Narrativas e representações de um percurso educacional e de um ideário educativo estrangeiro nas cartas de uma educadora

  • Silmara Fatima Cardoso Universidade de São Paulo - USP
Palavras-chave: Correspondência pessoal. Representações de si. Ideário educacional

Resumo

O que as cartas de uma educadora enviadas a um amigo podem revelar sobre o seu percurso educacional, bem como o seu olhar sobre um modelo de educação estrangeiro considerado ideal? Essa questão é fio condutor do presente texto, que tem por objetivo analisar a correspondência de Ignácia Guimarães durante e após a sua viagem à Europa enviada a Anísio Teixeira. Das cartas analisadas somam-se 12, de 37 folhas no total, do período de 1929 a 1933. Essas cartas estão localizada no arquivo pessoal de Anísio Teixeira sob a guarda do CPDOC – Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea da Fundação Getúlio Vargas no Rio de Janeiro. Algumas foram escritas em papel timbrado e apresentam marcas de um português da época. Muitas palavras estão ilegíveis ou rasuradas. Entre os assuntos que se destacam estão os relatos acerca da viagem de Ignácia Guimarães a Europa; condições da educação e das escolas alemãs, a sua atuação enquanto educadora, questões de sua vida pessoal, profissional e a atuação de Anísio Teixeira enquanto administrador do Ensino Público na antiga Capital Federal, Rio de Janeiro. Essa correspondência se mostra uma preciosa fonte de estudo, pois traz descrito - mesmo que seja do ponto de vista da remetente Ignácia Guimarães a representação de sua atuação no campo educacional e de determinado modelo de educação valorizado naquele momento e que estava a se impor, circulando em esfera nacional e internacional. Apesar de terem sido produzidas na esfera da intimidade e sem intenção de publicação, as cartas enviadas a Anísio Teixeira esboçam um desejo de comunicação. Ignácia Guimarães escreveu a respeito de coisas sobre as quais gostariam de falar, de refletir, questionar, primeiramente para “si” e depois para o “outro”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silmara Fatima Cardoso, Universidade de São Paulo - USP

 

Silmara de Fatima Cardoso é doutoranda em educação - Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP). Linha de Pesquisa: História da Educação e Historiografia. Desenvolve o projeto de pesquisa sob o título: “Circulação de modelos pedagógicos e práticas educativas estrangeiras: experiências de educadores brasileiros no além-mar”, financiado pela FAPESP. Possui mestrado em educação pela Universidade de São Paulo (2011) e graduação em pedagogia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2006). Atuou na área da educação pública como professora de Educação Básica e Orientadora Educacional.

Referências

BUENDÍA, Miguel. Modelos de escola na história de Moçambique. In: NÓVOA, António e SCHRIEWER, Jürgen (Eds.). A difusão mundial da escola. Lisboa: Educa, 2000. p. 151-155.

CARVALHO, Marta Maria Chagas. Pedagogia Moderna, Pedagogia da Escola Nova e Modelo Escolar Paulista. In: CARVALHO, Marta Maria Chagas de e PINTASSILGO, Joaquim (orgs.). Modelos Culturais, Saberes Pedagógicos, Instituições Educacionais: Portugal e Brasil, Histórias Conectadas. São Paulo: EDUSP/FAPESP, 2011, p. 185-212.

FERREIRA, António Gomes. O sentido da educação comparada: uma compreensão sobre a construção de uma identidade. In: SOUZA, Donaldo Bello de e MARTÍNEZ, Silvia Alicia (orgs). Educação comparada: rotas de além-mar. São Paulo: Xamã, 2009, p. 137-166.

GOMES, Angela de Castro. Escrita de si, escrita da História: a título de prólogo. In: GOMES, Angela de Castro (org). Escrita de si, Escrita da História. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

GRUZINSKI, Serge. O pensamento mestiço. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

GUIMARÃES, Ignácia. O trabalho escolar: precisa ser distribuido pelos alumnos conforme a capacidade mental de cada um destes. Revista do Ensino, ano I, n. 1, março, 1925, p. 4.

GUIMARÃES, Ignácia. Porque se reprovam tantos alumnos. Revista do Ensino, ano I, n. 2, abril, 1925, p. 42-43.

GUIMARÃES, Ignácia. Progresso dos methodos e meios de educação no Brasil. Revista do Ensino, ano I, n. 4, junho, 1925, p. 87.

GUIMARÃES, Ignácia. Os modernos systemas de educação e as clínicas escolares. Revista do Ensino, ano II, n.13, abril, 1926, p. 108-110.

HOUSSAYE, Jean. Pedagogias: importação-exportação. In: Viagens pedagógicas.

MIGNOT, Ana Chrystina Venâncio e GONDRA, José Gonçalves (orgs). São Paulo: Cortez, 2007, p. 294-314.

JULIA, Dominique. A Cultura Escolar como Objeto Histórico. Revista Brasileira de História da Educação. n. 1, jan./jun., 2001, p. 9-43.

MACIEL, Francisca. Alfabetização em Minas Gerais: adesão e resistência ao método global – parte 1. Texto em pdf, p. 1 a 10. Acesso em 23/07/2012. http://crv.educacao.mg.gov.br/SISTEMA_CRV/index.aspx?&ID_OBJETO=29831&tip

MIGNOT, Ana Chrystina Venancio. Papéis guardados. Rio de Janeiro: UERJ/Rede Sirius, 2003.

SCHUELER, Alessandra Frota M. A longa peregrinação de um professor da roça na Europa. In: In: Viagens pedagógicas. MIGNOT, Ana Chrystina Venâncio e GONDRA, José (orgs). São Paulo: Cortez, 2007, p. 90-113.

VIDAL, Diana Gonçalves. Culturas Escolares: estudo sobre práticas de leitura e escrita na escola pública primária (Brasil e França, final do século XIX). Campinas, SP: Autores Associados, 2005.

VIDAL, Diana Gonçalves. VIDAL, Diana Gonçalves. Fronteiras e Mestiçagens Culturais: A circulação de objectos, pessoas e modelos pedagógicos como problemática em história da educação (Brasil, EUA, França e Portugal no final do século XIX). Estudos do Século XX, no 6, 2006, p. 43-55.

VIÑAO, Antonio. Las autobiografias, memorias y diários como fuente histórico-educativa: tipologia y usos. Revista Teias, UERJ, Rio de Janeiro, volume 1, 2000, pgs 82- 95.

Publicado
2015-04-18
Como Citar
Cardoso, S. F. (2015). Narrativas e representações de um percurso educacional e de um ideário educativo estrangeiro nas cartas de uma educadora. Revista HISTEDBR On-Line, 14(60), 246-259. https://doi.org/10.20396/rho.v14i60.8640558
Seção
Artigos