A utilização do “livro” didático na sociedade do capital

  • Maria Lucia Paniago Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.
Palavras-chave: Sociedade capitalista. Trabalho didático. Manual didático

Resumo

Este artigo trata da mediação realizada pelo “livro” didático na relação pedagógica. Apesar da amplitude do debate com vasta literatura sobre o tema, a relevância da investigação ainda permanece em pauta, uma vez que ele, o “livro” didático, mantém-se soberano na práxis do professor, excluindo-o de sua tarefa na atividade educativa. Esse potente e alienante instrumento de trabalho do professor o transforma em um acessório da atividade educativa, contudo, não o livra do trabalho, mas o seu trabalho de conteúdo. Não é o professor que se utiliza das condições de trabalho, mas o oposto, são as condições de trabalho que utilizam o professor. Dessa perspectiva, temos por objetivo apontar a forma como o “livro” didático se apresenta na atividade educativa, como produto do modo de produção capitalista. Para tanto, nossa pesquisa se concentrou em três obras didáticas de ciências de duas escolas da Rede Municipal de Ensino de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, com a intenção de demonstrar a maneira pela qual o manual didático comeniano permanece estabelecendo a simplificação e vulgarização do conhecimento produzido pela humanidade. O foco de discussão nas questões ambientais, tem relevância por serem questões determinantes do processo de produção da existência humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Lucia Paniago, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Professora Mestre do curso de Educação Física no Campus do Pantanal/Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Referências

ALVES, G. L. A produção da escola pública contemporânea. Campinas: Autores Associados, 2001.

ALVES, G. L. O trabalho didático na escola moderna. Campinas: Autores Associados, 2005.

BARROS, C.; PAULINO, W. R. Ciências: meio ambiente – manual do professor. São Paulo: Ática, 2006. (Coleção Ciências).

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Guia de livros didáticos: PNLD 2013: ciências. Brasília, DF: Ed. Ministério da Educação, 2012. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/arquivos/category/125-guias?download=7366:pnld-2013-ciencias. Acesso em: 10 jan. 2015.

BRASIL. Ministério de Educação. Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília, DF: Ed. Ministério de Educação, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/ensifund9anobasefinal.pdf. Acesso em: 10 jan. 2015.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 11.274, de 6 de fevereiro de 2006 Altera a redação dos arts. 29, 30, 32 e 87 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 7 fev. 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11274.htm. Acesso em: 2 jan. 2015.

CAMBI, F. História da pedagogia. São Paulo: Fundação Editora da UNESP (FEU), 1999.

CAMPOS. R. B. Memórias de manuais de História. Em Aberto, Brasília, DF, v. 16, n. 69, p. 91-97, 1996. Disponível em: http://emaberto.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/viewFile/1041/943. Acesso em: 10 jan. 2015.

CHESNAIS, F.; SERFATI, C. “Ecologia” e condições físicas da reprodução social: alguns fios condutores marxista. Crítica Marxista, Campinas, n. 16, p. 39-75, 2003.

CHOPPIN, A. História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 3, p. 549-566, 2004. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ep/article/download/27957/29729. Acesso em: 10 jan. 2015.

COMENIUS, I. A. Didática magna. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006. Trabalho original publicado em 1621-1657.

EDITORA MODERNA. (Org.). Projeto Araribá: Ciências. São Paulo: Moderna, 2006. Obra coletiva, concebida e desenvolvida pela Editora Moderna.

EDITORA MODERNA. (Org.). Projeto Pitanguá: Ciências. São Paulo: Moderna, 2005. Obra coletiva, concebida e desenvolvida pela Editora Moderna.

FERNANDES, A. T. C. Livros didáticos em dimensões materiais e simbólicas. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 3, p. 531-545, 2004. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ep/article/download/27956/29728. Acesso em: 23/06/2008.

FOLADORI, G. Limites do desenvolvimento sustentável. Campinas: Ed. Unicamp, 2001.

FRACALANZA, H. O que sabemos sobre o livro didático para o ensino de Ciências no Brasil. 1992. 304 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1992. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?down=vtls000057868. Acesso em: 10 jan. 2015.

