espozição do Estado e Andamento dos Negócios da Província do Pará no Acto que fez da Entrega o Exm. Marechal Francisco Joze de Souza Soares D ́Andrea ao Exm. Dr. Bernardo de Souza Franco no dia 8 de abril de 1839. Belém: Typographia de Santos & Menor, 1839.

PARÁ, Governo da Província do. Discurso recitado pelo Exm. Snr. Dr. João Antônio de Miranda, Prezidente da Província do Pará, na abertura da Assembléa Legislativa Provincial no dia 15 de Agosto de 1840. Belém: Typographia de Santos & Menor, 1840.

PARÁ, Governo da Província do. Discurso recitado pelo Exm. Snr. Dr. João Antônio de Miranda no ato de dar posse da Presidência desta Província ao Exm. Snr. Vice-Almirante Tristão Pio dos Santos, no dia 4 de novembro de 1840. Belém: Typographia Santos & Menor, 1840.

PARÁ, Governo da Província do. Discurso recitado pelo Exm. Snr. Doutor Bernardo de Souza Franco, [Vice]Prezidente da Província do Pará, na abertura da Assembléa Legislativa Provincial no dia 14 de Abril de 1841. Belém: Typographia de Santos & Menor, 1841.

PARÁ, Governo da Província do. Discurso recitado pelo Exm. Snr. Doutor Bernardo de Souza Franco, [Vice]Prezidente da Província do Pará, na abertura da Assembléa Legislativa Provincial no dia 14 de Abril de 1842. Belém: Typographia de Santos & Menor, 1842.

PARÁ, Governo da Província do. Discurso recitado pelo Exm. Snr. Desembargador Manoel da Silva Paranhos Vellozo, Prezidente da Província do Pará, na abertura da Primeira Sessão da Quarta Legislatura da Assembléa Legislativa Provincial no dia 15 de Agosto de 1844. Belém: Typographia de Santos & Menor, 1844.

PARÁ, Governo da Província do. Falla dirigida pelo Exm. Snr. Conselheiro Jeronimo Francisco Coelho, Prezidente da Província do Gram-Pará a Assembléia Legislativa Provincial na Abertura da Segunda Sessão Ordinária da Sexta Legislatura, no dia 1 de outubro de 1849. Belém: Typographia Santos & Filhos, 1849.

PARÁ, Governo da Província do. Relatório apresentado ao Exm. Snr. Dr. José Joaquim da Cunha, Presidente da Província do Gram-Pará, pelo Commendador Fausto Augusto d ́Aguiar por occasião de entregar-lhe a administração da Província no dia 20 de agosto de 1852. Belém: Typographia de Santos & Filhos, 1852.

Jornais:

Treze de Maio, N. 3, 20 de maio de 1840, p. 12.

Treze de Maio, N. 4, 23 de maio de 1840, pp. 14 e 15.

Treze de Maio, N. 6, 30 de maio de 1840, p. 22.

Treze de Maio, N. 7, 3 de junho de 1840, p. 27.

Treze de Maio, N. 8, 6 de junho de 1840, pp. 32, 33 e 34.

Treze de Maio, N. 21, 25 de julho de 1840, p. 97.

Treze de Maio, N. 28, 26 de agosto de 1840, p. 131.

Treze de Maio, 4 de novembro de 1840, p. 279.

Diário do Gram-Pará, 24 de janeiro de 1867, p. 1.

Diário do Gram-Pará, 29 de janeiro de 1867, p. 1.

Documentação Manuscrita:

Relatório do Colégio de Nossa Senhora do Amparo, apresentado pelo Vice-Administrador José Bento da Silva, em 10 de julho de 1857, ao Presidente da Província do Pará, Henrique de Beaurepaire Rohan. Fundo: Secretaria da Presidência da Província, Arquivo Público do Estado do Pará.

Relatório do Colégio de Nossa Senhora do Amparo, apresentado ao Presidente da Província do Pará, datado de 21 de outubro de 1863. Fundo: Secretaria da Presidência da Província, Arquivo Público do Estado do Pará. Ao que tudo indica parece ser uma primeira versão manuscrita do Relatório.

Requerimento de Antônio José Dias de Carvalho ao Administrador do Recolhimento das Educandas, em 20 de outubro de 1857. Fundo: Secretaria da Presidência da Província do Pará. Arquivo Público do Estado do Pará.

Downloads

Como Citar

BEZERRA NETO, J. M. O cotidiano mais do que perfeito: instrução e sociabilidades femininas sob vigília no recolhimento das educandas (Belém - Grão-Pará, 1840). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 62, p. 98–120, 2015. DOI: 10.20396/rho.v15i62.8640496. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640496. Acesso em: 5 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos