Infância e educação: a histórica construção do direito das crianças

  • Djanira Ribeiro Santana Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB
Palavras-chave: Concepções de infância. Educação infantil. Infância brasileira. Filantropia e assistência

Resumo

O presente artigo tem por finalidade realizar uma breve abordagem histórica sobre a maneira como a infância tem sido vista e tratada pela sociedade ocidental em diferentes épocas, desde a Antiguidade, passando pela Idade Média e Moderna até a Contemporaneidade. Busca-se compreender como a partir do advento e consolidação da Modernidade, foi desenvolvida uma nova concepção de infância alicerçada nos ideais da sociedade burguesa. Para isso, foram realizados estudos sobre Rousseau, Pestalozzi e Froebel, os precursores da Educação Infantil na Europa, que inauguraram uma nova concepção de criança como um ser naturalmente bom. O texto também apresenta uma abreviada análise histórica acerca da situação da infância brasileira e da educação a ela direcionada, desde o período Colonial até a atualidade, relatando os percursos da infância na luta pela conquista do Direito das crianças de zero a cinco/seis anos a ter uma Educação Infantil pública de qualidade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Djanira Ribeiro Santana, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB
Pedagoga e Especialista em Educação Infantil pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia e Psicopedagoga Instituicional Pela FINOM- Faculdade do Noroeste de Minas.

Referências

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da educação. São Paulo: Moderna, 1996.

ARCE, Alessandra. A Pedagogia na “era das revoluções”: uma análise do pensamento de Pestalozzi e Froebel. Campinas: Autores Associados, 2002.

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Traduzido por Dora. Flaksman. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

BASTOS, Maria Helena Camara. Jardim de Crianças: o pioneirismo do Dr. Menezes Vieira (1875-1887). In: MONARCHA, Carlos (Org.). Educação da infância brasileira (1875-1983). São Paulo: Autores Associados, 2001, p. 31-80.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

CAMPOS, Maria Malta. A legislação, as políticas nacionais de educação infantil e a realidade: desencontros e desafios. In: MACHADO, Maria Lúcia de A. (Org.). Encontros e desencontros em educação infantil. 3.ed. São Paulo: Cortez, 2008, p. 27-33.

FARIAS, Mabel. Infância e educação no Brasil nascente. In: VASCONCELLOS, Vera Maria Ramos de (Org.). Educação da infância: história e política. Rio de Janeiro: DP&A, 2005, p. 33-48.

FAUSTO, Boris. História do Brasil.12 ed. 2. reimp. São Paulo: USP, 2007.

GHIRALDELLI, Júnior Paulo. História da Educação Brasileira. São Paulo: 3 ed. Cortez, 2008.

HADDAD, Lenira. Substituir ou Compartilhar? O papel das instituições de educação infantil no contexto da sociedade contemporânea. In: MACHADO, Maria Lúcia de A. (Org.). Encontros e desencontros em educação infantil. 3.ed. São Paulo: Cortez, 2008, p. 91-102.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida e PINAZZA, Mônica Appezzato. Froebel: uma pedagogia do brincar para infância. In: Pedagogia (s) da Infância: dialogando com o passado: construindo o futuro. FORMOSINHO, O. Júlia; Tizuko Morchida e PINAZZA, Mônica Appezzato. (Orgs). Porto Alegre: Artmed, 2007, p. 37-60.

KRAMER, Sônia. Infância, cultura contemporânea e educação contra a barbárie. In: BAZÍLIO, Luiz Cavalieri e KRAMER, Sônia. Infância, Educação e Direitos Humanos. São Paulo: Cortez, 2008, p. 83-106.

KRAMER, Sônia. A Política do Pré-Escolar no Brasil: a arte do disfarce. São Paulo: Cortez, 2011.

KOHAN, Walter Omar. Infância. Entre educação e filosofia. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

KUHLMANN JÚNIOR, Moysés. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 2010.

LOPES, Jader Janer Moreira. Grumetes, pajens, órfãs do rei e outras crianças migrantes. In: VASCONCELLOS, Vera Maria Ramos de (Org.). Educação da infância: história e política. Rio de Janeiro: DP&A, 2005, 13-30.

MARCÍLIO, Maria Luísa. A roda dos expostos e a criança abandonada na história do Brasil 1726-1950. In: FREITAS, Marcos Cezar de. (Org). História social da infância no Brasil. São Paulo: Ed. Cortez, 2003, p. 53-79.

NUNES, Deise Gonçalves. Reconhecimento social da infância no Brasil: da menoridade à cidadania. In: VASCONCELLOS, Vera Maria Ramos de (Org.). Educação da infância: história e política. Rio de Janeiro: DP&A, 2005, p. 73-96.

PARDAL, Maria Vitória de Carvalho. O cuidado às crianças pequenas no Brasil escravista. In: VASCONCELLOS, Vera Maria Ramos de (Org.). Educação da infância: história e política. Rio de Janeiro: DP&A, 2005, p. 51-70.

POSTMAN, Neil. O desaparecimento da infância. Rio de Janeiro: Graphia Editorial, 1999.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Emílio, ou Da educação. Tradução de Elia Ferreira Edel. 3 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

RUA, Maria Adelaide. Infância em territórios de pobreza: os falares e sentires das crianças. In: VASCONCELOS, Vera Maria R.; SARMENTO, Manuel Jacinto (Org.). Infância (in)visível. Araraquara: J&M Martins, 2007.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Visibilidade social e estudo da infância. In: VASCONCELOS, Vera Maria R.; SARMENTO, Manuel Jacinto (Org.). Infância (in)visível. Araraquara: J&M Martins, 2007, p. 25-46.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Infância, Exclusão Social e Educação como Utopia Realizável. Educação & Sociedade, ano XXII, no 78, Abril/2002, p. 265-282.

SOUZA, Edmacy Quirina. Por uma compreensão Histórico-Filosófica da Infância. In: CAMPOS, Gleisy Vieira. LIMA, Lílian (Orgs). Por dentro da educação infantil: a criança em foco. RJ: Wak Ed. 2010, p. 15-28.

Publicado
2015-04-18
Como Citar
Santana, D. R. (2015). Infância e educação: a histórica construção do direito das crianças. Revista HISTEDBR On-Line, 14(60), 230-245. https://doi.org/10.20396/rho.v14i60.8640557
Seção
Artigos