GALEANO, E. Somos todos culpados pela ruína do planeta. Portal vermelho, jul. 2007. Disponível em: http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=20917&id_secao=9. Acesso em: 04/06/2010.

GATTI JÚNIOR, D. A escrita escolar da história: livro didático e ensino no Brasil (1970-1999). Bauru: Edusc, 2004.

GATTI JÚNIOR, D. Estado e editoras privadas no Brasil: o papel e o perfil dos editores de livros didáticos. Cadernos CEDES, Campinas, v. 25, n. 67, p. 365-377, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v25n67/a08v2567.pdf. Acesso em: 10 jan. 2015.

KONDER, L. Marxismo e alienação: contribuição para um estudo do conceito marxista de alienação. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

LESSA, S.; TONET, I. Introdução à filosofia de Marx. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

MARX, K. Livro I – o processo de produção do capital. In: MARX, K. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Nova Cultural, 1985a. v. 1. Trabalho original publicado em 1867.

MARX, K. Livro I – o processo de produção do capital. In: MARX, K. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Nova Cultural, 1985b. v. 2. Trabalho original publicado em 1867.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã: crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas. São Paulo: Boitempo, 2007. Trabalho original publicado em 1932.

MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto do partido comunista. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1990. Trabalho original publicado em 1848.

MEGID NETO, J.; FRACALANZA, H. O livro didático de ciências: problemas e soluções. Ciência & Educação (Bauru), Bauru, v. 9, n. 2, p. 147-157, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v9n2/01.pdf. Acesso em: 10 jan. 2008.

MENTALIDADE. In: HOUAISS, A.; VILLAR, M. S. Dicionário Houaiss de língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009. Não paginado. CD-ROM.

MÉSZÁROS, I. Educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2006

MÉSZÁROS, I. Produção destrutiva e Estado capitalista. São Paulo: Ensaio, 1989.

MUNAKATA, K. Produzindo livros didáticos e paradidáticos. 1997. 218 f. Tese (Doutorado em História e Filosofia da Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1997. Disponível em: http://www.academia.edu/3763517/Produzindo_livros_did%C3%A1ticos_e_paradid%C3%A1ticos. Acesso em: 10 jan. 2015.

NETTO, J. P.; BRAZ, M. Economia política: uma introdução crítica. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

OLIVEIRA, A. L. O livro didático. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1968.

SIMPÓSIO INTERNACIONAL – LIVRO DIDÁTICO: EDUCAÇÃO E HISTÓRIA, 1., 2007, São Paulo. Anais... São Paulo: Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, 2007. 1 CD-ROM.

SOUZA, A. M. C. Obediência ou transgressão? Eis a questão! A crença de professores de língua inglesa de cursos livres sobre a utilização do livro didático. 2007. 118 f. Dissertação (Mestrado em Lingüistica Aplicada) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2007. Disponível em: http://bdtd.bce.unb.br/tedesimplificado/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=2749. Acesso em: 10 jan. 2015.

TONET, I. Educação contra o capital. 2. ed. rev. São Paulo: Instituto Lukács, 2012.

TONET, I. Educação e ontologia marxiana. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, p. 135-145, 2011. Número especial. Disponível em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/revista/edicoes/41e/art10_41e.pdf. Acesso em: 10 jan. 2015

TONET, I. Um novo horizonte para a educação. Palestra proferida no I Congresso de Ontologia do Ser Social e Educação, São José do Rio Preto, 2007. Disponível em: http://ivotonet.xpg.uol.com.br/arquivos/UM_NOVO_HORIZONTE_PARA_A_EDUCACAO.pdf. Acesso em: 10 jan. 2015.

ZILBERMAN, R. No começo, a leitura. Em Aberto, Brasília, v. 16, n. 69, p. 16-29, 1996. Disponível em: http://emaberto.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/viewFile/1035/937. Acesso em: 10 jan. 2015.

Publicado
2015-04-19
Como Citar
Paniago, M. L. (2015). A utilização do “livro” didático na sociedade do capital. Revista HISTEDBR On-Line, 14(60), 95-114. https://doi.org/10.20396/rho.v14i60.8640550
Seção
Dossiê