Neoprodutivismo e amesquinhamento da formação docente

Autores

  • Melânia Mendonça Rodrigues Universidade Federal de Campina Grande

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v15i65.8642701

Palavras-chave:

Formação de professores. Banco Mundial. Política educacional. Educação básica

Resumo

Decorrente da pesquisa nacional “A formação para o trabalho simples no Brasil contemporâneo: da Educação para todos ao Todos pela Educação”, desenvolvida pelo Coletivo de Estudos em Política Educacional, o artigo se volta ao objetivo de analisar, no âmbito das políticas educacionais implementadas no Brasil nas últimas três décadas, as políticas de formação de professores para a educação básica, entendendo-os como intelectuais orgânicos da formação para o trabalho simples. Desse objetivo mais geral, aqui se destacam as diretrizes e propostas do Banco Mundial para essas políticas, abordando, mais detidamente, a última publicação desse organismo sobre a matéria. A análise do documento demonstra continuidades, nos anos 2000, nas propostas do BM para a formação docente formuladas nos anos 1990: lógica economicista, concepção aligeirada da formação, com um caráter nitidamente instrumental. Por outro lado, aponta o agravamento das ameaças de a formação universitária ser substituída por “rotas alternativas” ou “programas de imersão” ou, no limite, pela certificação, por meio de provas de ingresso no magistério, permitindo atrair profissionais de outras áreas para curtos períodos de exercício profissional como professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Melânia Mendonça Rodrigues, Universidade Federal de Campina Grande

Possui mestrado em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (1980) e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2003), com área de concentração em Estado e Política Educacional. Atualmente é professor associado da Universidade Federal de Campina Grande e integrante do corpo docente do Mestrado Acadêmico em Educação da Universidade Federal de Campina Grande. 

Referências

ARNAUT DE TOLEDO, Cézar de Alencar; GIMENEZ, José Carlos. Educação e pesquisa: fontes e documentos. In: CASIMIRO, Ana Palmira Bittencourt S.; LOMBARDI, José Claudinei; MAGALHÃES, Lívia Diana Rocha (org.). A pesquisa e a preservação de arquivos e fontes para a educação, cultura e memória. Campinas: Editora Alínea, 2009, p. 109-125.

BRUNS, Barbara; LUQUE, Javier. Profesores excelentes: cómo mejorar el aprendizaje en América Latina y el Caribe. GRUPO DEL BANCO MUNDIAL: Washington, DC, 2014. 53 p. (Serie del Foro sobre Desarrollo de América Latina)

BRZEZINSKI, Iria (org.). LDB dez anos depois: reinterpretação sob diversos olhares. - 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

EVANGELISTA, Olinda. Apontamentos para o trabalho com documentos de política educacional. s.d. 16 f. Disponível em http://www.dfe.uem.br/texto.Olinda.PDF Acesso em 20 de fevereiro de 2012.

FAMILIAR, Jorge et al.. Prólogo. In: BRUNS, Barbara; LUQUE, Javier. Profesores excelentes: cómo mejorar el aprendizaje en América Latina y el Caribe. GRUPO DEL BANCO MUNDIAL: Washington, DC, 2014. p. XI-XII. (Serie del Foro sobre Desarrollo de América Latina)

FREITAS, Luiz Carlos de. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educação & Sociedade. Campinas, v. 33, n. 119, p. 379-404, abr.-jun. 2012

FRIGOTTO, Gaudêncio. A Produtividade da Escola Improdutiva:um (re)exame das relações entre educação e estrutura econômico-social e capitalista. São Paulo: Cortez, 1984.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e Crise do Capitalismo Real. São Paulo: Cortez, 1995.

HADDAD, Sérgio (org.). Banco Mundial, OMC e FMI: o impacto nas políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 2008. 214 p.

LEHER, Roberto. Um novo senhor da educação? A política do Banco Mundial para a periferia do capitalismo. Outubro (São Paulo) São Paulo, v. 1, n. 3, p. 19-30, 1999.

MARX, Karl. Para uma crítica da economia política. Vol. 1. 12. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1988.

MAUÉS, Olgaíses Cabral. A política da OCDE para a educação e a formação docente. A nova regulação? Educação, Porto Alegre, v. 34, n. 1, p. 75-85, jan./abr. 2011. Disponível em http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/viewFile/5033/6130 Acesso em 26 de setembro de 2013.

NEVES, Lúcia Maria Wanderley et al. A formação para o trabalho simples no Brasil contemporâneo: da EDUCAÇÃO PARA TODOS para TODOS PARA A EDUCAÇÃO – projeto de pesquisa. Digitado, 2011.

NEVES, Lúcia Maria Wanderley et al. O professor como intelectual estratégico na disseminação da nova pedagogia da hegemonia. 2013. 15 p.Disponível em http://36reuniao.anped.org.br/pdfs_trabalhos_encomendados/gt05_trabencomendado_lucianeves.pdf Acesso em 23 de março de 2014.

PANSARDI, Marcos Vinícius. A formação de professores e o Banco Mundial. EccoS. São Paulo, n. 25, p.127-142, jan./jun 2011. Disponível em http://www.redalyc. org/pdf/715/71521708008.pdf Acesso em 26 de setembro de 2013.

PIRES, Valdemir. Economia da educação: para além do capital humano. Sào Paulo: Cortez, 2005.

SANTOS, Lucíola Licínio de C. P. A implementação de políticas do Banco Mundial para a formação docente. Cadernos de Pesquisa, 111, dezembro 2000, p. 173-182. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742000000300009 Acesso em 16 de fevereiro de 2014.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2008.

SHIROMA, Eneida Oto; MORAES, Maria C. M de; EVANGELISTA. Política Educacional. Rio de Janeiro: DP&A, 2000. 140 p. (Coleção o que você precisa saber sobre)

SOARES, Maria Clara Couto. Banco Mundial: políticas e reformas. In:TOMMASI, Livia de; WARDE, Mirian Jorge; HADDAD, Sérgio (org.). O Banco Mundial e as políticas educacionais. São Paulo: Cortez: Ação Educativa, 1996. p. 15-40.

SOUZA, Thaís Rabello de. (Con) formando professores eficazes: a relação política entre o Brasil e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Fluminense. Faculdade de Educação, 2009. 300f.

TOMMASI, Livia de; WARDE, Mirian Jorge; HADDAD, Sérgio (org.). O Banco Mundial e as políticas educacionais. São Paulo: Cortez: Ação Educativa, 1996. 277 p.

WACHOWICZ, Lílian Anna. A dialética na pesquisa em educação. Diálogo Educacional. v. 2 - n.3 - p. 171-181 - jan./jun. 2001.

WERLANG, Adriana da Cunha; VIRIATO, Edaguimar Orquizas. O PROGRAMA PARA REFORMA EDUCACIONAL NA AMÉRICA LATINA E CARIBE (PREAL) E A POLÍTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE NO BRASIL NA DÉCADA DE 90. 2012. 17 f. Disponível em http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/1468/610 Acesso em 20 de agosto de 2013.

ZEICHNER, Kenneth M. Políticas de formação de professores nos Estados Unidos: com e por que elas afetam vários países no mundo. Belo Horizonte: Autêntica, 2013. 238 p. (Coleção Docência)

Downloads

Publicado

2015-12-14

Como Citar

RODRIGUES, M. M. Neoprodutivismo e amesquinhamento da formação docente. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 65, p. 128–140, 2015. DOI: 10.20396/rho.v15i65.8642701. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8642701. Acesso em: 17 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos